Elza Soares: Elza canta e chora Lupi (2015)

Brasil (RS-SP)
Longa-metragem | Registro de espetáculo musical
DVD, cor, 72 min

Direção: Rene Goya Filho.
Companhia produtora: Estação Filmes; Barravento Artes; Joner – Ideias que mobilizam

Lançamento: DVD 2015
Primeira exibição presencial RS: Porto Alegre (RS), Essa Elza tem poder – Programação especial pelo Dia Internacional da Mulher, Cinemateca Paulo Amorim-Sala Eduardo Hirtz, 8 mar 2022, ter, 19h (bate-papo com Carla Joner)

 

Elza canta e chora Lupi é o registro do espetáculo idealizado por Elza Soares e Glauber Amaral para homenagear o compositor e amigo Lupicínio Rodrigues (1914-1974) no centenário de seu nascimento. O show foi programado para ser apresentado somente em 2014 em curtas temporadas no Rio de Janeiro e São Paulo, pois no ano seguinte a cantora partiria para outro projeto, A Mulher do fim do mundo. A produtora cultural gaúcha Carla Joner – amiga de Glauber Amaral, empresário de Elza à época – vai ao Rio e assiste o espetáculo no Teatro Rival. Encantada com o que ouve e vê, Carla decide produzir o registro audiovisual. De volta a Porto Alegre firma parceria com a Estação Filmes. Carla monta um projeto de captação de recursos e após inúmeras tentativas nas áreas pública e privada, consegue absolutamente nada, ela que tinha em mãos nomes como Elza e Lupicínio. Por outras vias, acaba conseguindo em Brasília o patrocínio da Caixa para a realização do show em Porto Alegre. A Caixa acaba também por bancar a finalização do audiovisual. Uma edição institucional (mil exemplares) do DVD é lançada e na sequência o selo Coqueiro Records (do filho de Erasmo Carlos) lança uma edição digipack incluindo o CD. Este material – antes mesmo da morte da cantora – se torna objeto de culto, peça rara de colecionador e alcança preços abusivos em sites de compras.

Foram dois dias de show e gravação no Theatro São Pedro. Conforme Carla Joner a convivência com Elza e sua equipe foi formidável. A cantora queria saber tudo de todos, conversava com todo mundo, do maquinista a Eva Sopher, "interessada demais nas pessoas" complementa. Nenhuma exigência especial: apenas bife, ovo e batata frita – da Lancheria do Parque – que ela mal comia. O boné que aparece em cena e a fotografia de Lupi em um porta-retrato à mesa foram emprestados por Lupicínio Rodrigues Filho. Os dois figurinos usados por Elza foram criados por Ronaldo Fraga especialmente para estas apresentações. Na primeira parte (até a faixa 08) é um vestido vermelho que impõe esta cor à iluminação e um diálogo com as rosas que compõem o cenário. No apartamento da cantora no Rio, Carla entregou em mãos o tesouro final a uma Elza emocionada às lágrimas.

Em 2022, Carla Joner sonha com a edição de um vinil – uma mídia mais duradoura.... Em 2022, sete anos depois do lançamento em DVD, Elza canta e chora Lupi tem sua primeira exibição pública numa sala de cinema em mostra em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, na Sala Eduardo Hirtz, da Cinemateca Paulo Amorim.

Os créditos iniciais mostram fotografias antigas de Porto Alegre e a voz de Lupicínio explicando como surgiu o apelido de cantor da dor-de-cotovelo. Elza pouco fala durante o show, basicamente como diz, canta e chora Lupi. Mas entre as histórias faz questão de contar que é Lupi quem a traz a Porto Alegre, para fazer aquele que considera o seu primeiro show profissional. O primeiro LP de Elza Soares abre com o samba que dá nome ao disco: Se acaso você chegasse (1960), iniciando uma longa parceria com Lupicínio. O segundo disco lançado no mesmo ano, A Bossa negra (1960) apresenta "Cadeira vazia", e assim, em outros LPs vai constar vez ou outra uma canção do compositor gaúcho, até culminar nestes DVD e CD totalmente dedicados a ele. Outro DVD musical – lançado antes deste – é Elza Soares: Beba-me – Ao vivo (Biscoito Fino, 2007), gravado no Teatro do Sesc Vila Mariana, São Paulo, em março de 2007, onde canta Lupicínio. Há ainda o documentário My name is now, Elza Soares (Elizabete Martins Campos, 2018) e a série em quatro capítulos Elza & Mané – Amor em linhas tortas (2022). Elza Soares tem uma extensa relação com o audiovisual desde sua participação especial, cantando em três filmes com Mazzaropi: O Vendedor de linguiça (Glauco Mirko Laurelli, 1962), O Puritano da Rua Augusta (Amacio Mazzaropi, 1965) e Um Caipira em Bariloche (Amacio Mazzaropi, Pio Zamuner, 1973). Ela também está em O Cinema falado (Caetano Veloso, 1986) e em Chega de saudade (Laís Bodanzky, 2007).

Ficha técnica


IDENTIDADES
Elza Soares (voz).
Banda: Antônio Neves (bateria), Gabriel Ballesté (guitarra), Gabriel Menezes (baixo), Danilo Andrade (piano, teclado), Eduardo Neves (sax, flauta).
Arquivo (não creditado): Lupicínio Rodrigues (voz, no início).

DIREÇÃO
Direção geral: Rene Goya Filho.
Assistência de direção: Rafael Roso Berlezi.
Direção artística: Carla Joner.

PRODUÇÃO
Produção executiva: Carla Joner, Glauber Amaral, Rene Goya Filho.
Direção de produção: Vivian Schäfer.
Assistência de produção: Maíra Pinheiro.
Produção administrativa: Miriam Amaral.

Núcleo de Especiais Estação Filmes: Eduardo Muniz, Vivian Schäfer.

SHOW
Idealização do espetáculo: Elza Soares, Glauber Amaral.
Produção executiva: Glauber Amaral.
Desenho de luz: Osvaldo Perrenoud.
Técnico de PA: Celito Borges.
Técnico de monitor: Miguel Dorneles.
Roadie: Graciliano Neto.
Produção técnica: Bruno Melo.
Produção de palco: Guto Alves.
Camarins: Kiki Joner.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Pablo Chasseraux.
Operação de câmera: Bruno Deantoni, Geison Berlezi, Guilherme Moreno, Ieve Holthausen, Marcelo dos Santos, Pablo Chasseraux, Paulo Roberto Ramos Júnior, Rafael Roso Berlezi, Rafael Ferretti, Rafael Wilhelm, Sérgio Guidoux.
Logger: Geison Berlezi.

Fotografia de cena: Eduardo Aigner, Tamires Kopp.

SUÍTE DE PRODUÇÃO
Direção de imagem: Daniel Dode.
Produção técnica: Bruno Melo.

ARTE
Direção de arte: Janaína Falcão
Assistência de arte: Pedro Domingues.
Esculturas cenográficas: Roberto Chagas.
Argumento cenografia: Juliano Almeida.
Cenotécnica: Jamerson Porto.

Figurino de Elza Soares: Ronaldo Fraga.
Figurino da banda: Mauricio Placeres.
Consultoria de moda: Patrícia Parenza.

Maquiagem e cabelo: Wesley Pachu.

Produção pessoal de Elza Soares: Juliano Almeida.

SOM
Engenheiro de gravação: Rafael Rhoden.
Assistência de gravação: Luciano Garofalo Leite, Bernardo Waschburger
Responsável técnico: Rafael Rhoden.

MÚSICA
Direção musical e arranjos: Eduardo Neves.

Faixas:
01. "Exemplo" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
02. "Esses moços (Pobres moços)" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba)
03. "Nunca" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
04. "Loucura" (música, letra: Lupicínio Rodrigues)
05. "Ela disse-me assim (Vai embora)" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
06. "Quem há de dizer" (Lupicínio Rodrigues, Alcides Gonçalves; samba)
07. "Paciência (Vou brigar com ela)" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
08. "Vingança" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
09. Homenagem instrumental: "Jardim da saudade" (Lupicínio Rodrigues, Alcides Gonçalves; valsa)
10. "Cadeira vazia" (Lupicínio Rodrigues, Alcides Gonçalves; samba)
11. "Volta" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba-canção)
12. "Amigo ciúme" (Lupicínio Rodrigues, Onofre Pontes; samba-canção)
13. "Caixa de ódio" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba)
14. "Eu não sou louco" (Lupicínio Rodrigues, Evaldo Ruy; samba)
15. "Se acaso você chegasse" (Lupicínio Rodrigues, Felisberto Martins; samba)
16. "Nervos de aço" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; samba)
17. "Felicidade" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; toada)
"Ela disse-me assim (Vai embora)" [reprise; créditos finais]

EXTRAS
• "Lembrança" (Eduardo Neves, Luis Eduardo Neves e Elza Soares)
• "Felicidade" (música, letra: Lupicínio Rodrigues; toada)
• Making of: Guilherme Moreno.
• Fotos.
• Elza e Lupi.

Editoras:
Peermusic: faixas 01, 04, 07, 13.
Irmãos Vitale: faixas 02, 03, 06, 08-10, 12, 14-17.
CAP Music: faixas 05, 11.
Direto: faixa "Lembrança".

ARQUIVO
Material de arquivo: Marcello Campos.

FINALIZAÇÃO
Montagem: Rafael Roso Berlezi.
Assistência de montagem: Rafael Wilhelm.
Assistência de ilha: Geison Berlezi, Lucas Miralha.

Coordenação de finalização: Nani Barreto.
Colorista: Daniel Dode.

Engenheiro de gravação / mixagem 2.0 e 5.1: Rafael Rhoden, Bernardo Waschburger / Fly Áudio Produtora (Porto Alegre).
Masterização: Marcos Abreu.
Autoração: Rafael Roso Berlezi.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Iluminação e sonorização do show: Impacto Vento Norte (Porto Alegre).
Projeções: Tratoon (Porto Alegre).
Captação áudio e vídeo: Tango Gravações em Movimento (Porto Alegre).
Unidade móvel de externa: Tango Gravações em Movimento (Porto Alegre).
Supervisão de pós-produção: Post Frontier (Porto Alegre).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Estação Filmes (Porto Alegre); Barravento Artes (São Paulo); Joner – Ideias que mobilizam (Porto Alegre).
Patrocínio: Caixa.
Apoio cultural: Theatro São Pedro (Porto Alegre).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos de Elza Soares: Deus, filhos e netos.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre, gravado ao vivo no Theatro São Pedro, 16 e 17 de dezembro de 2014, terça-feira e quarta-feira, 21h.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:11:36 > com tela preta, sem música: 1:13:26
Som: 2.0 / 5.1
Imagem: cor
Proporção de tela: 16:9 widescreen
Formato de captação:
Formato de exibição:
Tiragem (DVD + CD): AA001000 + AB001500.
Legendas (DVD): Português, english.

DIVULGAÇÃO
Arte gráfica: Fred Messias.
Assessoria de imprensa: Adriana Martorano Comunicação.
Comunicação de redes: Nanda Barreto.

PREMIAÇÃO
• 28º Prêmio da Música Brasileira 2017: categoria canção popular – melhor álbum (CD).

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: Livre.
DVD: Distribuição: institucional.
DVD + CD (digipack): Distribuição: Coqueiro Verde Records CV20507, [abr 2016]. Inclui encarte com as letras das músicas + ficha técnica.
Contato: Estação Filmes; Carla Joner.

OBSERVAÇÕES
Grafias alternativas: Paulo Ramos Jr. | Rafael Ferreti | Sérgio Guidoux Kalil | Bernardo Washburger 
Grafias alternativas (funções): Fotógrafos [= Fotografia de cena] | Suíte de produção [= Direção de imagem]

DISCOGRAFIA
Elza Soares
Lupicínio Rodrigues

BIBLIOGRAFIA
Sobre Elza Soares:
SOARES, Elza. Minha vida com Mané. Rio de Janeiro: Editora Saga, 1969.
LOUZEIRO, José. Elza Soares – Cantando para não enlouquecer. Globo, 1997. Colaboração: Lenin Novaes.
LOUZEIRO, José. Elza Soares – Cantando para não enlouquecer. 2.ed. São Paulo: Planeta, 2010. Colaboração: Lenin Novaes.
CAMARGO, Zeca. Elza. Rio de Janeiro: LeYa, 2018. 377p. Coordenação de conteúdo: Pedro Loureiro, Juliano Almeida.

Sobre Lupicínio Rodrigues:
Ver Bibliografias: Autobiografias, biografias, correspondência, songbook: música.

Exibições


• Porto Alegre (RS), Essa Elza tem poder – Programação especial pelo Dia Internacional da Mulher, Cinemateca Paulo Amorim-Sala Eduardo Hirtz, 8 mar 2022, ter, 19h (bate-papo com Carla Joner)

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Elza Soares: Elza canta e chora Lupi. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1038/elza-soares-elza-canta-e-chora-lupi. Acesso em: 18 de maio de 2024.