Agnaldo – Perigo à vista (1969)

Brasil (SP-SC)
Longa-metragem | Ficção
35 mm, cor, 93 min

Direção: Reynaldo Paes de Barros.
Companhia produtora: Fama Filmes; Agnaldo Rayol; Casimiro Silveira S.A. Lumière

Primeira exibição: Curitiba (PR), Cine Vitória, 11 abr 1969, sex, 21h (com show de Agnaldo Rayol e Conjunto Bab-Luba, desfile com Luisa de Franco, filme, coquetel)
Primeira exibição RS: Porto Alegre (RS), São João, 29 maio 1969, qui, 14h + circuito

 

Jerry – A grande parada (Carlos Alberto de Souza Barros, 1967) para Jerry Adriani, Roberto Carlos em ritmo de aventura (Roberto Farias, 1968), Juventude e ternura (Aurélio Teixeira, 1968) para Wanderléa, Pobre príncipe encantado (Daniel Filho, 1969) para Wanderley Cardoso. Cada um ganhava o seu filme. Impulsionados por Help! (Richard Lester, 1965) com os Beatles, uma série com cantores formam uma espécie de subgênero no Brasil entre o final dos anos 60 e início dos 70, onde se inclui Teixeirinha e José Mendes. Então, por que Agnaldo Rayol também não poderia ter o seu próprio filme? Foi o que David Cardoso pensou, que paralelo à sua carreira de ator trabalha como diretor de produção (no início) e depois produtor. Conforme seu depoimento numa de suas biografias, conta que a ideia foi sua e como diretor de produção cuidou de tudo durante um ano, da produção ao lançamento. David retribuiu ao conterrâneo Reynaldo Paes de Barros que tinha lhe convidado para atuar em Férias no sul seu primeiro filme como protagonista, chamando-o para dirigir Agnaldo – Perigo à vista. Para Agnaldo Rayol seria o primeiro como protagonista, mas não o primeiro filme. Sua ligação com o cinema remonta ao clássico Também somos irmãos (José Carlos Burle, 1949), quando tinha apenas 10 anos. Entre pausas, depois como cantor consagrado aparece em números musicais em chanchadas, em quatro com Mazzaroppi etc. e tem imensa participação em programas de TV e novelas. Em 1962 apresenta um programa da TV Gaúcha, em Porto Alegre.

Segundo David Cardoso "o filme se pagou, deu uma boa renda, aconteceu nas bilheterias". Em Porto Alegre é lançado em cinco salas mas fica apenas uma semana em cartaz. Não aconteceu. Visto 50 anos depois numa cópia péssima do YouTube, trata-se de uma sucessão de perseguições de duas gangues atrás do cantor, que inicia em São Paulo, passa pelos portos de Santos e Paranaguá, detém-se um pouco em Joinville, chega em Gramado e desagua em Buenos Aires. Para tanto Agnaldo e os bandidos usam todos os meios de locomoção possíveis: carro, kart, bicicleta, helicóptero, trem, lancha, caminhonete, avião. Sucessão de clichês com fiapo de história. Para os fãs do cantor, provável frustração pois apenas se ouve Agnaldo nos créditos iniciais, em seguida numa apresentação no Teatro Record, e depois de fundo na sequência em Gramado. Um compacto simples é lançado e a capa é com uma fotografia de cena com Agnaldo e Ilse (atriz Malu de Vita) e atrás a Cascata Véu de Noiva, de Gramado. É paradoxal um filme para veículo de um cantor onde ele não canta, tendo tudo para encher de músicas já que não há história, raros diálogos, apenas as perseguições.

Talvez este filme nem devesse estar no Portal, pois a referência ao estado com as filmagens em Gramado se restringe a cerca de 4 minutos em corridas dos apaixonados entre árvores e lagos e às cascatas do Caracol (em Canela, um plano) e Véu de Noiva (em Gramado). Outra referência é que o personagem sósia de Agnaldo é o corredor automobilista Paulo Sales, gaúcho que mora em Porto Alegre, tem uma casa em Gramado e fala "tchê".
Não é à toa que o veterano Rodolfo Icsey é chamado para ser o fotógrafo de Pára, Pedro! (1969) e Janjão não dispara... foge! (1970) dirigidos por P. Dias e de Pontal da Solidão (A. Ruschel, 1974).
Dos quatro longas dirigidos por Reynaldo Paes de Barros, dois tem essa relação com o sul do país. Depois ele volta-se para a região natal, centro-oeste, com Pantanal de sangue (1971). Seu último é na Boca: A Noite dos imorais (1979). Entre eles é fotógrafo de cerca de 20 longas desde Menino de engenho (Walter Lima Júnior, 1965) até Sexo profundo (Waldir Kopesky, 1981) e Delírios eróticos (1981, episódios).
Da mesma ficha de Férias no sul, além de Cardoso e Barros, encontram-se o ator Claudio Vianna (um dos bandidos) e a maquiadora Nena.
Os carros que aparecem são Mercury Cougar 1967, Mustang, Galaxie, aquelas banheiras que Teixeirinha adorava.

Sinopse


Agnaldo Reis, cantor em ascensão, está às voltas com dois bandos: o do marginal Baby Face, que o ameaça com chantagens, e o do paraibano Chico Jovino que o acusa de ter desonrado sua filha. Depois de uma apresentação no Teatro Record de São Paulo, Agnaldo é perseguido pelos dois grupos. Foge de automóvel, trem, navio, lancha, kart, bicicleta, helicóptero, automóvel de corrida. Em Joinville, por acaso entra em uma prova de velocidade, tira o primeiro lugar e ainda fica com Ilse, a noiva do verdadeiro campeão das pistas, Paulo Sales. Vai parar na serra gaúcha. Continua a fuga até Buenos Aires, agora com Ilse.

Ficha técnica


ELENCO
Agnaldo Rayol (Agnaldo Reis / Paulo Sales),
Milton Ribeiro (Chico Jovino), David Cardoso (Baby Face Braga),
Osvaldo de Souza, Claudio Vianna, Ted Moreno, Wilson Junior, Sergio Meira, Luis Riba, Rosalvo Caçador.
Apresentando: Luisa de Franco, Sandra Haick, Malu de Vita (Ilse).
Participação especial: Ronald Golias (Motorista brasileiro na Argentina), Antônio Borba, Wanderléa (Wanda, secretária da embaixada), Jô Soares (Apresentador Teatro Record), Erasmo Carlos (Servente da embaixada), Maurizio Arena, Marcos Lázaro (Embaixador), Ronaldo Lark com o conjunto Bab-Luba, Conjunto Eduardo Araujo.

DIREÇÃO
Direção: Reynaldo Paes de Barros.
Continuidade: Yara Nesti.

ROTEIRO
História, roteiro: Reynaldo Paes de Barros.

PRODUÇÃO
Supervisão: Cleber Holanda (Fama Filmes), Jayme Boehm (Lumière).
Direção de produção: David Cardoso.
Gerência de produção: Ozualdo Candeias.
Assistência de produção: Miro Rosa.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia e operação de câmera: Rodolfo Icsey, Reynaldo Paes de Barros.
Assistência de câmera: Rosalvo Caçador.

Eletricista chefe: Waldomiro Reis.
Eletricista: José Savani.
Maquinista: Pedro Toloni.

ARTE
Maquiagem: Nena.

MÚSICA
Música: Julio Medaglia.

Músicas (ordem de inserção):
• "Perigo à vista" (Reynaldo Rayol, Renato Corrêa) por Agnaldo Rayol [créditos iniciais]
• "Pra ganhar seu coração" (Eduardo Araujo, Chil Deberto) por Agnaldo Rayol e Conjunto Eduardo Araujo: Cacho Valdez (guitarra)
• "Quando me enamoro" ["Quando m'innamoro"] (Daniele Pace, Mario Panzeri, Roberto Livraghi; versão em português: Nazareno de Brito) por Agnaldo Rayol
• "San Francisco" (John Phillips)
• "Quando me enamoro" [reprise, trecho no final]

FINALIZAÇÃO
Montagem: Glauco Mirko Laurelli.
Técnico de som: Julio Peres Caballar, Orlando Macedo.
Efeitos sonoros: Juares Costa.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Película: Eastmancolor Kodak.
Laboratório de imagem: Rex Filme (São Paulo).
Sonografia: Odil Fonobrasil.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Fama Filmes (São Paulo); Agnaldo Rayol; Casimiro Silveira S.A. Lumière (Joinville).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Banco Brasileiro de Descontos, Cia. Sto. Amaro de Automóveis, Transeuropa Passagens e Turismo, Polícia Rodoviária do Estado de São Paulo, Ernani Dietrich / SETUR (RS), Prefeitura de Paranaguá (PR), Prefeitura de Joinville (SC).

FILMAGENS
Brasil / SP, em São Paulo, em lugares como o Teatro Record; no porto de Santos;
Brasil / PR, no porto de Paranaguá;
Brasil / SC, em Jaraguá do Sul (não identificada); São Francisco do Sul (não identificada); Joinville, em lugares como: R. do Príncipe e laterais; R. Doutor João Colin com a antiga Rodoviária, depois Prefeitura; indústria Lumière;
Brasil / RS, em Gramado; em Canela (Cascata do Caracol);
Argentina, em Buenos Aires.
Período: 1968.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 93 min / 1:31:08 (YouTube)
Metragem: 2.508 metros
Número de rolos:
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 35 mm
Formato de exibição: 35 mm
Idioma: Falado em português, com alguns diálogos em italiano e espanhol.

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: Livre / 10 anos.
Certificados:
Censura Federal 41840 de 08.04.1969, proibido para menores de 10 anos.
Certificado do Instituto Nacional de Cinema 198 de 26.03.1969.
Certificado de Produto Brasileiro: B0600622400000 de 06.12.2006.
Localização: Cinemateca Brasileira.

OBSERVAÇÕES
Grafias alternativas: Reynaldo Barros | Wanderléia (cf. créditos)

DISCOGRAFIA
Compacto simples: Agnaldo Rayol. Do filme Agnaldo – Perigo à vista. Copacabana M-802, (P) 1969.
A1. "Perigo à vista" / B1. "Pra ganhar seu coração".

BIBLIOGRAFIA
Guia de filmes. Rio de Janeiro, jul-ago 1969, p.11-12, n.22, indica Fama Filmes e Titanus Filmes como distribuidoras.

Noticiário:
TUBINO, Lauro (texto); HERRERA, José Dias (fotos). Agnaldo está em perigo!. A Tribuna, Santos, 29 maio 1968, 2º Caderno, p.1 [BN, p.13], ano LXXV, n.63.

Exibições


• Curitiba (PR), Cine Vitória, 11 abr 1969, sex, 21h (com show de Agnaldo Rayol e Conjunto Bab-Luba, desfile com Luisa de Franco, filme, coquetel)

• Curitiba (PR), Opera,
12-18 abr 1969, sab, dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h, seg-sex, 14h, 16h, 20h, 22h (lançamento nacional)
19-25 abr 1969, sab-sex
26-30 abr 1969, sab-qua

• Curitiba (PR), Excelsior,
12-18 abr 1969, sab-sex, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h (lançamento nacional)
19-25 abr 1969, sab-sex

• Curitiba (PR), Arlequim, 7-13 maio 1969, qua-ter, 14h, 20h (+ O Alto, o baixo e o gato)

• Porto Alegre (RS), São João, 29 maio-4 jun 1969, qui-qua, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h

• Porto Alegre (RS), Talia, 29-31 maio-4 jun 1969, qui-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h (+ Reduto de heróis), 19h30, 21h30, seg-qua, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Presidente, 29-31 maio-4 jun 1969, qui-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h (+ James Tonto operação Uno), 19h30, 21h30, seg-qua, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Atlas, 29-31 maio-4 jun 1969, qui-sab, 19h30, 21h30, dom, 13h45 (+ Djurado), 19h30, 21h30, seg-qua, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Miramar, 29-31 maio-4 jun 1969, qui, sex, 20h, sab, 20h (+ 30 Winchester para El Diablo), dom, 14h, 20h (+ 30 Winchester para El Diablo), seg-qua, 20h

• Santos (SP), Cine Santa Rosa, 21 jun 1969, sab, 18h30 (+ O Alto, o baixo e o gato)

• Rio de Janeiro (RJ), Azteca (Catete),
7-12 jul 1969, seg-dom
13-19 jul 1969, seg-dom

• Rio de Janeiro (RJ), Flórida (Copacabana), 7-12 jul 1969, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Coral (Botafogo), 7-12 jul 1969, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Saens Peña (R. Major Ávila, Tijuca), 7-12 jul 1969, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Rio Palace (subúrbio da Leopoldina), 7-12 jul 1969, seg-dom

• Bangu (RJ), Hermida (subúrbio da Central), 7-12 jul 1969, seg-dom
• São Gonçalo (RJ), Neves, 7-12 jul 1969, seg-dom
• Caxias (RJ), Brasil, 7-12 jul 1969, seg-dom
• Nova Iguaçu (RJ), Iguaçu, 7-12 jul 1969, seg-dom
• Meriti (RJ), Arte, 7-12 jul 1969, seg-dom
• Petrópolis (RJ), Miragem, 7-12 jul 1969, seg-dom

• Rio de Janeiro (RJ), Coliseu (Madureira), 9-12 jul 1969, qua-dom, 14h, 17h25, 20h50
• Rio de Janeiro (RJ), Paraíso (Bonsucesso), 9-12 jul 1969, qua-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Fluminense, 9-12 jul 1969, qua-dom

• Santos (SP), Itajubá, 22-26 ago 1969, sex-ter, 20h, 21h30
• Santos (SP), Veleiro (Casqueiro), 12-15 out 1969, dom, 14h, 18h30, seg-qua, 20h (+ Dois Ringos no Texas)

• Jaraguá do Sul (SC), Cine Jaraguá, 14 nov 1969, sex, 15h30, 19h30 (show com Rayol e Aladdin Band + filme)

• YouTube, disponível desde 22 abr 2015

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Agnaldo – Perigo à vista. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/123/agnaldo-perigo-a-vista. Acesso em: 14 de abril de 2024.