Xadalu e o jaguaretê (2019)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Não ficção
DCP, cor, 97 min

Direção: Ariel Ortega, Tiago Bortolini de Castro.
Companhia produtora: Pitanga Filmes; Zeppelin Filmes

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-Sala Paulo Amorim, 26 set 2019, qui, 19h30 (lançamento institucional público)

 

Xadalu e o Jaguaretê é o segundo documentário longa-metragem de Tiago Bortolini de Castro (Dalua Downhill, 2012) e tem como protagonistas o artista visual urbano Xadalu Tupã Jekupé e Ariel Kuaray Ortega, cineasta da etnia Mbya-Guarani. O documentário acompanha o intercâmbio entre os dois artistas por um ano.
Xadalu é o artista criador do rostinho de indiozinho que aparece colado em formas de adesivos e cartazes por toda Porto Alegre, cidade onde ele mora. Sua forma de arte é a sticker art e seu trabalho se encontra disseminado nas ruas de mais de 60 países.
Ariel, que além de personagem é codiretor do filme, reside na terra indígena Tekoá Koenju [Aldeia Alvorecer], localizada em São Miguel das Missões (RS). Seus filmes já conquistaram prêmios e foram exibidos em diversos países. Ariel é um dos principais representantes da geração de cineastas indígenas surgidos através do projeto Vídeo nas Aldeias.
Como parte de sua busca artística, Xadalu segue para território guarani na fronteira entre Brasil e Argentina, onde é guiado por Ariel. Enquanto viajam entre aldeias, Xadalu tenta transformar em forma de arte as vivências que tem.
Após esse período, Xadalu viaja disseminando e apresentando o seu trabalho por várias cidades. Ariel o acompanha nessa trajetória, filmando por onde passam. Dessa vez é Xadalu quem guia Ariel a conhecer um mundo novo: o mundo da arte de rua.
Unidos na mesma luta pela causa indígena, os dois cruzam por lugares e experiências especiais, enquanto a relação entre eles evolui e se transforma. Com filmagens no Brasil, Argentina, Itália, França e Alemanha, o documentário é uma produção da Pitanga Filmes e Zeppelin Filmes, com distribuição da Panda Filmes.
Antes, Tiago dirige o documentário Sticker connection (2015, 15 min) sobre as atividades de Xadalu com os adesivos.
Primeira montagem de um longa por Kadu Mirapalhete, egresso do TECCINE.

Sinopse


Informações escritas sobre as imagens ao longo do filme:
/ Durante séculos as cidades brasileiras foram erguidas sobre o que um dia foi território indígena. / Quando os europeus começaram a invadir estima-se que o território do Brasil era habitado por mais de 15 milhões de indígenas. / Hoje, 500 anos depois, são aproximadamente 900 mil de mais de 300 etnias diferentes que lutam para manter seus territórios e modo de vida. / Por muitos anos Xadalu disseminou, de forma anônima, milhares de adesivos e cartazes defendendo a causa indígena. / Depois de uma investigação do Ministério Público, teve sua identidade revelada. A partir daí, começa a filmar suas atividades. / Do envolvimento com os indígenas e suas lutas, Xadalu tira inspiração para seus trabalhos. Agora ele se propõe a fazer uma imersão na cultura Mbya-Guarani, que vive no sul do Brasil e norte da Argentina. Para essa jornada, ele vai precisar de um guia. / Ariel é mbya-guarani e tem uma carreira com diversos filmes, principalmente como diretor de documentários sobre a cultura de seu povo. / Pelo próximo ano, Ariel acompanhará Xadalu na realização desse filme. / Aldeia guarani Vera Guasu Tamaduá, Argentina. / Um ano guarani se divide em: Ara pyau | Tempo novo (primavera – verão), Ara ymã | Tempo velho (outono – inverno).
Ara pyau | Tempo novo / Um ano antes – aldeia guarani / jaguaretê | onça pintada / Os guarani são conhecidos pela experiência das Missões, povoados onde viviam juntos com padres jesuítas nos séculos XVII e XVIII. No Brasil, em 1756, os exércitos de Portugal e Espanha se uniram para derrotar militarmente os guarani, expulsar os jesuítas e tomar o território. Esse episódio é conhecido como a guerra guaranítica. / Ruínas jesuíticas guarani, São Miguel das Missões, Brasil. / Rio Uruguai, fronteira Brasil-Argentina. / Aldeia Pindo Poty. / Dois anos antes [com avô de Ariel]. / Aldeia guarani Vera Guasu Tamanduá. Argentina. / Três anos antes. / Earthdance – Festival de Música Eletrônica. /
Ara ymã | Tempo velho / Xadalu é convidado a expor o seu trabalho na Europa. Ariel vai junto para conhecer um pouco do universo da arte urbana. / Firenze [Florença], Itália. / Quatro anos antes. / Casa de Leilões, Porto Alegre, Brasil. / Roma, Itália. / World Wide Wall – Evento internacional de poster art. / Berlin, Alemanha. / Paris, França. / Patrícia Moribe, jornalista, rfibrasil.com / Fondation Cartier pour l'art contemporain. /
Ara pyau | Tempo novo / Porto Alegre, Brasil. / Festa Socialaje, Vila Funil, Porto Alegre. / Cinco anos antes. / Ministério Público, Porto Alegre, Brasil. / 1º dia de filmagem que Xadalu mostra o rosto. / Por meses, o Ministério Público investigou a atividade na época anônima de Xadalu. Após Xadalu revelar sua identidade e prestar depoimento, a promotoria decidiu arquivar o inquérito e não prestar denúncia. [12 mar 2013] /

Ficha técnica


IDENTIDADES
Xadalu Tupã Jekupé (artista urbano),
Ariel Kuaray Ortega (ator e cineasta).
Participação Rio 2016: Glenda Shepherd, Cath Connor, Anne Silva.
Argentina: Ernesto de Carvalho, Thiny Ramirez, Regina Ramirez, Verá Poty, Cacique Alejandro Benítez, Professor Benitez, Dionísio Duarte, Rafael Chamorro, Cleyton Duarte.
Itália: Matteo Castellani, Stelleconfuse, Jamesboy, Exit Enter, Eugenia Chiasserini, Merio Fishes, Tiziano Tancredi.
Alemanha [Deutschland]: Ezequiel da Silva.
França [France]: Capucine Boidin, Patrícia Moribe (jornalista), Akiza, Thomas Delamarre, Marcel Badan, Carolina Gandulfo.
Brasil: Elsa Duarte, Patrícia Ferreira Pará Yxapy, Gustavo Ortega, 3LK, Daniel Chaieb (leiloeiro), André Venzon, Marcelo Silveira de Almeida, Dalva Martins da Luz, Maria Martins da Luz, Sérgio José Toniolo.
Não creditado: Tiago Bortolini de Castro.

DIREÇÃO
Direção: Tiago Bortolini de Castro.
Codireção: Ariel Kuaray Ortega.

ROTEIRO
Tradução guarani: Ariel Kuaray Ortega.
Tradução inglês: Maria Julia Terrazas.
Tradução espanhol: Gabriela Burck.

PRODUÇÃO
Produção: Diego Tezzoni Rodrigues.
Coprodução: Ricardo Baptista da Silva.
Produção executiva: Betânia Furtado, Fernanda Severo.
Assistência de produção executiva: Emiliano Cunha, Pamella Moreira.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia (Brasil e Argentina): Pedro Balestreri.
Direção de fotografia (Europa): Tiago Bortolini de Castro.
Operação de câmera: Pedro Balestreri, Tiago Bortolini de Castro, Ariel Kuaray Ortega.
Operação de câmera adicional: Leandro Abreu, Fábio Pinheiro, Eduardo Reis, Thiny Ramirez, Rafael Trindade, Xadalu Tupã Jekupé, Diego Tezzoni Rodrigues.

SOM
Som direto: Cleber Neutzling.

MÚSICA
Música original e source music – composição e arranjos: Everton Rodrigues.
Música adicional: Bruno Mad.

Músicas:
• canções tradicionais guarani por Verá Poty (violão, voz)

ARQUIVO
Filme: A Transformação de Canuto (Ariel Kuaray Ortega, Ernesto de Carvalho). Produtora: Vídeo nas Aldeias. [longa em finalização]

FINALIZAÇÃO
Montagem: Kadu Mirapalhete.
Assistência de montagem e finalização: Pedro Balestreri.

Efeitos visuais e colorista: Tiago Bortolini de Castro.
Supervisão colorista: Daniel Dode.

Supervisão de som: Kiko Ferraz, Chrístian Vaisz.
Edição de diálogos: Ricardo Costa, Richard Thomaz.
Edição de ambientes e efeitos sonoros: Gabriel Schulz, Ricardo Costa.
Foley: Felipe Burger Marques.
Gravação e edição de foley: Renato Galimberti.
Mixagem: Ricardo Costa.
Coordenação de estúdio de som: Lísia Faccin.

ACESSIBILIDADE
Roteiro de AD Audiodescrição: Letícia Schwartz, Gabriel Schmitt.
Consultoria de roteiro: Marilena Assis, Luís D. Medeiros.
Narração: Letícia Schwartz.
Técnico de som: Gabriel Schmitt.

LIBRAS Língua Brasileira de Sinais
Intérprete
: Ângela Russo.
Edição: Marcio Papel.

LSE Legendagem para Surdos e Ensurdecidos
Produção de legendas
: Gabriel Schmitt.
Revisão: Jean Michel Carret Farias.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Estúdio de som: KF Studios (Porto Alegre).
DCP e legendagem: Fantasma do Espaço (Porto Alegre).
Acessibilidade: Mil Palavras (Porto Alegre).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Pitanga Filmes (Porto Alegre).
Coprodução: Zeppelin Filmes (Porto Alegre).
Financiamento (BR/RS): Edital SEDAC nº 11/2014: Concurso RS Polo Audiovisual – Produção de documentário. Pró-cultura RS Lei nº 13.490/2010 FAC Fundo de Apoio à Cultura. Realização: SEDAC Secretaria de Estado da Cultura [SEDACTEL Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer], por intermédio da Diretoria da Economia da Cultura e do IECINE Instituto Estadual de Cinema do RS / Governo do Rio Grande do Sul, em parceria com FSA Fundo Setorial do Audiovisual. Proponente: Diego Tezzoni Rodrigues. Valor: R$ 250.000,00; contemplado com o título: Xadalu.
Financiamento (BR): Chamada Pública nº 01/2014 – Arranjos Financeiros Estaduais e Regionais. Recursos públicos geridos pela ANCINE Agência Nacional do Cinema. Investimentos do FSA Fundo Setorial do Audiovisual administrados pelo BRDE Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Proponente: Pitanga Filmes Ltda.. Valor: R$ 150.000,00.

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: A todos os guarani das comunidades: Tekoá Vera Guasu Tamanduá, Tekoá Pindo Poty (Misiones), Tekoá Koenju.
Especialmente para: Marcela Duarte, Savina Duarte, Juan Carlos Ramirez, Jachuka'i, Moarapoty Ortega, Leo Duarte Ortega, Luz Duarte, Luisiana Duarte, Ana Duarte, Milena Ramirez, Vany Ramirez, Regina Ramirez, Nadine Aruandê, Juan Cancio Duarte, Thiny Ramirez, Verá Ponty, cacique Alejandro Benítez, professor Benitez, Dionísio Duarte, Rafael Chamorro, Cleyton Duarte, Elsa Duarte, Patrícia Ferreira Pará Yxapy, Gustavo Ortega, Jonatan Duarte, Nahuel Duarte, Alcides Duarte.
Comunidade da Vila Funil Porto Alegre, Família Martins da Luz; Generator Hostel Berlin; Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Adriana Almeida, Tacieli Dalanora da Silva; Bolsa de Arte, Marga Pasquali, Egon Kroeff; Rádio Francesa Internacional, Patrícia Moribe, Daniella Franco, Maria Alencar, Élcio Ramalho, Ibrahima Khaliloulahi Gaye, Claire Desprez, Zanutto; Fundação Cartier de Arte Contemporânea [Fondation Cartier pour l'art contemporain], Thomas Delamarre, Marcel Badan, Sidney Gerard; Promotoria Ministério Público RS; Daniel Chaieb Leiloeiro; Rotiseria Lumira; Joner Produções; Serigrafia Gaúcha; Vídeo nas Aldeias.
Alexandre Calliari, Ana Carvalho, André Venzon, Antonio Castro, Bboy Ema, Bruna Abubakir, Celo Pax, César Juliani, Daniel Cunha, Diego de Godoy, Djoser Botelho Braz, Eduardo Rutkowski, Enrique Pessoa, Ernesto de Carvalho, Everson Colossi Nunes, Geraldo Garcia Alves, Fabiana Fernandes, Fabrizio Ajello, Felipe Quednau Thomé, Fernanda Franke Krumel, Fernando Ancil, Francisco Dalcol, Jerônimo Cavalheiro, Julia Wagner, Lígia Graeff Alves, Liliana Sulzbach, Maicon Cunha, Marçal Oliveira, Márcio TPS, Matheus Mombelli, Matías Luna, Mister PI, Nádia Yacoub, Natalia Michelena, Niryusha Prem, Paola Mallmann de Oliveira, Pedro Guarino, Pedro Gusmão, Rafael Black de Castro, Rafael Trindade, Rodrigo Cabral, Rodrigo Pesavento, Roger Lerina, Sandra Coutinho, Silvia Balestreri Nunes, Tatiane Graeff Alves, Teresinha Nair Bortolini de Castro, Thaís Chiappetti, Trampo, Tridente, Walasse Merong, William Ballestrin.

FILMAGENS
Argentina, na Tekoá Vera Guasu Tamanduá;
Brasil / RS, em São Miguel das Missões (nas ruínas jesuíticas guarani); Porto Alegre (ruas; Earthdance Global Festival 2014; atelier de Xadalu; Vila Funil);
fronteira Brasil-Argentina, no Rio Uruguai, na Tekoá Pindo Poty;
Itália / Regione Toscana, em Firenze [Florença];
Itália / Regione Lazio, em Roma (ruas; World Wide Wall, abr 2017);
Alemanha [Deutschland], em Berlin (ruas);
França [France] / Région Île-de-France, em Paris (ruas; Fondation Cartier pour l'art contemporain).

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 97 min
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 16:9 widescreen (DVD)
Formato de captação:
Formato de exibição:
Acessibilidade disponível: AD Audiodescrição + LIBRAS Língua Brasileira de Sinais + LSE Legendagem para Surdos e Ensurdecidos.

DIVULGAÇÃO

PREMIAÇÃO
• Amazônia Doc.6 Festival Pan Amazônico de Cinema 2020: menção honrosa // melhor longa (júri popular).

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa:
Distribuição: Panda Filmes.
Contato:

OBSERVAÇÕES
IECINE tem uma cópia DVD com a seguinte duração: 1:45:21.

Títulos alternativos: Xadalu.
Grafias alternativas: Xadalu [= Dione Martins da Luz] | Ariel Kuaray e Ariel Kuaray Ortega | Thomas Delamare e Thomas Delamarre | Patricia Ferreira | Beca Furtado | César Juliani Primo | Gabriel Bohrer Schmitt | Felipe Burger Martins | Everton Colossi Nunes
Grafias alternativas (funções): Artista de foley | Janela de libras | Color grading | Supervisão de color grading | Técnico de áudio

BIBLIOGRAFIA
ZIMOVSKI, Adauany; JONER, Carla; MARTINS, Dione (org). Xadalu – Movimento urbano. Porto Alegre: Joner Produções, 2017. 139p. Textos: Dione Martins 'Xadalu', Vitor Mesquita, Francisco Dalcol, André Venzon, Adauany Zimovski, Patrícia Ferreira Pará Yxapy. Edição trilíngue português-inglês-guarani. Inclui cartaz 'Atenção Área Indígena'.

Exibições


• Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-Sala Paulo Amorim, 26 set 2019, qui, 19h30 (lançamento institucional público, entrada gratuita, debate com diretor Tiago Bortolini de Castro e Xadalu, mediação: Mônica Kanitz)

• Belém (PA), Amazônia Doc.6 Festival Pan Amazônico de Cinema [online; 13-23 set]-Mostra Competitiva Pan Amazônica de Longa-metragem, Sala Milton Mendonça, 17 set 2020, qui, online AmazôniaFlix entre 18h e 24h

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Xadalu e o jaguaretê. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1245/xadalu-e-o-jaguarete. Acesso em: 23 de fevereiro de 2024.