Dois tempos (2021)

Brasil (RJ)
Longa-metragem | Não ficção
HD, cor, 89 min

Direção: Pablo Francischelli.
Companhia produtora: DobleChapa; TvZero

Primeira exibição: São Paulo (SP), É Tudo Verdade / It's All True 26º Festival Internacional de Documentários [8-18 abr]-Competição Brasileira: Longa ou Média-metragem, 12 abr 2021, seg, 21h [online plataforma Looke]
Primeira exibição RS: Porto Alegre (RS), Cine Grand Café Sala 1, 25 maio 2022, qua, 19h30 (pré-estreia, debate com diretor e os músicos Yanel e Costa)

 

Em janeiro de 2019, o cineasta Pablo Francischelli testemunhou um momento emblemático da música instrumental brasileira: o reencontro entre o violonista gaúcho Yamandu Costa e seu mestre, o argentino Lucio Yanel. Mais do que um mero registro cinematográfico, o documentário, batizado de Dois tempos, é uma pequena pérola para os muitos fãs de Yamandu Costa, que têm o privilégio de saber um pouco mais sobre a sua trajetória e registrar sua espontaneidade no dia a dia. Além disso, o público conhece melhor Yanel, ninguém menos que o homem responsável por ter inspirado Yamandu nas artes do violão. Lançado em 2021 no Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade, Dois tempos está disponível em canais de streaming e passou rapidamente pelos cinemas. Yamandu e Lucio gravaram um CD juntos em 2001, também batizado de Dois tempos. Depois disso, o gaúcho foi conquistando o Brasil com suas composições e o jeito impressionante de tocar violão. Não demorou para ter uma carreira internacional e a agenda intensa o afastou do mestre.

Pablo Francischelli já havia trabalhado com Yamandu Costa na série Sete vidas em 7 cordas (2015), dedicada ao violão dileto do gaúcho. Para este reencontro com Yanel, que era um desejo de Yamandu, o diretor se pautou pela simplicidade e optou por mostrar a parceria entre mestre e discípulo. O documentário se encaixa no gênero que ficou conhecido como road movie, seguindo os dois artistas em uma viagem intimista e cheia de lindos momentos musicais. A bordo de um motorhome, guiado pelo próprio Yamandu, os dois violonistas saíram do interior do Rio Grande do Sul rumo a Corrientes, no interior da Argentina, onde Yanel nasceu em 1946. O objetivo era participar da Festa Nacional do Chamamé, dedicada ao ritmo típico da região; mas, durante a viagem que durou duas semanas, mestre e discípulo reviraram lembranças e afetos e reconstruíram uma relação de amizade iniciada quando Yamandu ainda era criança e vivia com os pais em Passo Fundo.

O próprio Yamandu é quem narra esta história, na abertura do filme, lembrando as anotações que o pai, Algacir, deixou em um caderno. Lucio Yanel resolveu sair da Argentina no início dos anos 1980 devido à crise econômica e tinha decidido viver em São Paulo. Durante a viagem de ônibus, fez uma escala em Passo Fundo para entregar uma encomenda a pedido de um amigo. Foi assim que ele chegou à casa da família de Algacir Costa, pai de Yamandu, e ao Rio Grande do Sul – de onde nunca mais saiu e acabou se transformando em uma referência do violão e dos ritmos castelhanos no cenário dos festivais nativistas, principalmente pelo jeito inovador de mesclar lirismo e percussão no instrumento. "Lembro de ver você tocando quando eu tinha uns 7 anos, o público estava completamente hipnotizado. A culpa de eu ser violonista é sua", brinca Yamandu, em um registro do filme.

Ao longo da viagem, nem parece que estamos seguindo dois monstros sagrados do violão. A estrada é longa, a paisagem é constante, o calor de janeiro leva um certo desconforto ao interior do motorhome. Yamandu é mais falante e se diverte com a empreitada, enquanto Lucio oferece poucos sorrisos. A câmera acompanha tudo sem interferir, só trazendo o improviso de alguns personagens que surgem pelo caminho. Um destes momentos acontece em uma praça da cidade de São Nicolau, quando Yamandu dedilha o violão e chama a atenção de um homem. "Você vive disso?", pergunta o passante, impressionado com a habilidade do rapaz. Mais adiante, logo depois da fronteira com a Argentina, os dois violonistas tocam na rua, em um pequeno povoado, e atraem curiosos. "Vem aqui. Olha como eles tocam", diz um homem a outro.

À medida em que o motorhome avança pelo interior da Argentina, com lugarejos que parecem ter parado no tempo, também cresce a cumplicidade entre os dois personagens. A câmera ganha em poesia quando Yanel reencontra lugares e amigos do passado, como a estação de trem abandonada onde o pai trabalhava como ferroviário e o grupo de velhos conterrâneos que o recebem em uma roda musical. Nisso tudo, Yamandu participa como um coadjuvante respeitoso e atento, compartilhando este sentimento com o público.

Dois tempos termina com o concerto de Yamandu e Yanel em Corrientes. São dois violões soberbos de dois artistas unidos pela mesma vocação. Mas, até chegarem ali, houve uma longa estrada e muitas escolhas. Para além do reencontro entre mestre e discípulo, o filme propõe uma reflexão sobre a vida, sobre as opções feitas e sobre o destino – deles e de todos nós. Afinal, cada um dos protagonistas, a seu tempo, encontrou um caminho. Yamandu Costa passa a morar em Lisboa desde 2020, de onde segue para apresentações em vários países; Lucio Yanel vive em Caxias do Sul, na serra gaúcha, e continua sendo uma referência para as novas gerações de violonistas.

A série Sete vidas em 7 cordas (2015, sete episódios, c.50 min cada), também da DobleChapa, acompanha o encontro de Yamandu Costa com Carlinhos 7 Cordas, Rogério Caetano, Luizinho 7 Cordas, Arthur Bonilla, Valter Silva, Vinicius Sarmento. Além de diversos DVDs, outra série com o músico é De show a show com Yamandu Costa, 12 episódios (estreia 23 ago 2018, qui, 21h30, no Music Box Brazil: canais 623 HD e 123 na NET e na Claro TV).

Sinopse


Trinta e cinco anos depois do primeiro encontro, que mudaria a vida de ambos, o violonista argentino Lucio Yanel e seu pupilo brasileiro Yamandu Costa se reencontram para refazer, em uma viagem, os caminhos que levaram Yanel originalmente ao interior do Rio Grande do Sul. A bordo de um motor home, com seus violões e suas memórias, mestre e discípulo cruzam a fronteira do Brasil em direção a Corrientes, terra natal do argentino, refletindo sobre as transformações trazidas pela inexorável passagem do tempo.

Ficha técnica


IDENTIDADES
Ordem de entrada:
Clary Costa (mãe de Yamandu),
Lucio Yanel,
Yamandu Costa,
Gentil Gomes, Yiye Mauriño, Secundino Martinez, Nino Garcia, Willy Luis Moreira, Adán Maria Caraballo.

DIREÇÃO
Direção: Pablo Francischelli.

ROTEIRO
Roteiro: Caio Jobim, Pablo Francischelli.

PRODUÇÃO
Produção executiva: Caio Jobim.
Produção: Lucas Olivares.
Assistência de produção: Ana Righi.
Coprodução: Roberto Berliner, Leo Ribeiro.
Motoristas: José Antônio Machado, Juliano Lippert.
Controle financeiro: Scheila Passamani.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Luis Abramo.
Assistência de câmera: Juliano Dutra.
Logger e making of: Gil Costa.

SOM
Som direto: Alexandre Griva.

MÚSICA
Trilha sonora original: Vagner Cunha, Bebê Kramer.
Gravação e mixagem da trilha sonora: Leo Bracht / Transcendental Audio.
Produção da trilha sonora: Vagner Cunha / Bell'Anima.
Clearence direitos autorais musicais: Berenice Sofiete.

Músicas:
• "A Villa Guillermina" (Gregorio Malina, Ricardo Ramon Visconti) por Clary Costa // Editora: Warner Chappell Music Argentina representada no Brasil por Warner Chappell Music Brasil Edições Musicais Ltda.
• "Improviso noturno" por Lucio Yanel e Yamandu Costa
• "Improviso de milonga" por Yamandu Costa
• "Amigo Velu" (música: Yamandu Costa) por Yamandu Costa // Editora: 100% Bagual (Nossa Música)
• "La Cara de Pedro" (música: Lucio Yanel) por Lucio Yanel e Yamandu Costa // Direto
• "La Cau" (folclore correntino; chamamé; arranjo: Lucio Yanel, Yamandu Costa) por Lucio Yanel e Yamandu Costa // domínio público
• "Karai" (Luiz Carlos Borges, Yamandu Costa) por Luiz Carlos Borges e Yamandu Costa // Editora: 100% Bagual (Nossa Música)
• "Cuando vuelva al pago" (música: Lucio Yanel) por Yamandu Costa e Yiye Mauriño // Direto
• "La Tranca" (Ernesto Montiel) por Nino Garcia, Secundino Martinez e Yamandu Costa // Editora: SADAIC Sociedad Argentina de Autores y Compositores de Música (ADDAF Associação Defensora de Direitos Autorais)
• "Al tranquito de Monona" (música: Lucio Yanel) por Lucio Yanel e Yamandu Costa // Direto
• "La Calandria" (Isaac Abitbol) por Lucio Yanel // Editora: Warner Chappell Music Argentina representada no Brasil por Warner Chappell Music Brasil Edições Musicais Ltda.
• "Pantanal" (música: Lucio Yanel) por Lucio Yanel e Yamandu Costa // Direto
• "Para Don Ventura" (música: Lucio Yanel) por Lucio Yanel e Yamandu Costa // Direto

Trilha sonora original:
• "Saudade" (Bebê Kramer) por Bebê Kramer e Vagner Cunha
• "O Ronco do bugio" (Vagner Cunha, Bebê Kramer) por Bebê Kramer
• "Melancolia de Lúcio" (Vagner Cunha) por Bebê Kramer e Vagner Cunha
• "À beira do Yguapei" (música: Luiz Carlos Borges, letra: João Sampaio) por Bebê Kramer e Vagner Cunha
• "Tema Dois tempos" (Vagner Cunha) por Bebê Kramer e Vagner Cunha

ARQUIVO

FINALIZAÇÃO
Montagem: Pablo Francischelli, edt..
Supervisão e montagem adicional: Pedro Bronz, edt..
Assistência de edição: Aline Portugal.

Coordenação de pós-produção: Cel Mattos.
Assistência de finalização: Carol Garritano, Nat Mizher.
Colorista: Gabriel Durán.

Desenho de som e mixagem: Alexandre Griva, Caio Barreto.
Edição de diálogos: Gabriel Durán.

EQUIPE TvZero
Direção geral: Roberto Berliner.
Produção executiva: Leo Ribeiro.
Coordenação de pós-produção: Cel Mattos.
Coordenação de produção: Fernanda Calábria.
Coordenação de fomento e difusão: Paula Alfaia.
Assistência de finalização: Nat Mizher, Carol Garritano.
Financeiro: Michelle Matias.
Assistência de produção: Vitória Antonelli.
Auxiliares administrativos: Maria Eugênia Lopes, Marcos Olecio, Sérgio Gomes.

EQUIPE Canal Curta!
Direção de conteúdo: Bibiana de Sá, Julio Worcman.
Direção executiva: Ana Gabriela.
Curadoria: Barbara Louise, Daniela Nigri, Eduardo Fradkin, Marina Burdman, Marina Kezen, Natalia Amarante Furtado.
Coordenação de aquisição: Fernanda Tamara.
Coordenação de canal: Mariana Seivalos.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: DobleChapa (Rio de Janeiro).
Coprodução: TvZero (Rio de Janeiro).
Financiamento (BR): Chamada Pública nº 01/2014 – Arranjos Financeiros Estaduais e Regionais. Recursos públicos geridos pela ANCINE Agência Nacional do Cinema. Investimentos do FSA Fundo Setorial do Audiovisual administrados pelo BRDE Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Proponente: Ranulfo Domingos Borges-ME. Valor: R$ 156.460,64.
Produção cultural: Canal Curta! (Rio de Janeiro).
Apoio: Bell'Anima (Porto Alegre); Deserto Filmes (Rio de Janeiro); Hotel Raios de Sol; Melhor do Mundo Studios (Rio de Janeiro); Transcendental Audio (Porto Alegre); Estúdio Tey! (Rio de Janeiro).
Apoio institucional: Prefeitura de São Nicolau (RS); Municipalidad de San Carlos (AR); Municipalidad de Ituzaingó (AR); Municipalidad de Mercedes (AR).
Apoio cultural: Hotel da Cuia (Santa Cruz do Sul); Instituto de Cultura de Corrientes (AR); Restaurante Tio Hugo (Ituzaingó, AR); Tio Ci Artigos Gaúchos (Caxias do Sul).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos especiais: Gabriel Resende, Isabelle Rathery, Jorge Durán, Loreta Gandolfi, Mário Magalhães, Pierre-François Sautier, Roberto Berliner, Rodrigo Cascardo, Santiago Hadida.
Agradecimentos: Adán Maria Caraballo, Alicia Yolanda Rossi, Amelia Ramírez, Ángel Pavón, Benício Bouny Costa, Bernardo Vianna Waihrich, Celina Wolffelt, Celso Adrián Mauriño, Claudio Gadotti, Cristiana Grumbach, Diego Costa, Eduardo Nascimento Costa, Eduardo Sivori, Elodie Bouny, Família Ortaça, Federico Peretti, Felipe Diniz, Felipe Fessal, Felipe Kirsch Motorhomes, Felipe Rosa, Fernando Almirón, Franscisco Neri Nuñez, Franco Rivero, Gabbo Marvasi, Graciela Laraburru, Henrique Waihrich Neto, Instituto de Cultura de Corrientes, Isadora Pillar, Juan José Nuñez, Juana Gauto, Leon Pagin Francischelli, Leonardo Francischelli, Luana Pagin, Lucilda Francischelli, Lucas Sebatian Moroso, Lucia Alvira, Luis Gomes, Luiz Carlos Borges, Manoel García, María Campaña Ramía, María Rosa Gonzalez, Maria Teresa Peralta, Mario Flores, Martin Pagin Francischelli, Nelson Franco Jobim, Panaderia San Pantaleon (San Carlos), Pedro Gilles, Pierre-Alexis Chevit, Ricardo Viel, Rosa Vianna, San Baldomero, Susy de Pompert.

Dedicatória: Para Leonardo, por atravessar fronteiras.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Passo Fundo; estradas;
Argentina, em Corrientes.
Período: janeiro de 2019.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:28:39
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 2.35
Formato de captação:
Formato de exibição: HD
Idioma: Português, español.

DIVULGAÇÃO
Identidade visual: Nicolau Mello.
Trailer. Duração: 02:20 (YouTube).

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: Livre.
Distribuição:
Contato: DobleChapa.

OBSERVAÇÕES
Créditos finais:
// Todos os esforços foram feitos para localizar a origem e a propriedade do material inserido neste filme. Os produtores lamentam eventuais erros e omissões que posam ter ocorrido na liberação dos direitos, e afirmam que a utilização de material pré-existente nesta obra foi feita com base no princípio de que, em determinadas circunstâncias, a liberdade de expressão importa mais à sociedade do que ônus imposto ao eventual titular do direito autoral. //
// Produção: DobleChapa. © 2021 todos os direitos reservados. //

Títulos alternativos: Dos tempos | Road for two
Grafias alternativas: Curta! TV – Conteúdos relevantes | Bell'Anima Produções e Bell'Anima
Grafias alternativas (funções): Controller | Correção de cor

DISCOGRAFIAS
Lucio Yanel
Yamandu Costa

BIBLIOGRAFIA
Noticiário:
PEIXOTO, Mariana. Yamandu Costa e Lucio Yanel se encontram em Dois tempos – Laços entre duas gerações, dois países e os violões dos artistas são mostrados e celebrados no documentário que vai ao ar nesta segunda. Estado de Minas, Belo Horizonte, 11 out 2021.
KANITZ, Mônica. Dois violões e uma estrada – Road movie sobre o reencontro de Yamandu Costa e Lucio Yanel volta a cartaz em Porto Alegre. Filme também está no streaming. Zero Hora, Porto Alegre, 16-17 jul 2022, Doc, p.13. [gentilmente cedido e adaptado para o verbete]

Exibições


• São Paulo (SP), É Tudo Verdade / It's All True 26º Festival Internacional de Documentários [8-18 abr]-Competição Brasileira: Longa ou Média-metragem, 12, 13 abr 2021, seg, 21h, ter, 15h (online plataforma Looke)

• São Paulo (SP), In-Edit Brasil 13º Festival Internacional do Documentário Musical [16-27 jun; online e presencial]-Competição Nacional, a partir de 17 jun 2021, qui, 12h, acesso online gratuito para todo o Brasil, com limite de visualizações

• Canal Curta!, 11-13, 16, 17 out 2021, seg, 22h05 (estreia), ter, 2h05, 16h05, qua, 10h05, sab, 15h25, dom, 22h

• Porto Alegre (RS), Cine Grand Café
Sala 1, 25 maio 2022, qua, 19h30 (pré-estreia, debate com diretor + músicos Yanel e Costa)
Sala 2,
26-29, 31 maio, 1º jun 2022, qui-dom, ter, qua, 19h
2-5, 7, 8 jun 2022, qui-dom, ter, qua, 18h15

• Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-
Sala Eduardo Hirtz, 21, 23, 24, 26, 27 jul 2022, qui, sab, dom, ter, qua, 19h
Sala Norberto Lubisco, 29-31 jul, 2, 3 ago 2022, sex-dom, ter, qua, 15h45

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Dois tempos. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1313/dois-tempos. Acesso em: 12 de abril de 2024.