Coração de luto (1967)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Ficção
35 mm, pb, 105 min | 90 min (VHS) | 93 min (versão restaurada)

Direção: Eduardo Llorente.
Companhia produtora: Cinegráfica Leopoldis-Som; Vitor Mateus Teixeira [Teixeirinha]

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Guarany, 15 set 1967, sex, 22h (pré-estreia beneficente com renda destinada à Casa dos Amigos de Santo Antônio)

 

Depois de uma longuíssima trajetória com a produção de documentários de curta-metragem e do cinejornal Atualidades Gaúchas, a Cinegráfica Leopoldis-Som se lança na ficção com um projeto destinado a ser um sucesso, o que realmente acontece. Coração de luto, baseado na canção e na vida do músico Teixeirinha marca o início de uma produção com uma certa continuidade no Rio Grande do Sul. Abre caminho para José Mendes, outro cantor bastante popular, que será a aposta seguinte da produtora. Italo Majeroni Leopoldis, seu fundador, nessa altura já afastado da vida cinematográfica, é convidado para bater a primeira claquete no primeiro dia de filmagem, um gesto simbólico que une passado e presente, agradecimento e homenagem. Em Porto Alegre, além de outras salas, fica seis semanas consecutivas no Cine Avenida.

O diretor convidado é o espanhol Eduardo Llorente (radicado no Brasil desde os anos 50) por sua experiência com os dois filmes que fez com Tonico & Tinoco, Lá no meu sertão (1963) e Obrigado a matar (1965). O seu roteiro adapta os acontecimentos da vida de Teixeira, cuja infância foi cheia de dificuldades e obrigou que a família fosse separada quando seu pai morreu. Sendo o mais velho de quatro irmãos, lhe coube ficar com a mãe, morta em 1936 no trágico acidente que resultou na famosa toada-milonga "Coração de luto". Gravada no lado B de um compacto de 78 rotações por minuto e lançada em julho de 1960 pela gravadora Chantecler, se transformou em fenômeno instantâneo. Incluída no primeiro LP do artista, O Gaúcho coração do Rio Grande, de novembro do mesmo ano, projetou Teixeirinha no segmento da música regionalista em todo o Brasil. É conhecido o preconceito que sofreu em decorrência de seu estilo simples e popular, de caráter ofensivo, pelo qual a canção se tornou conhecida como "churrasquinho de mãe".

O filme é estruturado em duas partes: na primeira, conta-se a infância de Vitor e as mortes do pai e da mãe, o ódio do meio-irmão Amaro e o encontro com Rosa Maria. É só na segunda parte (aos cerca de 57 minutos) que o cantor aparece e de enfiada canta trechos de quatro músicas e logo mais duas. A segunda parte é o acerto de contas com o passado. Coração de luto atende todas as regras do melodrama clássico (música e drama e o final moralizante). Há cenas bastante interessantes e filmadas com originalidade: Mãe e filho rolando na grama; as mãos de Ledurina e Vitor na despedida; a longa e silenciosa sequência do funeral e enterro da Mãe; Rosa Maria argumentando com o Pai, etc. Uma atmosfera sombria e melancólica perpassa a obra: o fogo, as mortes, enterros e covas, os encontros no cemitério, a fotografia em preto e branco. Coração de luto faz parte de uma linhagem melodramática de cinema popular brasileiro que tem sua matriz em O Ébrio (Gilda Abreu, 1946) com o cantor Vicente Celestino.

Sinopse


Sob os créditos, numa carroça um homem cantarola "Boi barroso". Ouve um choro de bebê ao chegar em casa. Ledurina acaba de dar a luz.

Vitor menino é repreendido por sua mãe por estar brincando com os pintinhos. Vitor pega seu violão de brinquedo e sai cantarolando. O pai vem na carroça cantarolando "Boi barroso" e ao chegar em casa dá um violão de verdade para o filho.

Amaro (o primogênito de três filhos do primeiro casamento do fazendeiro) chega quebrando o novo violão do meio-irmão e com insultos vários à madrasta e ao pai. Lua cheia, uivos, raios. O pai enfarta e morre. / Os irmãos expulsam Ledurina e Vitor. Numa estrada, com forte sol, ela desmaia. À noite fazem um fogo. Ela desmaia outra vez. Numa fazenda, conseguem uma casa. Rolam na grama, felizes. Ledurina pede que ele vá para a escola. Ele olha para a Mãe, que abana. Ledurina varre perto de uma fogueira, tem um ataque epilético e cai na fogueira. Na escola, a professora ensina uma canção. Quando Vitor está voltando, vê pessoas na porta da sua casa. A mão queimada de Ledurina segura a mão de Vitor e ela diz suas últimas palavras: "Perdoa aos que te ofenderem, tenha dó dos pobres de espírito. Nada tenho para te deixar, só amor. Vive com amor a vida inteira. Amor aos pobres, aos humildes. Ame e creia em Deus. Agora só Deus pode ficar contigo. Tenha Ele sempre em teu coração". Durante o cortejo, o caixão com o corpo da Mãe cai da carreta. O caixão é colocado na cova e os coveiros jogam areia. Vitor coloca uma margarida no túmulo. À noite vai até a cozinha e deixa cair o lampião causando fogo na casa.

Crianças brincam de roda e cantam "Ciranda, cirandinha". Vitor com uma trouxa, começa a chorar. A menina Rosa Maria vai até ele. O pai da menina não quer que ele fique. Vitor lembra [flashback] quando seu pai lhe deu o violão, ele rolando na grama com a Mãe, na escola, a flor no túmulo, a casa pegando fogo. Vitor diz para Rosa Maria que está indo para Porto Alegre. Os dois fazem um juramento de amor, de sangue, juntando os mindinhos.

Ruas da capital. Vitor dormindo na rua. Vitor menino canta num estúdio.

Vitor adulto, o Teixeirinha, canta num estúdio trechos de "Gaúcho andante", "Canarinho cantador", "Migalhas de amor" e "Saudades de Passo Fundo".

Na pista do Aeroporto Salgado Filho, Teixeirinha sendo entrevistado, fotógrafos e câmeras de cinema à sua volta. Na escada do avião da Varig, ele abana.

Ruas de São Paulo, o Monumento às Bandeiras (de Victor Brecheret). Fachada do prédio da gravadora Chantecler (em São Bernardo do Campo). Ele assina um contrato. Em estúdio, canta a primeira parte da toada-milonga "Coração de luto". Depois, num estúdio de TV, com plateia, canta integralmente o xote "Gaúcho de Passo Fundo".
Com a mãe doente, Rosa Maria adulta assiste Teixeirinha na TV. Amaro cobra dívida do pai de Rosa Maria e quer casar com ela.

Em Porto Alegre, no Lido Hotel, Teixeirinha recusa shows pois tem que cumprir uma promessa e visitar o túmulo da mãe.

No cemitério Rosa Maria enterra a mãe. Chega Teixeirinha para procurar o túmulo da sua mãe. Ele vê Rosa Maria e lembra [flashback] do juramento de amor.

Outro dia Rosa Maria está no cemitério quando chega Teixeirinha procurando o túmulo de sua mãe. Ela leva ele até o túmulo. Na cama, Rosa Maria escreve em um caderno.
No cemitério, Zelador diz a Teixeirinha que a margarida floresce todo ano. Teixeirinha pede para construir um novo túmulo. Encontra Rosa Maria. Chegam os três meios-irmãos. Amaro faz ameaças. Em casa o pai pede que Rosa Maria se case com Amaro, mas ela não quer aceitar. Ela reza para uma santa.

Na delegacia, Teixeirinha conta para o Delegado que reconheceu o irmão Amaro, ao que o Delegado comenta que "não há mais lugar para coronelismo". Na saída do cemitério, Rosa Maria diz para Teixeirinha que está comprometida e vai casar forçada pelo pai. Teixeirinha paga as dívidas do pai de Rosa Maria.

Novamente no cemitério, ele lembra [flashback] do encontro na infância. Na igreja, Rosa Maria vestida de noiva. No altar Teixeirinha joga os títulos pagos. Amaro reconhece o meio-irmão. Rosa Maria também, indo atrás dele. Os dois se beijam. Amaro desafia Teixeirinha com uma faca. Briga geral entre os convidados. Na delegacia, o Delegado escorraça Amaro e libera os demais.

No altar da igreja Teixeirinha tira o véu de Rosa Maria e beija sua testa. Antes de partirem, um guarda pede para Teixeirinha cantar e ele canta o valseado "Minha Rosa Maria".

Ficha técnica


ELENCO
Teixeirinha (Vitor Mateus Teixeira, o Teixeirinha),
Mary Terezinha (Rosa Maria), Miro Soares (Vitor menino), Claudio Lazzarotto, Cesar Magno, Branca Regina Muniz (Rosa Maria menina), Nelson Lima, Domingos Terra, Paulo H. Taylor,
Oswaldo Ávila, Maria Lourdes Gonçalves, Rene Pini (Professora), Dorival Cabrera, Eloá Portinho, Jason Natel, Roberto Nazareth, Odilon Lopez (Guarda), Telio Lewis, Jorge Alberto, Vitor Mello Ferreira, João Netto.
Atriz convidada: Amélia Bittencourt (Ledurina, a mãe).
Não creditados: David Camargo (Judeu mascate no enterro), Roberto Mara, Pedro Machado, João Carlos Silva, J. C. Stabile, Maria Alzira, Jair Silveira, Edison Acri (Passageiro no avião).
Voz (não creditada): Rita Cleós (Ledurina, a mãe).

DIREÇÃO
Direção: Eduardo Llorente.
Assistência de direção: Gilberto Lessa, Lorivaldo Garcia.
Continuidade: Milton Lino Bittencourt.

ROTEIRO
Baseado numa história de Vitor Mateus Teixeira [Teixeirinha].
Versão: Lutero Luiz.
Adaptação e roteiro: Eduardo Llorente.
Diálogos: Ernani Ruschel.

PRODUÇÃO
Produção: Derly J. Martinez.
Direção de produção: Americo Pini.
Assistência de produção: Claudio Lazzarotto.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Americo Pini.
Operação de câmera: Edgar Rodrigues, Ivo Czamanski.

Eletricistas: Luiz Carlos Corrêa, Carlos Bica, Elbio Ortochorena.
Maquinista: Jaime Neves.

ARTE
Desenhos de produção: Edison Acri.
Guarda-roupa: Pedro Alexandre.
Maquiagem: Dorival Cabrera.

MÚSICA
Música [composição, arranjos e direção musical, cf. LP]: Sandino Hohagen.
Temas: Sandino Hohagen, Eduardo Llorente.
[Músicas] Temáticas [cf. LP]: Eduardo Llorente.
Músicos (não creditados): Maria Lívia São Marcos, Sônia Jorge (violonistas).

Músicas (não creditadas, cf. LP):
• "Abertura – Variações sobre o tema popular Boi barroso", instrumental [créditos iniciais]
• "Alvorada" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Nostalgia" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Variações sobre o tema Coração de luto", instrumental
• "Recordação" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Saudade" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Sobre as águas" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Sempre, sempre" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Sinos da saudade" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Pensando em ti" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Variações sobre o tema do menino Victor" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Adeus" (Sandino Hohagen) instrumental
• "Amor e despedida" (Sandino Hohagen) instrumental

Ordem de inserção:
• "Lili Marleen" (Hans Leip, Norbert Schultze) cantarolada pelo personagem Vitor menino
• "Ciranda, cirandinha" (trad.)
• "Minha infância" (música, letra: Teixeirinha; toada-milonga) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: O Canarinho cantador, 1964; faixa B1]
• "Gaúcho andante" (música, letra: Teixeirinha; xote) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: Saudades de Passo Fundo, 1962; faixa A2]
• "Canarinho cantador" (música, letra: Teixeirinha; rasqueado) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: O Canarinho cantador, 1964; faixa B2]
• "Migalhas de amor" (música, letra: Teixeirinha; tango) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: Um Gaúcho canta para o Brasil, 1961, como Migalha de amor; faixa A2]
• "Saudades de Passo Fundo" (música, letra: Teixeirinha; xote) por Teixeirinha (voz, violão) e Coro [LP: Saudades de Passo Fundo, 1962; faixa B1]
• "Coração de luto" (música, letra: Teixeirinha; toada-milonga) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: O Gaúcho coração do Rio Grande, 1960; faixa B1]
• "Gaúcho de Passo Fundo" (música, letra: Teixeirinha; xote) por Teixeirinha (voz, violão) [LP: O Gaúcho coração do Rio Grande, 1960; faixa B4]
• "Minha Rosa Maria" (música, letra: Teixeirinha; valseado) por Teixeirinha (voz, violão) e Coro [LP: Minha homenagem, 1972; faixa A2]

FINALIZAÇÃO
Montagem: Eduardo Llorente.
Assistência de montagem: Regina Narciso.

Engenheiro de som: Carlos Foscolo.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Película: Agfa Gevaert.
Laboratório de imagem: Líder Cinematográfica (São Paulo).
Estúdio de som: Arte Industrial Cinematográfica – Sistema Wextrex.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Cinegráfica Leopoldis-Som (Porto Alegre); Vitor Mateus Teixeira [Teixeirinha].
Colaboração financeira: Banco Frederico Mentz S.A..

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Varig, Cia. Geral de Indústrias, Lido Hotel, Siomara Automóveis, Palácio dos Enfeites, Brigada Militar do Rio Grande do Sul / comandante geral coronel Nabuco Rodrigues Martins, prefeito de Porto Alegre dr. Célio Marques Fernandes.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre, no bairro Belém Velho (70%), de 6 de abril a 4 de outubro de 1966;
Brasil / SP, em ruas da capital, e nos estúdios da gravadora Chantecler [Copacabana] em São Bernardo do Campo (R. Eugênia Sá Vitale, 173, bairro Taboão) no início de outubro.
Finalização em São Paulo.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 105 min | 90 min (VHS) | 93 min (versão restaurada)
Metragem: 2.889 metros
Número de rolos:
Som:
Imagem: pb
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 35 mm
Formatos de exibição: 35 mm | VHS

DIVULGAÇÃO
Cartaz: 74 x 54 cm. Desenho: Thierry. Exemplar na Cinemateca Brasileira.

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: 10 anos.
Distribuição em Porto Alegre: Difilmes.
Distribuição em São Paulo: Unibrasil Filmes.
Distribuição em 16 mm: Zaniratti Filmes.
VHS: Distribuição: São Paulo: Reserva Especial, [199?].

Negativos e/ou cópias: Cinemateca Brasileira.
Autorização: Leopoldis-Som [Museu do Trabalho, RBS TV]. / Herdeiros de Teixeirinha.

OBSERVAÇÕES
Cf. créditos iniciais: // Qualquer semelhança com pessoas ou fatos é mera coincidência. // Porto Alegre-MCMLXVII //
Cópia selada em vídeo inicia diretamente com o título do filme, faltando os créditos da produtora e do protagonista; estes créditos cortados aparecem em Cinema gaúcho: uma aventura quadro a quadro.
Complementação aos créditos: Filmografia de David Benjamim Camargo da Silva (David Camargo), elaborada e distribuída por ele, em 12p. datilografadas, acrescenta elenco e identifica sua figuração como "judeu mascate no enterro"; são citados também Oswaldo Leal (não seria Oswaldo Ávila?) e Anaurelino Magno (não seria naureliano Magno Rodrigues Alves, o Cesar Magno?). Textor, p.66, também acrescenta o mesmo elenco não creditado.
Sobre as músicas: Título e autoria das músicas não estão creditados no filme. No LP da trilha sonora, o Lado A apresenta as músicas com Teixeirinha que aparecem na segunda parte do filme. E no Lado B, os temas incidentais. No LP não constam "Minha infância" e "Minha Rosa Maria". As únicas músicas cantadas integralmente no filme são "Gaúcho de Passo Fundo" e "Minha Rosa Maria". Os nomes dos violonistas estão no LP.
Orçado em Cr$ 60 milhões; renda até 17 de julho de 1970, apenas no Rio Grande do Sul: Cr$ 959.169,36.
Prêmio Adicional de Renda, INC, 1967.
Cópias: treze (13) cópias por ocasião do lançamento
ROSSINI acrescenta Clovis Mezzomo como produtor, mas o seu nome não aparece nos créditos nem em fichas técnicas de periódicos da época.

Grafias alternativas: Amelia Bitencourt | Milton Bittencourt | Luiz C. Corrêa | Victor Mello Ferreira | Maria Loudes Gonçalves | Odilon Lopes | Gerson Luiz [= Lutero Luiz] | Janson Natel | Roberto Nazaré | Victor Matheus Teixeira | Mary Teresinha (cf. créditos) | Mirinho ou Miro Soares = Clodomiro Soares | Jorge Alberto Rosa | Meu boi barroso
Grafias alternativas (funções): Maquilagem

DISCOGRAFIA
LP: Coração de luto – Trilha sonora do filme.

Ver Discografias: Teixeirinha + Mary Terezinha.

BIBLIOGRAFIA
Guia de filmes. Rio de Janeiro, mar-abr 1968, p.9-10, n.14.
ROSSINI, Miriam de Souza. Teixeirinha e o cinema gaúcho. Porto Alegre: Fumproarte-Secretaria Municipal da Cultura-Prefeitura de Porto Alegre, 1996. 238p. il.
LOPES, Israel. Teixeirinha – O gaúcho coração do Rio Grande. Porto Alegre: EST Edições-Fundação Vitor Mateus Teixeira, 2007. 215p. il.
FEIX, Daniel. Teixeirinha – Coração do Brasil. Porto Alegre: Diadorim Editora, 2019. 249p. il.
PÓVOAS, Glênio. Coração de luto (1967) – O melodrama da vida de Teixeirinha. In: FEIX, Daniel; LUNARDELLI, Fatimarlei; PINTO, Ivonete; KANITZ, Mônica; VALLES, Rafael (org). 50 olhares da crítica sobre o cinema gaúcho. Porto Alegre: ACCIRS Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul, Opinião Produtora, Diadorim Editora, JBL Harman, Pró-cultura / Secretaria de Estado da Cultura / Governo do Rio Grande do Sul, 2022. 226p. il., p.20-24.

Noticiário:
Teixeirinha filma Coração de luto. Diário de Notícias, Porto Alegre, 20 mar 1966, 3º Caderno, p.7 [BN, p.23], ano XLII, n.18.
CALVERO [P. F. GASTAL]. Leopoldis-Som se lança no longa-metragem. Folha da Tarde, Porto Alegre, 19 abr 1966, p.37.
Coração de luto: 50% de filmagem. 27 maio 1966.
CALVERO [P. F. GASTAL]. Ator pisoteado por cavalo. Folha da Tarde, Porto Alegre, 28 maio 1966.
Rio Grande do Sul tem as condições ideais para cinema. Correio do Povo, Porto Alegre, 3 jun 1966.
Indústria cinematográfica surge no Rio Grande do Sul. Pioneiro, Caxias do Sul, 11 jun 1966, p.9, ano XVIII, n.30.
CALVERO [P. F. GASTAL]. Lazarotto, o vilão-pisoteado. Folha da Tarde, Porto Alegre, 14 jun 1966.
CALVERO [P. F. GASTAL]. Indústria de cinema também no Rio Grande do Sul. Folha da Tarde, Porto Alegre, 24 jun 1966, p.29.
Amélia Bittencourt: talento e fotogenia. 6 jul 1966.
Lazzarotto repetirá a cena fatídica. 19 jul 1966.
DEMÉTRIO, Darci (texto); DIAS, Octacílio (fotos). Teixeirinha vira filme gaúcho. Revista do Globo, Porto Alegre, 6 ago 1966, p.18-19.
MEZZOMO, Clovis. Coração de luto: o cinema começa no sul. RG, 6 set 1966, p.24-26.
Correio do Povo, Porto Alegre, 8 set 1966.
Concluída a filmagem local de Coração de luto. Correio do Povo, Porto Alegre, 2 out 1966.
Terminaram as filmagens de Coração de luto. Diário de Notícias, Porto Alegre, 5 out 1966, 2º Caderno, p.5 [BN, p.13], ano XLII, n.181.
Branca quer ser artista de cinema e doutora também. Folha da Tarde, Porto Alegre, 7 out 1966, p.31.
Para agosto ou setembro Coração de luto. 17 jun 1967.
Correio do Povo, Porto Alegre, 31 ago 1967.
Zero Hora, Porto Alegre, 1º set 1967.
Teixeirinha mostra hoje como fazer sucesso segundo Mateus. Folha da Tarde, Porto Alegre, 15 set 1967, p.25.
Filme 100% gaúcho. 18 set 1967.
Coração de luto. Correio do Povo, Porto Alegre, 19 set 1967.
O sucesso de Coração de luto. 20 set 1967.
Coração de luto provoca enchente e dobra semana. Correio do Povo, Porto Alegre, 27 set 1967.
Quem tem medo de Teixeirinha?. Folha da Tarde, Porto Alegre, 28 set 1967, p.35.
BRAGA, C.. Teixeirinha e a metafísica. 28 set 1967.

Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 8 nov 1967, p.2, n.21.181.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 9 nov 1967, p.2, n.21.182.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 10 nov 1967, p.2, n.21.183.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 11 nov 1967, p.2, n.21.184.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 13 nov 1967, p.2, n.21.185.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 14 nov 1967, p.5, n.21.186.

Atores falam de seu filme. 17 nov 1967.
Teixeirinha diz que é aceito porque usa linguagem do povo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 mar 1968, p.5, ano LXXVII, n.303.
GAUDÊNCIO [Anibal DAMASCENO FERREIRA]. Claquete 6. Jornal da Semana, Porto Alegre, 4 jul 1971.

Crítica:
CANOSA, Fabiano. Churrasco de mãe em acetato e celulóide. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 10 abr 1968, 2ª Seção, p.5 [BN, p.17], n.13.922.
B., T. [BECKER, Tuio]. Coração de luto de Alberto Attili (sic) com Teixeirinha e Mary Terezinha. Correio do Povo, Porto Alegre, 10 dez 197?

Exibições


• Porto Alegre (RS), Guarany, 15 set 1967, sex, 22h (pré-estreia beneficente com renda destinada à Casa dos Amigos de Santo Antônio)

• Porto Alegre (RS), Imperial,
18-24 set 1967, seg-dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h
25 set-1º out 1967, seg-dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h

• Porto Alegre (RS), Avenida,
18-24 set 1967, seg-sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h
25 set-1º out 1967, seg-dom, 15h, 19h30, 21h30
2-8 out 1967, seg-sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30
9-15 out 1967, seg-sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30
16-22 out 1967, seg-dom, 19h30, 21h30
23-29 out 1967, seg-sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Colombo,
18-24 set 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30
25 set-1º out 1967, seg-sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 14h (+ A Vingança de Ali Babá), 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Atlas,
18-24 set 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 13h45, 15h45, 19h30, 21h30
25 set-1º out 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h30, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Rosário,
18-24 set 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30
25 set-1º out 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h30, 19h30, 21h30
2-8 out 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 19h30, 21h30
9-15 out 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Marrocos,
18-24 set 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30
25 set-1º out 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 16h, 19h30, 21h30

• Porto Alegre (RS), Talia,
18-24 set 1967, seg-sab, 19h30, 21h30, dom, 14h (+ Assassino a sangue frio), 19h30, 21h30
25 set-1º out 1967, seg-dom, 19h30, 21h30
8 out 1967, dom, 14h (+ A Vingança de Ali Babá)

• Porto Alegre (RS), Guarany, 2-8 out 1967, seg-dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h

• Porto Alegre (RS), Tamoio, 8-10 out 1967, dom, 16h, 18h, 20h, seg, ter, 20h

• Curitiba, Cine Palácio (Av. Luiz Xavier, 103), 8-14 nov 1967, qua-ter, 14h, 16h, 20h, 22h

• São Paulo (SP), 13 nov 1967, seg (pré-estreia)
• São Paulo (SP), Iguatemi, 25 nov 1967, sab

• Porto Alegre (RS), Presidente, 4-10 dez 1967, seg-sab, 19h45, 21h45, dom, 14h (+ Assassino a sangue frio), 19h45, 21h45

• Manaus (AM), Avenida, 1º, 2 fev 1968, qui, sex, 13h, 15h, 17h, 19h, 21h
• Manaus (AM), Ipiranga, 1º, 2 fev 1968, qui, sex, 20h
• Manaus (AM), Palace, 3, 4 fev 1968, sab, 20h, dom, 16h, 20h + 12 fev, seg, 20h

• Manaus (AM), Guarani,
5-7 fev 1968, seg, 12h45, 16h, 20h, ter, 13h, 16h, 20h, qua, 16h, 20h (+ Sozinho contra a África)
8-15 fev, qui-qui, 16h

• Manaus (AM), Vitória, 7, 8, 11, 13 fev 1968, qua, qui, 20h, dom, 16h, ter, 20h
• Manaus (AM), Ideal, 9, 10, 14 fev 1968, sex, sab, 20h, qua, 20h

• Cuiabá (MT), Cine Teatro Cuiabá, 9-14 fev 1968, sex, sab, 15h, 19h30, 21h30, dom, 13h, 15h, 19h30, 21h30, seg-qua, 15h, 19h30, 21h30

• Santos (SP), Indaiá, 29 fev-1º-6 mar 1968, qui, sex, 14h30, 20h, 22h, sab, 15h, 20h, 22h, dom-qua, 14h30, 20h, 22h
• Santos (SP), Ouro Verde, 19 mar 1968, ter, 20h (+ A 3ª palavra)
• Santos (SP), São José, 22, 23 mar 1968, sex, sab, 20h (+ A 3ª palavra)
• Santos (SP), Macuco, 27 mar 1968, qua, 20h (+ A 3ª palavra)

• São Vicente (SP), Petrópolis, 31 mar 1968, dom, 14h, 19h45 (+ A 3ª palavra)

• Santos (SP), Cine São Jorge, 1º abr 1968, seg, 20h (+ A 3ª palavra)
• Santos (SP), Carlos Gomes, 7 abr 1968, dom, 14h (+ A 3ª palavra)
• Santos (SP), Macuco, 7 abr 1968, dom, 14h (+ A 3ª palavra)

• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Flamengo, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Scala, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Copacabana, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Rio, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Presidente, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Meier, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Rio Palace, 25-31 mar 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Piedade (Zona Norte), 28-31 mar 1968, qui-dom

• Caxias (RJ), Santa Rosa, 29-31 mar 1968, sex-dom

• Rio de Janeiro (RJ), Rio Branco (Centro), 1º-7 abr 1968, seg-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Botafogo, 1º-3 abr 1968, seg-qua
• Rio de Janeiro (RJ), Matilde (Zona Norte), 1º-3 abr 1968, seg-qua
• Rio de Janeiro (RJ), Royal (Zona Sul), 4-7 abr 1968, qui-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Bruni-Grajaú (Zona Norte), 4-7 abr 1968, qui-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Engenho de Dentro (Zona Norte), 4-7 abr 1968, qui-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Melo (Zona Norte), 4-7 abr 1968, qui-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Ramos (Zona Norte), 4-7 abr 1968, qui-dom
• Rio de Janeiro (RJ), Trindade, 17-19 maio 1968, sex-dom (+ Agente Z-55 em missão desesperada)
• Rio de Janeiro (RJ), Real, 24-26 maio 1968, sex-dom (+ Gatilhos em fogo)
• Rio de Janeiro (RJ), Campo Grande, 24-26 maio 1968, sex-dom

• Recife (PE), Trianon, 27 maio-4 jun 1968, seg-ter, 14h10, 16h, 17h50, 19h40, 21h30

• Rio de Janeiro (RJ), Coliseu, 2 jun 1968, dom, 14h, 16h, 18h, 20h
• Rio de Janeiro (RJ), Irajá (Linha Auxiliar), 25, 26 jun 1968, ter, qua, 17h, 20h55 (+ Corsário sem patuá)

• Beberibe (PE), Beberibe, 27, 28 jun 1968, qui, sex, 18h30, 20h30

• Rio de Janeiro (RJ), Palácio Santa Cruz,
29, 30 jun 1968, sab, dom
1º-7 jul 1968, seg-dom
8-14 jul 1968, seg-dom

• Porto Alegre (RS), Continente, 17-23 fev 1969, seg-dom, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h

• Porto Alegre (RS), Real, 17-23 fev 1969, seg-sab, 20h, 22h, dom, 14h (+ Comanches em fúria), 20h, 22h

• Recife (PE), Recife (Encruzilhada), 17, 18 maio 1969, sab, 18h30, 20h30, dom, 14h30, 18h30, 20h30

• Santos (SP), Guarani, 2 nov 1969, dom, 14h

• Curitiba, Arlequim, 10, 14 dez 1969, qua, dom (com A Volta do pistoleiro)

• São Paulo (SP), Singapura (Av. Alberto Byington, 2.354), 16 maio 1970, sab, 19h (+ Respondendo à bala)


• São Paulo (SP), Carlos Gomes (R. Campos Salles, 605), 18 maio 1976, ter, 14h, 16h 20h, 22h

• São Paulo (SP), São José (R. Paulo Bueno, 992), 27-30 maio 1976, qui-dom, 20h, 22h

• Cuiabá (MT), Cine Teatro Cuiabá, 13, 14 jul 1976, ter, qua, 15h, 19h30, 21h15

• Porto Alegre (RS), Regente, 22-27 jun 1978, qui-ter (+ Jecão... um fofoqueiro no céu)

• Porto Alegre (RS), Revisão do cinema gaúcho, Auditório da Assembleia Legislativa, 12 ago 1979, dom

• São Paulo (SP), Paladium (Av. Francisco Morato, 3.390), 7 abr 1980, seg, 14h, 16h, 18h, 20h, 22h (+ Marcha ou morra)

• Porto Alegre (RS), Retrospectiva cinema gaúcho [16 set-6 out], Cinemateca Paulo Amorim-[Sala Paulo Amorim], 17 set 1985, ter, 19h, 21h (+ Cinema gaúcho dos anos vinte + Porto Alegre, adeus)

• Porto Alegre (RS), 10 anos sem Teixeirinha [5-10 dez], Cinemateca Paulo Amorim-Sala Eduardo Hirtz, 5 dez 1995, ter, 15h

• Porto Alegre (RS), Sessão ACCIRS: 50 olhares da crítica sobre o cinema gaúcho, Cinemateca Paulo Amorim-Sala Paulo Amorim, 30 jan 2024, ter, 19h15 (apresentação: Glênio Póvoas)

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Coração de luto. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/135/coracao-de-luto. Acesso em: 17 de junho de 2024.