[A Construção da estrada de ferro de Itaquy a São Borja] (1912)

Brasil
Longa-metragem silencioso | Não ficção
35 mm, pb, c.50 min (5 partes)

Direção: desconhecido.
Companhia produtora: Dodsworth & Cia.

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Variedades, 25 mar 1912, seg, 17h (+ Uma Xarqueada em Pelotas – tirada pelo contra-almirante José Carlos de Carvalho + A Estrela de Tontolini, cômica) (especial para o presidente do Estado, autoridades e imprensa)

 

Filme desaparecido.
As notas em A Federação não acusam um título para este filme, por isso ele é atribuído. Assim como As Obras da Barra e do Porto do Rio Grande (1911), não está clara a origem de produção. O interessante que une os dois filmes é o nome do deputado rio-grandense José Carlos de Carvalho – na nota mencionado como operador ("tirada por") do natural Uma Xarqueada em Pelotas, dividida em 9 quadros. Os dois filmes e mais uma comédia estrangeira foram exibidos em sessão especial no Variedades para o presidente [governador] do Estado, autoridades e imprensa. O redator de A Federação elenca vários dos presentes. Na sua avaliação crítica chama atenção quando ele escreve que o filme é um atestado do "progresso da cinematografia no Brasil", ou seja, o redator enquadra o filme como brasileiro.

Sinopse


O filme apresentava não somente os notáveis trabalhos da estrada de ferro, mas reproduzia também os costumes pitorescos da importante zona atravessada, vista dos saladeros e o preparo do xarque.
Pelo pano cinematográfico passaram também as ruas e edifícios principais de Quarahy, Uruguayana, Itaquy e S. Borja.
Apareceram também as cidades argentinas situadas do outro lado do Uruguay, Alvear e S. Thomé.
Cavaleiros com o típico xiripá, boiadas enormes sobre a linha férrea, cenas com uma viva tintura local, tudo isso surgiu ante os olhos dos espectadores.
Foram muito apreciados uma belíssima paisagem do Rio Botuhy e os exercícios de cavalaria do regimento destacado em S. Borja.
A fita agradou muito quer quanto à sua feitura, demonstrando o progresso da cinematografia no Brasil, quer pelo ensejo de se verificar como se constrói uma estrada com todo o rigor da técnica, e as suas admiráveis obras de arte. (Várias. A Federação, Porto Alegre, 26 mar 1912, p.4, ano XXIX, n.73.)

Ficha técnica


MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Dodsworth & Cia..

FILMAGENS
Brasil / RS, em Quaraí; Uruguaiana; Itaqui; São Borja;
Argentina / provincia de Corrientes, em Alvear; Santo Tomé.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: c.50 min
Metragem:
Número de rolos: (5 partes)
Som: silencioso
Imagem: pb
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 35 mm
Formato de exibição: 35 mm

BIBLIOGRAFIA
Noticiário:
Várias. A Federação, Porto Alegre, 25 mar 1912, p.4, ano XXIX, n.72.
Várias. A Federação, Porto Alegre, 26 mar 1912, p.4, ano XXIX, n.73.

Exibições


• Porto Alegre (RS), Variedades, 25 mar 1912, seg, 17h (+ Uma Xarqueada em Pelotas – tirada pelo contra-almirante José Carlos de Carvalho + A Estrela de Tontolini, cômica) (especial para o presidente do Estado, autoridades e imprensa)

Arquivos especiais


Noticiário e crítica:

Várias. A Federação, Porto Alegre, 25 mar 1912, p.4, ano XXIX, n.72.
A empresa Dodsworth & Cia. fará exibir, hoje, às 5 horas da tarde, no cinema Variedades, um filme sobre a construção da estrada de ferro de Itaquy a São Borja, concedida a Brazil Great Southern Ry. Co. Ld.
O filme é oferecido ao exmo. dr. presidente do Estado e para assistir a exibição foram convidadas altas autoridades e a imprensa.
O filme compõe-se de cinco partes muito interessantes.

Várias. A Federação, Porto Alegre, 26 mar 1912, p.4, ano XXIX, n.73.
(...)
O filme apresentava não somente os notáveis trabalhos da estrada de ferro, mas reproduzia também os costumes pitorescos da importante zona atravessada, vista dos saladeros e o preparo do xarque.
Pelo pano cinematográfico passaram também as ruas e edifícios principais de Quarahy, Uruguayana, Itaquy e S. Borja.
Apareceram também as cidades argentinas situadas do outro lado do Uruguay, Alvear e S. Thomé.
Cavaleiros com o típico xiripá, boiadas enormes sobre a linha férrea, cenas com uma viva tintura local, tudo isso surgiu ante os olhos dos espectadores.
Foram muito apreciados uma belíssima paisagem do rio Botuhy e os exercícios de cavalaria do regimento destacado em S. Borja.
A fita agradou muito quer quanto à sua feitura, demonstrando o progresso da cinematografia no Brasil, quer pelo ensejo de se verificar como se constrói uma estrada com todo o rigor da técnica, e as suas admiráveis obras de arte.
Após foram exibidas mais duas belas fitas – Uma Xarqueada em Pelotas – tirada pelo contra-almirante José Carlos de Carvalho, e A Estrela de Tontolini, cômica.
Às 6 ½ horas da noite retiraram-se os convidados agradavelmente impressionados pelo que viram,
Os srs. Dodsworth e Arthur Sampaio foram de extremada gentileza para com os presentes.

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
[A Construção da estrada de ferro de Itaquy a São Borja]. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/138/a-construcao-da-estrada-de-ferro-de-itaquy-a-sao-borja. Acesso em: 19 de julho de 2024.