Céu aberto (2022)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Não ficção
cor, 95 min

Direção: Elisa Pessoa.
Companhia produtora: Margem Cinema Brasil

Primeira exibição: Curitiba (PR), Olhar de Cinema 11º Festival Internacional de Curitiba [1º-9 jun]-Outros olhares, Cine Passeio Sala Luz + Sala Ritz, 7 jun 2022, ter, 20h15 (simultâneo)
Primeira exibição RS: Gramado (RS), 51º Festival de Cinema de Gramado [12-18 ago]-Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho, Palácio dos Festivais, 14 ago 2023, seg, 14h

 

Céu aberto documenta a vida de Andriele, uma adolescente nascida e criada na zona rural de Dom Pedrito. Durante cinco anos (2016-2021), a cineasta Elisa Pessoa – em seu primeiro longa – se dispôs a acompanhar a sua rotina, tendo autorização familiar para conversar com a garota e filmar o seu dia-dia. Não houve um motivo específico para a escolha da protagonista: Andriele representa mais uma dentre tantas jovens que residem no campo, no Brasil do século XXI. Em entrevista ao canal do YouTube Olhar de Cinema, a diretora comentou que conheceu a família por volta de 2015, quando se mudou para o interior gaúcho a fim de produzir conteúdo para uma videoinstalação. Andriele, a mãe, o pai e os irmãos viraram seus vizinhos no Banhado dos Anastácios. Muitas entrevistas e filmagens foram coletadas nesse primeiro momento, mas o foco maior recaiu sobre a moça em função da possibilidade de obter recursos de um edital que contemplava projetos audiovisuais sobre a juventude.

Dessa forma, Céu aberto apresenta as transformações vivenciadas por uma protagonista em constante mutação; ela começa o filme com 12 anos e termina aos 17. Envolvida com as atividades campeiras, a menina pensa em estudar Zootecnia ou Medicina Veterinária, profissões que poderiam ajudar os parentes, que lidam com animais em uma fazenda. Com o tempo, Andriele parte em busca de mais independência, indo morar em um pequeno apartamento no centro de Dom Pedrito. Inscrita no programa Jovem Aprendiz, a jovem desenvolverá maior interesse pela área da maquiagem. Em nível pessoal, ela irá comemorar o fato de ter suas primeiras experiências amorosas, capazes de lhe proporcionarem mais liberdade para sair e conhecer o mundo. Esses relacionamentos, no entanto, não são muito estáveis e irão exigir reflexões importantes quanto ao seu futuro.

Em paralelo à jornada de Andriele, acontecimentos que alteraram a própria história do Brasil são resgatados, através do som de programas jornalísticos que mencionam episódios como o afastamento da ex-presidente Dilma Roussef (2011-2016) e a eleição de Jair Bolsonaro (2019-2022). O próprio projeto do filme precisou se adaptar diante de circunstâncias adversas, como o fato de os recursos necessários para sua execução terem sido disponibilizados apenas em março de 2020, no começo da pandemia mundial de covid-19. Uma série de ajustes e adaptações foram feitos, como o fato da própria protagonista ser autorizada a fazer gravações de si mesma, sozinha – fato que ajudou a torná-la quase uma coautora. Quando mais membros da equipe puderam ser incorporados, precisaram se adequar aos rígidos protocolos de segurança determinados pelos órgãos de saúde.

No 51º Festival de Cinema de Gramado / Prêmio SEDAC/IECINE da Mostra Gaúcha de Longas (2023), Céu aberto foi premiado com dois Kikitos: desenho de som (para Kiko Ferraz, Chrístian Vaisz e Ricardo Costa) e trilha musical (para Rita Zart e Bruno Mad). No discurso, Rita dedicou o troféu para todas as mulheres que trabalham com audiovisual, e enalteceu o fato de vencer pela primeira vez como compositora – ainda que tenha bastante experiência em outras áreas. Kiko saudou o fato de ter sido premiado no mesmo Festival – na Mostra Gaúcha de Curtas – pelo som de Sabão líquido, que também competiu na mostra nacional. Em suas palavras: "Isso significa que o som do sul é bom, minha gente!". Presente no evento, Andriele Rodrigues Soares destacou ter aprovado o resultado final, mencionando ter identificado muitas mudanças em si, do início ao fim do projeto: "Pareço ser outra pessoa".

A cineasta Elisa Pessoa, responsável pela direção, roteiro, fotografia e montagem, tentou eliminar ao máximo sua presença física em cena, mas pode ser escutada fazendo breves perguntas em off. Artista carioca, com um avô natural de Dom Pedrito, ela se formou em pedagogia e em artes visuais na Université de Paris VIII. Iniciou seu trabalho com fotografia e filmes super-8 nos anos 1990. Realizou inúmeras exposições individuais e coletivas, trabalhando especialmente com instalações site specific. Desde que se mudou para o Rio Grande do Sul, vem se dedicando a "retratar" a região rural de Dom Pedrito, como nas instalações Tempo de duração (Funarte SP 2017) e Cerca da terra (Itaú cultural, São Paulo, 2019).

Céu aberto se insere em um contexto de retorno do cinema gaúcho ao interior do estado, um movimento que pode ter se iniciado através de títulos como Rifle (D. Pretto, 2016) e Mulher do pai (C. Oliveira, 2016), e que prosseguiu nos anos seguintes com 5 casas (B. G. Barreto, 2020), Casa vazia (G. Borba, 2021), Sobreviventes do pampa (R. Rodrigues, 2023) – focalizando pessoas comuns às voltas com grandes problemas, sempre distantes dos maiores centros urbanos. A iniciativa de filmar um determinado personagem por anos encontra eco em produções como a ficção Boyhood (Richard Linklater, 2014, US).

Sinopse


Uma jovem mulher se aproxima da idade adulta vivendo no interior, na campanha gaúcha, em pleno século XXI. Ao longo de cinco anos de gravações entre a diretora e a personagem, que também se auto registra, esse tempo que passa é registrado, apresentando sonhos, desejos e motivações. Em algum lugar entre espelho e janela, a câmera se torna companheira deste processo de amadurecimento e de transformação. Através de um exercício de encontros, em que Andriele se torna, cada vez mais, dona de si, da sua vida e da própria narrativa, o filme reflete sobre as transformações da paisagem ao redor de Andriele, de sua família de pequenos agricultores e de sua crescente necessidade em encontrar um lugar no mundo, bem como o preço de suas escolhas.

Ficha técnica


IDENTIDADES
Andriele Rodrigues Soares,
Sandra Mara Gularte Rodrigues, Alfeu Vargas Soares.
Participação: Ana Cristina Machado, Andreia da Silveira Duarte, Angélica Silva da Silva, Bianca Fagundes Chaves, Celso Márquez, Clodoaldo Maciel Munhoz, Evandro Ferreira Nunes, Fabiano dos Santos Soares, Gabriela da Silveira Duarte, Itamir Lucas Ferreira de Neto, Junior Mota, Laura Vallejos, Laurieli Silva da Silva, Lídia Câmara da Silva, Luana da Silva Belem, Lucas de Lima Batista, Luis Heitor Robaina Goulart, Luiz Gustavo Timm Rufino, Marcelo Rodrigues Soares, Marcio Rodrigues Soares, Maria de Lourdes Vargas, Matheus Brondani, Miguel Cardoso Bolson, Nicolas da Silva, Norton Ferreira, Patricia Alves Garcia, Vinícius da Silva, Yrio Benhur Vieira da Fontoura.
Vozes adicionais: Kiko Ferraz, Anaí Corrêa, Renan Ramme.
Não creditada: Elisa Pessoa.

DIREÇÃO
Direção: Elisa Pessoa.

ROTEIRO
Roteiro: Elisa Pessoa.
Consultoria de roteiro: Letícia Simões.

PRODUÇÃO
Produção executiva: Betânia Furtado, Lisiane Cohen, Priscila Guerra.
Produção: Lisiane Cohen, Rodrigo Valente.
Direção de produção: Betânia Furtado.
Assistência de produção: Isadora Galarza.

Controle financeiro: Maristela Ribeiro.
Contabilidade: Felipe Faccioni.
Assessoria jurídica: Patrícia Dias Goulart, Tatiane Chalupka.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Elisa Pessoa.
Operação de segunda câmera: Andriele Rodrigues Soares.
Operação de câmera adicional: Sandra Mara Gularte Rodrigues, Zoé Pessoa do Vale.

SOM
Som: não creditado.

MÚSICA
Música original: Rita Zart, Bruno Mad.
Produção musical de copyright: Paola Oliveira.

Músicas:
• "Chicaca" (Rita Zart) por Rita Zart (voz)
• "Sweet words" (Gabriela Lery, Rita Zart) por Kiko Ferraz (voz), Gabriela Lery (guitarras, baixo), Rita Zart (synths, beats, samples), mixagem: Tiago Abrahão
• "E ae mozão" (Mc Du) por Bruno Mad (voz, beat, piano, guitarra, baixo)
• "Tradição" (Bruno Mad) por Bruno Mad (voz, bateria, guitarras, baixo), Eduardo Nichele (gaita)
• "Alma chucra" (Bruno Mad) por Bruno Mad (voz, bateria, guitarras, baixo), Eduardo Nichele (gaita)
• "Isso não se faz" (Bruno Mad, Kiko Ferraz) por Anaí Correa (voz), Bruno Mad (bateria, baixo, guitarra, acordeon)
• "É só você dizer volta" (Bruno Mad), por Kiko Ferraz, Anai Correa (vozes), Bruno Mad (bateria, baixo, guitarra, acordeon), arranjo: Bruno Mad
• "Só sobrou saudade" (Bruno Mad) por Bruno Mad (voz, bateria, baixo, guitarra, acordeon)
• "Wait for nothing" (Bruno Mad) por Andressa Velloso (voz), Bruno Mad (beat, synth)
• "Nem sei o que eu faço separado" (Bruno Mad) por Bruno Mad (voz, bateria, baixo, guitarra, acordeon)
• "Fuego" (Bruno Mad) por Kiko Ferraz (voz), Eduardo Nichele (gaita), arranjo: Bruno Mad
• "Cielo abierto" (Rita Zart, Andrea Perrone) por Ava Rocha, Nana Carneiro da Cunha, Rita Zart (vozes), Andrea Perrone (violão), Pedro Borghetti (bombo legüero), Nana Carneiro da Cunha (violoncelo), Ava Rocha (sanfona), mixagem: Tiago Bello

ARQUIVO
O filme possui imagens de Andriele que foram feitas por Elisa Pessoa desde 2016.

FINALIZAÇÃO
Montagem: Elisa Pessoa.
Consultoria de montagem: Karen Sztajnberg.

Produção de finalização: Betânia Furtado.

Supervisão de pós-produção de imagem: Daniel Dode.
Assistência de pós-produção: Gustavo Zuchowski.
Coloristas: Arthur Bovo, Daniel Dode.
Gerenciamento de material bruto: Gustavo Zuchowski.
Geração e aferição de DCP: Gustavo Zuchowski, Daniel Dode.
Deliverables: Gustavo Zuchowski.

Supervisão de som: Kiko Ferraz, Chrístian Vaisz.
Edição de som direto: Ricardo Costa.
Edição de efeitos sonoros e sons ambientes: Gabriel Schulz.
Foley: Felipe Burger Marques.
Gravação e edição de foley: Renato Galimberti.
Mixagem: Ricardo Costa.
Coordenação de estúdio de som: Lísia Faccin.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Estúdio de pós-produção de imagem: Post Frontier (Porto Alegre).
Estúdio de pós-produção de som (não creditado): KF Studios (Porto Alegre).
Legendagem: Espaço Oddity.
Acessibilidade: CPL – Soluções em acessibilidade (Rio de Janeiro).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Margem Cinema Brasil (Porto Alegre).
Financiamento (BR): Edital SAV/MINC/FSA nº 05/2018. Recursos públicos geridos pela ANCINE Agência Nacional do Cinema. Investimentos do FSA Fundo Setorial do Audiovisual administrados pelo BRDE Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Proponente: Margem Cinema Brasil Ltda.. Valor: R$ 500.000,00; contemplado com o título: Andriele.
Apoio: Loja Senhorita.

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos da diretora: Zoé Pessoa do Vale, Nana Carneiro da Cunha, Renata Bellicanta, Paloma Vidal, Clara Choveaux, Gabriela Marcondes, Naruna Kaplan de Macedo, Daniel de Los Santos, Carolina Ferreira, Louise Botkay, Karim Bensalah, Valeska de Aguirre, Daniela Sevaroli, Daniela Dacorso, Fabia Schnoor, Margareth Waddington Binder, Luiz Mario Xavier, Renata Canton, Clara Araujo, Laura Araujo, Clara Zuniga, Pedro Sodré, André Vieira, Narjara Medeiros, Beatriz Carneiro, François Wolf, Luiza Maria Xavier, Laura de Lacerda Pessoa Xavier, Enrique Pessôa, Eduardo Pessoa, Francisco de Aguirre Xavier, Miguel Gonzáles.
Agradecimentos da produção: Cinemateca Capitólio, Loja Lírio e funcionários, Loja Rufino e funcionários, Papelaria Mosquito e funcionários, Rádio Sulina,
Enrique Pessôa, Flavia Oliveira, Gabriel Furtado, Henrique Guerra Ferraz, Ismael Caneppele, Joanita Vargas Furtado, José Antônio Villamil de Castro Galarza, Júlia Guerra Ferraz, Leonardo Cohen Valente, Letícia Friedrich, Lucas Soares Vieira, Luiz Mario Xavier, Natalia Salles da Rocha, Nora Goulart, Olenca Fagundes Cohen, Paulo Guerra, Rafael Cohen Valente, Regina Guerra, Sérgio Roberto Furtado, Sérgio Roberto Vieira, Vagner da Silva.
À Comunidade da cidade de Dom Pedrito (RS).

FILMAGENS
Brasil / RS, município de Dom Pedrito, no Banhado dos Anastácios; em Dom Pedrito.
Período: a partir de 2016 e entre maio de 2020 e fevereiro de 2021.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:34:58
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 1.85
Formato de captação:
Formato de exibição:

DIVULGAÇÃO
Identidade visual: Amapola Rios.
Trailer: Fernanda Kern.
margemcinemabrasil.com.br

PREMIAÇÃO
• 51º Festival de Cinema de Gramado 2023: 3º Prêmio SEDAC/IECINE da Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho: melhor trilha musical + desenho de som.
• 14º Festival Internacional de Cinema da Fronteira, Bagé 2023: melhor filme (crítica).

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: 14 anos.
Contato: Margem Cinema Brasil.

OBSERVAÇÕES
Créditos finais: // Todos os protocolos sanitários foram seguidos por conta da covid-19. //

Títulos alternativos: Andriele
Grafias alternativas: Beca Furtado | Patrícia Goulart
Grafias alternativas (funções): Controller | Artista de foley

BIBLIOGRAFIA

Exibições


• Curitiba (PR), Olhar de Cinema 11º Festival Internacional de Curitiba [1º-9 jun]-Outros olhares,
Cine Passeio Sala Luz, 7 jun 2022, ter, 20h15
Cine Passeio Sala Ritz, 7, 8 jun 2022, ter, 20h15, qua, 16h45
Online, 7 jun 2022, ter

• Gramado (RS), 51º Festival de Cinema de Gramado [12-18 ago]-Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho, Palácio dos Festivais, 14 ago 2023, seg, 14h

• Porto Alegre (RS), Mostra Gaúchos em Gramado, Cinemateca Paulo Amorim-Sala Paulo Amorim, 7 set 2023, qui, 19h (apresentação por Lisiane Cohen e Kiko Ferraz)

• Canoas (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Sala Games Sesc Canoas (Av. Guilherme Schell, 5.340, Centro), 5 out 2023, qui, 17h
• Ijuí (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Teatro do Sesc Ijuí (R. Crisanto Leite, 202, Centro), 9 out 2023, seg, 14h

• Porto Alegre (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema [9-30 out], Sala Redenção (Av. Paulo Gama, 110, Farroupilha),
9 out 2023, seg, 19h
17 out 2023, ter, 19h
27 out 2023, sex, 16h

• Santa Rosa (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Teatro do Sesc Santa Rosa (R. Concórdia, 114, Centro), 16 out 2023, seg, 14h
• Uruguaiana (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Sala de Cinema Sesc (R. General Flores da Cunha, 1.984, Centro), 17 out 2023, ter, 9h
• Caxias do Sul (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, UCS Sala de Cinema (R. Francisco Getúlio Vargas, 1.130, Galeria Universitária), 17 out 2023, ter, 15h30
• Lajeado (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Teatro do Sesc Lajeado (R. Silva Jardim, 135), 18 out 2023, qua, 9h
• Venâncio Aires (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Sala Multiuso Sesc (R. Jacob Becker, 1.676, Centro), 18 out 2023, qua, 15h30
• Sant'Ana do Livramento (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Sala Multiuso Sesc (R. Brigadeiro David Canabarro, 650), 19 out 2023, qui, 15h30, 19h30
• Caxias do Sul (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, LABMais Sesc Caxias do Sul (R. Moreira César, 2.462, Pio X), 19 out 2023, qui, 19h
• Gravataí (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Teatro do Sesc Gravataí (R. Anápio Gomes, 1.241, Centro), 23 out 2023, seg, 14h
• Passo Fundo (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Teatro do Sesc Passo Fundo (Av. Brasil, 30), 23 out 2023, seg, 19h
• Pelotas (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Cine UFPEL (R. Lobo da Costa, 447), 26 out 2023, qui, 14h
• Frederico Westphalen (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Instituto Federal Farroupilha (Linha 7 de setembro, BR 386 – km 40 s/n), 26 out 2023, qui, 16h
• Alegrete (RS), 6ª Mostra Sesc de Cinema, Centro Cultural Adão Ortiz Houayek (Praça Oswaldo Aranha), 30 out 2023, seg, 14h

• Bagé (RS), 14º Festival Internacional de Cinema da Fronteira [29 nov-3 dez]-Mostra Competitiva Internacional de Longas-metragens, Centro Histórico Vila de Santa Thereza-Teatro Santo Antônio (Av. Visconde Ribeiro de Magalhães), 2 dez 2023, sab, 18h (presença da diretora; previsto para o Cine 7, às 10h, novo lugar e horário em função de problemas com o projetor)

• Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-
Sala Paulo Amorim, 18-21, 23 jan 2024, qui-dom, ter, 19h20 (estreia; dia 19, comentada com diretora + L. Cohen)
Sala Norberto Lubisco, 25-28, 30, 31 jan 2024, qui-dom, ter, qua, 14h30

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Céu aberto. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1580/ceu-aberto. Acesso em: 22 de fevereiro de 2024.