Música de trabalho (2003)

Brasil (GO)
Longa-metragem | Não ficção
cor, 80 min

Direção: Daniel Dias.
Companhia produtora: Pop Brasil Produções; Monstro Discos

Primeira exibição:
Primeira exibição RS: Porto Alegre (RS), Sala P. F. Gastal,

 

Música de trabalho retrata a cena do rock independente no Brasil do começo dos anos 2000. Depoimentos de jornalistas, produtores musicais como Fabio Massari, Lobão, Lúcio Ribeiro (Folha de S. Paulo), John (Pato Fu), Philippe Seabra (Plebe Rude). E 16 bandas, de sete cidades distintas: Ambervisions, Detetives, Faichecleres, Forgotten Boys, Hang The Superstars, Leela, MQN, Nem, Phonopop, Prot(o), Réu & Condenado, The Butchers' Orchestra, Valv, Violins & Old Books, Walverdes e Wry. O diretor Daniel Dias acumulou 25 horas de material. Lançado no começo de 2003, exibido nos cinemas em oito cidades brasileiras.

Sinopse


Cartelas:
Dezesseis bandas. Dezesseis estilos. Uma só paixão: o rock & roll.
Cena independente é...
Mainstream e pequenos selos.
O independente e os meios de comunicação.
Cena independente no rádio.
Procuradas, quatro grandes rádios preferiram não dar depoimento.
Uma cena de dificuldades.
Apoio na cena independente. Existe?
Tecnologia na cena independente.
Inglês, português... existe língua para o rock?
Para onde vai o independente?

Ambervisions (SC): A banda surgiu no final de 1998, com a ideia de usar seu surf punk rock para tirar sarro de tudo. Em 2001 lançaram o álbum Cada dia mais a mesma coisa, que reúne inéditas e músicas da demo Várias, de 1999. Chegaram à formação atual em 2002. Atualmente a banda está em estúdio gravando material novo.
Detetives (SP): Os Detetives eram um quarteto, tendo inclusive gravado um CD com essa formação, que nunca foi lançado. O CD com a formação atual, já lançado, foi gravado nos fundos da garagem do baterista.
Faichecleres (PR): Após várias versões demo de seu repertório, a banda gravou o que considera a versão definitiva. O plano é gravar um álbum completo em breve.
Forgotten Boys (SP): A banda foi formada em 1997. Desde então lançou várias demos e um split album com uma banda argentina. A banda promete seu próximo CD para breve.
Hang The Superstars (GO): A banda surgiu em 1998, como um projeto de uma noite, e pararia por aí. O vocalista, no entanto, levou o projeto em frente ao sonhar com sua velha guitarra. Ela levitava e dizia "O Hang deve continuar". Em 2002 lançaram também seu primeiro EP oficial intitulado simplesmente Hang The Superstars.
Leela (RJ): O Leela nasceu em meados de 2000, mas a formação atual só surgiu em 2002. Atualmente divulgam seu segundo CD demo.
MQN (GO): A banda surgiu em 1997, e fez seu primeiro show em uma festa de formatura. Apesar de descartado, o nome original, Melhor Que Nada, deu origem ao MQN atual. Desde cedo, a atitude da banda rendeu a eles o rótulo de stoner rock (rock chapado). A banda já lançou dois álbuns completos e dois compactos. Um terceiro álbum está nos planos do quarteto para breve.
Nem (GO): A banda surgiu em 1997, com a proposta de um som livre de rótulos, com muita improvisação. Desde então, lançaram três demos: duas cassetes e um CD. O primeiro álbum, Harmonicaótica já foi gravado, produzido pelo ex-Mutante Sérgio Dias. O resultado está sendo mixado e deve ser lançado em breve.
Phonopop (DF): Após voltar de Londres, onde tinha um projeto musical local, o vocalista gravou um CD demo de quatro faixas. Era fevereiro de 2001. O resto da banda foi recrutado logo depois. A banda está dando os últimos retoques em seu primeiro EP com formação completa.
Prot(o) (DF): Surgida em 1996 como um projeto individual do vocalista, o Prot(o) só se tornou uma banda em 1999. Após duas demos, a banda pretende lançar seu primeiro CD em breve. Já gravado, o álbum foi produzido por Philippe Seabra, da Plebe Rude, em seu estúdio particular. O novo CD deve ser lançado pela Monstro Discos em breve.
Réu & Condenado (GO): Sem baixo ou bateria, o Réu & Condenado se apresenta com um computador em pleno palco. Mantendo-se fiel à sua peculiar formação, a banda (ou coisa) quer gravar um CD completo.
The Butchers' Orchestra (SP): Apesar da banda ter sido formada em 1996, a formação atual só surgiu em 1998. Desde então, lançaram várias demos e três álbuns completos. A banda acaba de lançar um EP pelo selo americano Estrus e em breve se mudará para os Estados Unidos.
Valv (MG): A banda foi formada no começo de 2000, tendo completado sua formação em outubro do mesmo ano. Desde então, lançaram o EP Ammonite, pelo selo carioca Midsummer Madness. A banda pretende gravar um álbum completo em breve.
Violins & Old Books (GO): A banda foi formada em dezembro de 2000, quando os integrantes se conheceram em um congresso. Desiludidos com seus cursos universitários, resolveram apostar tudo na banda. Após o primeiro EP em inglês, Wake up & dream, a banda promete um álbum completo em português.
Walverdes (RS): A banda foi formada em 1993, e batizada com o nome da base inimiga do filme Comando para matar. Desde então lançou sete demos e três álbuns, além de participar de coletâneas. A tiragem inicial de 1.000 cópias do último álbum, Anticontrole, esgotou em menos de um ano.
Wry (SP): O Wry foi formado em 1993, em Sorocaba, interior de São Paulo. Em 2001, finalmente realizaram o sonho de mudar para Londres, onde tentam a sorte atualmente. Após o relançamento de seu primeiro CD, Heart experience, o Wry prepara seu novo trabalho na Inglaterra.

As dezesseis bandas apresentadas neste filme são apenas uma amostra da diversidade da cena independente brasileira hoje.

Ficha técnica


IDENTIDADES
Ordem de identificação: Fabio Massari (VJ da MTV), Fernando Rosa (site Senhor F.), Lobão (músico e compositor), Fernando Souza Filho (redator da Rock Brigade), Fernanda (Motor Music / MG), Ricardo (Fan Music / PR), Philippe Seabra (vocalista da Plebe Rude), Lúcio Ribeiro (jornalista da Folha de S. Paulo), Eduardo Ramos (Slag Records / SP), Léo Bigode (Monstro Discos / GO), André 'Pomba' Cagni (editor da Dynamite), John Ulhoa (guitarrista do Pato Fu), Anna Butler (relações artísticas – MTV), Pablo (seleção de democlips – MTV).
Bandas:
Ambervisions (SC): Zimmer (maracas, voz), Amexa (guitarra, voz), Arioli (baixo), Cris (bateria).
Detetives (SP): Rafael (baixo), Clayton (bateria), Alejandro (voz, guitarra).
Faichecleres (PR): Giovanni (baixo, voz), Marcos (guitarra, voz), Tuba (bateria).
Forgotten Boys (SP): Gustavo Riviera (guitarra, voz), Flávio Cavichioli (bateria), Chuck Hipolitho (baixo, voz).
Hang The Superstars (GO): Maurício (guitarra, voz), Fernando (baixo), Eline & Carol (backing vocals), Miguelângelo (bateria).
Leela (RJ): Bianca Jhordão (voz, guitarra), Rodrigo Brandão (guitarra), Melvin (baixo), Luciano Grossman (bateria).
MQN (GO): Fabrício Nobre (voz), CJ (guitarra), Georgbas (baixo), Miranda (bateria).
Nem (GO): Fabiano Lopes Fields (voz, guitarra), Galvão Henrique (guitarra, voz), Ciro Ricardo (baixo), Leonardo Carlos (guitarra), Ivan Pedro (bateria).
Phonopop (DF): Fernando Brasil (voz, guitarra), Ju (guitarra), Bruno (bateria).
Prot(o) (DF): Pinduca (voz, guitarra), Pedro Ivo (baixo, voz), Cristóvão (bateria).
Réu & Condenado (GO): Daniel Drehmer (voz, teclado de brinquedo), Francis Leech (voz, violão).
The Butchers' Orchestra (SP): Adriano Butcher (guitarra, voz), Marco Butcher (guitarra, voz), Rodrigo Butcher (bateria).
Valv (MG): Alessandro Travassos (voz, guitarra), Luciano Costa (guitarra), Alexandre Augusto (bateria), Daniel Maia (baixo).
Violins & Old Books (GO): Beto Cupertino (voz, guitarra, teclado), Léo Alcanfôr (guitarra), Timóteo Madaleno (baixo), Pedro Saddi (teclado), Pierre Alcanfôr (bateria).
Walverdes (RS): Gustavo Bittencourt (voz, guitarra), Patrick Magalhães (baixo), Marcos Rübenich (bateria).
Wry (SP): Mário Bross (voz, guitarra), Luciano (guitarra), Chokito (baixo), Bizar (bateria).

DIREÇÃO
Direção: Daniel Dias.

PRODUÇÃO
Produção: Daniel Dias, Ana Paula Martins de Araújo.
Produção executiva: Léo Bigode, Fabrício Nobre.

FOTOGRAFIA
Operação de câmera: Daniel Dias.

SOM
Som: não creditado.

MÚSICA
Música tema:
• "Música dá trabalho!" (Ambervisions) por Ambervisions.

Todas as músicas reproduzidas neste filme são de autoria das próprias bandas participantes.

FINALIZAÇÃO
Edição e sonorização: Daniel Dias.
Assistência de edição: Marília Malheiro.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Pop Brasil Produções; Monstro Discos (Goiânia, GO).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Monstro Discos (GO), Motor Music (MG), Slag Records (SP), Ordinary Recordings (SP), Fan Music (PR), Hangar 110 (SP), Café Acústico (GO), A Obra (MG), Underground Rock Bar (SC), Empório São Francisco (PR), Gate's Pub (DF), Ballroom (RJ), Centro Cultural Martim Cererê (GO).
Agradecimentos especiais: a todos aqueles que deram seu depoimento a esse filme, simplesmente por acreditarem na cena.

FILMAGENS
Brasil / em
SC, em Florianópolis, no Underground Rock Bar (Ambervisions);
PR, em Curitiba, no Empório São Francisco (Faichecleres)
GO, em Goiânia
SP, em São Paulo
MG, em Belo Horizonte
DF, em Brasília
RJ, no Rio de Janeiro

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração:
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela:
Formato de captação:
Formato de exibição:

DIVULGAÇÃO
Visite www.musicadetrabalho.com.br

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa:
Contato:

OBSERVAÇÕES
Créditos finais: // Nenhuma banda foi machucada na produção deste filme. // Pop Brasil Produções & Monstro Discos (2003). //

Grafias alternativas: John

DISCOGRAFIA
Ver Discografias: Walverdes.

BIBLIOGRAFIA

Exibições


• Belo Horizonte (MG), Indie 3ª Mostra de Cinema Mundial [ago]-Música do underground, Sala 4, 23 ago 2003, 19h30

• Porto Alegre (RS), Sala P. F. Gastal,

• Canal São Paulo
• TV Cultura

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Música de trabalho. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1604/musica-de-trabalho. Acesso em: 17 de junho de 2024.