Meditation, creativity, peace – A documentary of David Lynch's 16-country tour (2012)

United States [Estados Unidos]
Longa-metragem | Não ficção
cor, 71 min

Direção: David Lynch.
Companhia produtora: David Lynch Foundation

Primeira exibição: New York City, NY (US), Museum of Moving Image, 13 out 2012, sab
Primeira exibição RS

 

Como informam cartelas inicias, entre 2007 e 2009 o aclamado diretor David Lynch viajou por diversos países para divulgar a prática da meditação transcendental, difundida desde 1955 por Maharishi Mahesh Yogi. As viagens resultaram neste documentário, compilado a partir de imagens filmadas por estudantes de cinema, pela Fundação David Lynch e pelas instituições nas quais os eventos foram realizados. A turnê ao Brasil em agosto de 2008 incluiu cinco capitais: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília e Porto Alegre. Nesta última, dentro do projeto Fronteiras do Pensamento, Lynch – então com 62 anos (nasce em Missoula, Montana, US, 20 jan 1946) – fez sua apresentação em 10 de agosto, domingo, para um lotado Salão de Atos da UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A passagem do diretor resultou em diversos projetos audiovisuais. Na capital gaúcha Lynch acabou por participar de dois curtas: O Passageiro obscuro (D. de O. Pinheiro, 2009, 9 min) e Peixe vermelho (Andreia Vigo, 2009, 14 min). Passou pelo Roda viva (TV Cultura, exibição em 3 nov 2008). E o documentário brasileiro Transcendendo Lynch (2011). Ele também está em Crítico (K. Mendonça Filho, 2008), indexado no Portal.

Meditation, creativity, peace – A documentary of David Lynch's 16-country tour inclui trecho da passagem por Porto Alegre da palestra mediada por Gilberto Perin, que aparece lendo uma pergunta do público: "O senhor disse que o sofrimento afeta a criação de modo negativo. Como o senhor explicaria que artistas como Van Gogh e Artaud, por exemplo, produziram uma obra tão genial tendo sofrido tanto? Se eles meditassem, isso poderia desequilibrar a genialidade de suas obras?".

Sinopse


Cartelas iniciais: // During the course of 2007-2009, american filmmaker David Lynch set out upon a 16-country tour to speak about meditation, creativity and peace. The following film was compiled from footage generously shot by film students, the David Lynch Foundation and the institutions at which the events were held. / This film is based on the knowledge and techniques of Maharishi Mahesh Yogi, who introduced Transcendental Meditation to the world in 1955. //

Outras cartelas com citações:
// That infinite source of the whole universe, the self of all that is, the ocean of pure consciousness – that is truth. That is the unbounded self – that thou art. – Chhandogya Upanishad. / The region of truth is not to be investigated as a thing external to us – it is within us. – Plotinus, roman philosopher, 225 b.C. [a.C.]
// Jiv is Brahm and none other – the individual is cosmic, and none other. – Shankara. / The human mind will not be confined to any limits. – Johann Wolfgang von Goethe, german philosopher, 1749-1832.
// Firmly established in the self, the sage perceives the universe as if it is a cosmic playground and in it is a cosmic dance. – Yoga Vashistha. / Wise is he who enjoys the show offered by the world. – Fernando Pessoa, portuguese poet, 1888-1935.
// Yoga is skill in action. – Bhagavad-Gita, 2.50. / Let's be quiet, we'll get some fish. – Finnish proverb.
// Truth alone triumphs. – Mundaka Upanishad, 3.1.6 (the national motto of India). / When the truth gets buried deep beneath ten Thousand years of sleep, time demands a turn around and once again the truth is found. – George Harrison, a verse written for Donovan's song, "Hurdy gurdy man".
// Avert the danger that has noy yet come. – Yoga Sutra, 2.16. / It is better to prevent than to heal. – French proverb.
// There is a light that shines beyond the world, beyond everything, beyond all, beyond the highest heaven. This is the light that shines within your heart. – Chhandogya Upanishad. / The law is not thrust upon man; it rests deep within him, to waken when the call comes. – Martin Buber, austrian philosopher.
// All action without exception, o partha, culminates in knowledge. – Bhagavad Gita, 4.33. / The work will teach you how to do it. – Estonian proverb.
// He whose action is burnt up in the fire of knowledge, him the knowers of reality call wise. – Bhagavad Gita, 4.19. / Education is not filling a bucket, but lighting a fire. – William Butler Yeats, irish poet, 1865-1939.
// You are the sheath of the universe, and you hold it with love in your hands. – The Mahabharata. / If you cannot serve, you cannot rule. – Bulgarian proverb.
// In the vicinity of yoga – unity – hostile tendencies are eliminated. – Yoga Sutras, 2.35.
// The world is my family. – Maha Upanishad. /... and they shall beat their swords into plowshares and their spears into pruning hooks. Nation shall not lift up sword against nation, neither shall they learn war any more. – Micah, Old Testament.

Ficha técnica


IDENTIDADES
David Lynch,
Donovan.
Não creditado: Gilberto Perin (mediador em Porto Alegre).

DIREÇÃO
Direção (não creditado): David Lynch.
Consultation on vedic literature and world literature: Judy Booth.

ROTEIRO
Roteiro (não creditado): David Lynch.

PRODUÇÃO
Produção: Bobby Roth.
Field producers: Adam Pressman, Sam Lieb.

FOTOGRAFIA
Location camera: Adam Pressman, Sam Lieb.

SOM
Som: Adam Pressman, Sam Lieb.

MÚSICA
Músicas:
• "Sonny Boy" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Down the road" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Hey Sally" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Lipstick" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Midnight extended" (James McCartney) por James McCartney
• "Last song" (Mark Linkous) por Mark Linkous // Publishing Spirit Ditch / Warner Chappell
• "Movin' on" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Big dream girl" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Piano & drum" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "A Meaningless conversation (instrumental)" (David Lynch, Dean Hurley) por David Lynch and Dean Hurley // Courtesy of David Lynch MC by arrangement with Bobkind Music (ASCAP)
• "Sweet apocalypse" (Moby) por Moby // Published by Kobalt Music Publishing / ℗ 2008 Mute Records Limited
• "Isle of Islay" (Donovan Leitch) // Published by Donovan Music

FINALIZAÇÃO
Edição: Noriko Miyakawa.
Engenheiro de som: Dean Hurley.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: David Lynch Foundation (New York City, NY, US).

AGRADECIMENTOS
The production wishes to thank the following people:
Austria: dr. Lothar Krenner, Gretl Wedam, dr. Agnes Christanell, Hans Hurch.
Belgium: dr. Lucien Mansour, dr. Gilda Thebaud Mansour, Stijn Vandenbosch, Claudio Scubla, Franck Jacobs, Eric Torres, François Demulder, Chris Vranckx.
Brazil: dr. Jose Luis Alvarez, Sarah Ponde, Joan Roura, Gisela Amaral, Kleber Tani, Gisela Zincone, Eliana Homenco, Mase Nascimento, Flavia Baptista, Ana Cristina Villares Barbosa, Suzana Guimaraes, Ana Maria Araujo, Louis Ventura, Felipe Maciel, Claudia Albuquerque, Livia Lacerda, Viviane Caetano, Fred Moussalem, Patricia Kauark, Rubens Fernandes.
Bulgaria: dr. Donka Hodjeva, Irina Mihaleva, Krasimir Georgiev, Ivan Hodjev, Galina Toneva, Luba Kulezich.
Denmark: dr. Bjarne Landsfeldt, Bolette Landsfeldt, Jørn Janby, Svend Jensen, Ole Markmann, Ditte Markmann.
England: dr. Peter Warburton, dr. Deirdre Parsons, Richard Johnson, Norma Sullivan, Charles Cunningham, Eric Kaplan, Felicity Kaplan, Anna Rawlinson.
Estonia: Jaan Suurküla.
Finland: dr. Pat Barrett, Hannu Heikkilä, Allan Kangas, Leena Heikkilä, Veli-Heikki Uusitupa, Asko Ali-Marttila, Auli Korhonen, Eero Tunkelo, Satu-Aamu Kangas, Maria Kangas, Henri Kangas, Jukka Leino, Tero Mäntylä.
France: Dominique Lemoine, Gérard Laporte, Charles Genaudeau, Antoine Lagaisse, Chantal Lagaisse, Yolande Toulemont, Patrick Nicolas, Celia Nicolas.
Germany: dr. Emanuel Schiffgens, dr. Eckart Stein, Oberstlt a.D. Gunter Chassé, Gottfried Vollmer, Joerg Reick, Astrid Reick, Kurt Wienekemeyer, prof. Andreas Köpnick, Wolfgang Gied, Lothar Lontke.
Ireland: Joe Hayden, Breda Hayden, Bernard McKeon, Rose McKeon, Richard Quirke.
Israel: Alex Kutai, Renen Schorr, Shir Shoshani.
Italy: dr. Mariano Facipieri, dr. Patrizia Facipieri, Fatima Franco, Ubaldo Cortinovis, Lorenza Garghetti, Bruno Renzi, Agnesi Laura, Clara Mughini, Andrea Bianetti.
Northern Ireland: Andrea Gribben, Gerry Gribben.
Portugal: dr. Antonio Bartolome, Eduardo Espirito Santo, Emmanuel Cerveira, Nelson Guerra, Eugenia Romao, Paulo Branco, Kathleen Gomes, Filomena Raphael, Susana Rodrigues.
Russia: Maxim Shatokhin, Yuri Miroshnikov.
Scotland: David Rae, Henry Brighouse, Sally Brighouse, Judith Procter, Angela Landers, Jim Moore, Alison Scott, Finlay Pretzel.
Ukraine: dr. Avinoam Barkol, Vyacheslav Gorlovsky, Vladimir Dimchev.
USA: dr. John Hagelin, Mario Orsatti, Chris Busch, Julia Busch.
Special thanks: dr. Bevan Morris, Donovan, Linda Leitch, Carol Lawrence, Moby, James McCartney, Emily Lynch, Heather Hartnett, Ed Murphy, Geoff Boothby, Cullen Thomas, Erin Skipper, Ike Winkler, Amy Kettenberg, Puki Freeberg, Michael Barile, Mindy Ramaker, Anna Skarbek.

Dedicatória: Dedicated with all gratitude to Maharishi Mahesh Yogi.

FILMAGENS
United States [Estados Unidos] / California, em Hollywood [David's Painting Studio];
France [França] / Région Île-de-France, em Paris [David's Printing Studio];
Italia / Città metropolitana, vecchia Provincia di Palermo, Regione Siciliana, em Palermo;
Israel, em Jerusalem; Tel Aviv; Haifa;
Bulgária, em Sófia;
Ucrânia, em Kiev;
Republik Österreich [Áustria], em Wien;
Portugal, em Estoril [nov 2007]; Lisboa;
Scotland [Escócia], em Edinburgh; Glasgow;
United Kingdom [Reino Unido], em London;
Estônia, em Tallinn;
Deutschland [Alemanha] / Nordrhein-Westfalen, em Köln [Colônia];
Irlanda / Province Leinster, em Dublin [Baile Átha Cliath];
Suomen Tasavalta [Finlândia], em Helsinki;
Brasil / RS, em Porto Alegre, no Salão de Atos da UFRGS, 10 de agosto de 2008, domingo;
Brasil / RJ, no Rio de Janeiro;
United States [Estados Unidos] / New York, em New York City [David Lynch Foundation Change begins within, concert at Radio City Music Hall].

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:10:57 (YouTube)
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela:
Formato de captação:
Formato de exibição:

DIVULGAÇÃO

PREMIAÇÃO
• 11th Monaco International Film Festival 2013: best director.

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa:
Contato:

OBSERVAÇÕES
Grafias alternativas:

BIBLIOGRAFIA
LYNCH, David. Em águas profundas – Criatividade e meditação. Rio de Janeiro: Gryphus, 2008. 193p. Tradução: Márcia Frasão, de: Cathching the big fish.

Noticiário:
LUNARDELLI, Fatimarlei. Lynch: entre o cinema e a pregação. Extra Classe, Porto Alegre, Sinpro/RS Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul, set 2008, ano 13, n.127.

Exibições


• New York City, NY (US), Museum of Moving Image, 13 out 2012, sab

• New York City, NY (US), Sunshine Landmark Cinema, 18 out 2012, qui (followed by a Q&A with musician Donovan)

• Los Angeles, CA (US), Hammer Museum (10.899 Wilshire Blvd.) Billy Wilder Theater, 2 abr 2013, ter, 19h30 (Q&A with David Lynch and Russell Brand)

• Palm Beach, FL (US), PBIFF 18th Palm Beach International Film Festival [4-11 abr]-Competition Documentaries, abr 2013

• Seattle, WA (US), Seattle Art Museum (1.300 First Avenue), 7 ago 2013, qua, 19h

• Miami, FL (US), III Points Festival, Light Box at Goldman Warehouse, out 2013

• Principauté de Monaco (MC), 11th Monaco International Film Festival [5-8 dez], 5 dez 2013, qui


• YouTube, desde 17 mar 2016

Arquivos especiais


LUNARDELLI, Fatimarlei. Lynch: entre o cinema e a pregação. Extra Classe, Porto Alegre, Sinpro/RS Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul, set 2008, ano 13, n.127.

Desconcertante. Não há outra palavra para definir a passagem recente do cineasta norte-americano David Lynch por Porto Alegre. Autor de uma obra tão consagrada quanto enigmática, ele se recusou a falar sobre cinema, tanto na coletiva para imprensa quanto no seminário Fronteiras do Pensamento Copesul Braskem, do qual participou. Aliás, não fez conferência, apresentou-se numa espécie de talk show, uma conversa conduzida pelo diretor e roteirista Gilberto Perin, que lhe fez perguntas encaminhadas pelo público. Surpreendendo, o cineasta do bizarro, de mundos sombrios povoados por seres confusos, queria falar apenas sobre a felicidade infinita oportunizada pela meditação transcendental.
Ganhador da Palma de Ouro no Festival de Cannes de melhor filme por Coração selvagem (1990) e do prêmio de melhor diretor por Cidade dos sonhos (2001), David Lynch está preocupado com os jovens. Está tão convicto dos benefícios da meditação transcendental para a felicidade do ser humano que há três anos criou uma fundação para divulgar essa antiga técnica oriental de relaxamento. Através da Fundação David Lynch desenvolve programas destinados a alunos de escolas nos Estados Unidos, na América Latina e na África.
O cineasta enfatizou a importância das escolas ensinarem não apenas conteúdos, mas também meios para aquisição do conhecimento. Segundo ele, com apenas dez anos uma criança pode aprender meditação transcendental e isso ajuda a resolver problemas. Com a diminuição do estresse "a perspectiva em relação à vida se torna mais otimista e isso ajuda a tornar a escola um lugar alegre e feliz, para a qual as pessoas vão querer ir", exemplificou ao falar sobre os benefícios da meditação.
A certeza vem da experiência pessoal. Há 35 anos o cineasta de 62 anos dedica duas sessões diárias de 20 minutos que lhe permitem – ele garante – um mergulho interior "profundo" e a expansão da consciência. No Brasil, além de Porto Alegre, passou pelo Rio, São Paulo e Belo Horizonte acompanhado pelo músico escocês Donovan Leitch, que nos anos 60 trocou as drogas pela meditação transcendental. Junto com o beatle George Harrison tornou-se discípulo do indiano que divulgou a técnica no Ocidente, Maharishi Mahesh Yogi.
Num indisfarçável tom doutrinário, Lynch defendeu a vocação do ser humano para a felicidade. "O potencial do ser é para uma consciência infinita e para o esclarecimento, ou seja, o pleno potencial". Enfatizou a necessidade de combater a negatividade, que diminui naturalmente com a ampliação do bem-estar. Dissociou a vida da arte, ao responder sobre o conteúdo dos seus filmes, nos quais predomina a representação do sofrimento e da confusão: "contar uma história feliz não vai trazer felicidade". Só o artista feliz é livre para apresentar qualquer idéia.

Discurso descolado da obra
A surpresa no discurso de David Lynch foi a dissociação que fez entre a dor e o processo de criação. Posicionando-se contra o mito romântico do sofrimento como fonte criativa, defendeu que "o artista não tem que sofrer para mostrar o sofrimento". Ainda assim, o público cético do Salão de Atos da UFRGS insistiu, trazendo o exemplo do pintor holandês Vincent van Gogh, cujo sofrimento teria sido responsável pela intensidade da obra. Sem pestanejar, Lynch argumentou que a pintura não era resultado do sofrimento do artista, mas o único momento no qual ele era feliz, no qual evadia-se de sua dor.
Pintor, cartunista, fotógrafo e músico, o cineasta utiliza a meditação como uma forma de liberar a mente para a criatividade. É o que apresenta no livro Em águas profundas – Criatividade e meditação, lançado em 2006 nos Estados Unidos e agora disponível no Brasil pela editora Gryphus. Nele explica os benefícios da meditação transcendental que pratica desde 1973 e como isso lhe ajudou a liberar idéias para seus filmes. São capítulos curtos, com temas esparsos, mas contribui para a compreensão do seu processo criativo.
A obra de David Lynch não é fácil, é possível que seu filme mais inteligível ainda seja O Homem elefante (1980), do início da carreira, que obedece a uma estrutura narrativa clássica, baseada na linearidade dos sentidos. Em Império dos sonhos (2006), o aleatório domina o filme, em sintonia com a personagem de Laura Dern, perdida entre o real e o imaginário. Mesmo difícil, ao contrário de outros cineastas independentes do modelo narrativo dominante, Lynch é popular, é ousado e se mantém dentro do sistema industrial do cinema.
Passagens de seu livro como o capítulo "A caixa e a chave", no qual há uma única frase – "Não faço ideia do que sejam" – e sua recusa em dar explicações sobre o significado de seus filmes indicam o método de criação do artista. Na entrevista para a imprensa enfatizou a multiplicidade de pontos de vista que constituem a vida. Comparou idéias com peixes, sendo que as melhores estão nos níveis profundos do ser. Assim como a qualidade de vida, sobre a qual foi enfático: "não se trata de acreditar, mas de treinar", garante que quanto mais profundo for o mergulho interior, maior é a felicidade.

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Meditation, creativity, peace – A documentary of David Lynch's 16-country tour. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1636/meditation-creativity-peace-a-documentary-of-david-lynch-039-s-16-country-tour. Acesso em: 22 de fevereiro de 2024.