Hamlet (2022)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Ficção
pb, 87 min

Direção: Zeca Brito.
Companhia produtora: Anti Filmes; Galo de Briga Filmes

Primeira exibição: São Paulo (SP), 46ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo [20 out-2 nov]-Mostra Brasil, Espaço Itaú de Cinema Shopping Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569, 3º piso, Consolação) Sala 11, 25 out 2022, ter, 21h20
Primeira exibição RS: Gramado (RS), 51º Festival de Cinema de Gramado [12-18 ago]-Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho, Palácio dos Festivais, 19 ago 2023, sab, manhã [exibição programada para 18 ago 2023, sex, 14h, cancelada por problema no arquivo do filme]

 

Hamlet é um filme híbrido, transita entre o documentário e a ficção, entre o real e as referências a obra de Shakespeare, mostrando a versatilidade do realizador Zeca Brito em lidar com uma narrativa mais experimental que seus filmes anteriores.

Foi uma bela briga, mas, enfim, o produtivo cineasta bageense Zeca Brito – que circula bem entre todos os gêneros do audiovisual – conseguiu sair consagrado da serra gaúcha. Por pouco, seu documentário híbrido, Hamlet, que estreou na Mostra Internacional de São Paulo em 2022, não consegue concorrer na Mostra de Longas Gaúchos do 51º Festival de Cinema de Gramado. A sessão estava marcada para a tarde de sexta-feira (18 ago 2023), com grande plateia presente. Mas uma falha na projeção, após os 15 minutos iniciais, pegou todo mundo de surpresa. A exibição foi cancelada junto do debate que ocorreria na sequência. A organização do festival transferiu a apresentação pública para o sábado pela manhã (19), mas alguns dos componentes do júri tinham seus voos de retorno agendados para esse horário. À noite, passaria o longa Luis Fernando Verissimo – O filme (Luzimar Stricher), e já ocorreria a premiação dos curtas brasileiros, ocupando o palco e a tela do Palácio dos Festivais. A produção conseguiu realizar uma sessão extra fechada para os jurados e equipe, após a cerimônia, encerrando-se já na madrugada de sábado. Mesmo com menos espectadores, a exibição aberta ocorreu na manhã do dia seguinte, com debate bem prestigiado à tarde. Ao fim e ao cabo, deu tudo certo. Na noite de premiação, Hamlet recebeu cinco Kikitos: melhor filme, direção, ator (Fredericco Restori), fotografia e montagem.

Em 2022, Casa vazia (Giovani Borba) também recebeu cinco troféus (roteiro, ator, fotografia, trilha musical e som), mas não os principais da Mostra de Longas Gaúchos, que foram para 5 casas (melhor filme, direção para Bruno Gularte Barreto, além de montagem e júri popular). É interessante pontuar que o mesmo Zeca Brito é que abriu os caminhos para os longas gaúchos serem mais valorizados no evento, enquanto foi diretor do IECINE Instituto Estadual de Cinema, nos quatro primeiros anos do governo Eduardo Leite. Antigamente, a mostra não tinha premiação e, depois, somente um Kikito para o considerado melhor entre os exibidos no Palácio dos Festivais. Desde 2022, ampliaram-se as categorias e as premiações.

Hamlet é o oitavo longa do diretor, cuja atuação política é bastante destacada. Ele, inclusive, esteve apresentando Legalidade (2019) no Congresso Nacional em agosto de 2023, em sessão dedicada à memória do fato político de 1961. O agitador cultural ainda produz o Festival Internacional de Cinema da Fronteira, sua criação desde 2009, em Bagé.

Transitando entre documentário (com a equipe inserida em uma ocupação do movimento estudantil no Instituto de Educação General Flores da Cunha em Porto Alegre, em 2016) e a ficção (com o protagonista hesitando entre assumir sua liderança ou não, enfrentando os fantasmas de se transformar em adulto), Hamlet foi feito de forma totalmente independente. No caos daquele ano, na iminência de um Golpe de Estado, os estudantes secundaristas se uniram aos movimentos sociais, tomaram as ruas em passeatas, protestos e reivindicações, cobrando seus direitos, para que a educação pública estadual não fosse "terceirizada" e ficasse refém de interesses privados.

Em 2017, a produção Secundas (Cacá Nazario), resgatou o episódio da ocupação por alunos de Ensino Médio do prédio da Secretaria Estadual da Fazenda, no ano anterior, também na capital, e saiu vitoriosa da Mostra Gaúcha de Curtas do 45º Festival de Cinema de Gramado. Em 2019, foi lançado o importante longa Espero tua (re)volta (Eliza Capai), retrato do movimento estudantil que ganhou força a partir de 2015, ocupando escolas estaduais por todo Brasil.

Após sete longos anos, é fundamental observar que o resultado visto em tela e os troféus dourados e o discurso de Hamlet reverberam na mesma semana em que a ex-presidente Dilma Rousseff – que aparece no longa, após um ato, recebendo as reinvindicações dos estudantes e parabenizando o protagonista vivido por Fred Restori pelo seu aniversário de 18 anos – foi inocentada pelo TRF1 no caso das "pedaladas fiscais", que motivou seu pedido de Impeachment.

Um tropicalista vindo do sul do Brasil

Mestre em Artes Visuais pela UFRGS, graduado em Realização Audiovisual pela UNISINOS e Poéticas Visuais pela UFRGS, o cineasta Zeca Brito (37 anos em 2023) é diretor e roteirista, trabalhando entre a cidade-natal Bagé, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Ele sempre volta ao município da fronteira gaúcha, onde estão seu pai, Sapiran Brito, diretor de teatro que foi assistente de direção de Teixeirinha, e sua mãe, a atriz e artista plástica Maria Luisa Teixeira da Luz. Foi a eles que dedicou seu prêmio de direção em Gramado. Ainda na noite de premiação do 51º Festival de Cinema de Gramado, Zeca Brito destacou em sua fala o papel do carnaval, da alegria e da antropofagia para a cultura brasileira. Ele, que sai da fronteira com o Uruguay, talvez seja o cineasta gaúcho que mais entrada tenha no restante do país, depois de Jorge Furtado.

"Um tropicalista de Bagé" é o termo cunhado a ele pela professora Fatimarlei Lunardelli na edição de dezembro de 2018 na revista Teorema, depois no site Escrita Crítica e, enfim, registrado no livro 50 olhares da crítica sobre o cinema gaúcho (ACCIRS, 2022).

Além da enorme bagagem cultural, outra característica que chama a atenção na carreira do diretor Zeca Brito é sua capacidade de articulação. Hamlet é 100% independente, não contou com financiamentos, mas tem nos bastidores profissionais respeitados. O longa é resultado da consolidada dobradinha do realizador com Frederico Ruas, que nesta ficha técnica assina produção e roteiro. O kikitado montador Jardel Machado Hermes também é uma parceria antiga, assim como o diretor de fotografia Bruno Polidoro, colega no CRAV. Rita Zart, responsável pela trilha sonora original (e premiada na mesma mostra por outro título, Céu aberto), também já tinha trabalhado com o cineasta antes – assim como Tiago Bello, no desenho de som, que levou o Kikito em 2022 por Casa vazia e venceu a categoria no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2023 por Marte Um.

Na produção executiva ainda estão creditados Clarissa Virmond e Tyrell Spencer (Cidades fantasmas, 2017). Mas talvez as conexões artísticas mais longevas do diretor presentes em Hamlet ainda sejam o ator Fredericco Restori e o pensador Jean-Claude Bernardet, ambos na comédia Em 97 era assim (2016). Zeca conhece Fredericco sendo espectador do grupo performático Falos & Stercus, que era dirigido pelo pai do menino, Marcelo Restori. "Eu tive a oportunidade de, em alguns momentos, documentar as peças, logo no seu início como ator, aos 7 ou 8 anos de idade. Uma relação de amizade e de afeto que nasce com o convívio com o Falos & Stercus e depois se desenvolve e se aprofunda com o Em 97 era assim, em que ele tinha 13 anos, interpretando um personagem de 15", narra.

O diretor ainda conta que a participação de Fred Restori também em Legalidade (2019) é uma homenagem: "Ele faz o técnico que liga os cabos do rádio, porque o avô dele foi o técnico de som da Rádio da Legalidade". Em função dessa proximidade, é que a equipe entra em contato com a ocupação em que o aluno está no Instituto de Educação, na Avenida Osvaldo Aranha, ao lado do Parque da Redenção, ponto emblemático de Porto Alegre.

Já o escritor e ator Jean-Claude Bernardet estava na capital gaúcha em abril de 2016 para um evento com críticos do estado e é convidado pelo cineasta para ir ao colégio em função das oficinas de arte que estão sendo realizadas. "Íamos exibir o Hamlet de Cristiano Burlan, em que ele faz o fantasma, e comentaria. Isso nem entra no filme", esclarece. O longa de 2014 de Burlan é uma livre adaptação da tragédia de William Shakespeare. A releitura atual da equipe gaúcha fala da geração secundarista frente ao Golpe Parlamentar dois anos depois. "A questão toda da relação da podridão da Dinamarca corrupta tomada por parasitas é a que a gente tenta estabelecer com o processo golpista de impeachment da presidenta Dilma no Brasil", completa Zeca Brito.

O cineasta analisa: "Acho que o Jean-Claude traz uma reflexão importante para o filme, de que as teorias precisam vir da observação das ações, e não o contrário (aplicar uma teoria a partir de um ideário do que seria uma sociedade melhor). Porque a perspectiva de quem está definindo o que é melhor ou é pior é sempre elitista e distante da realidade". Para Zeca, a lição dos movimentos secundaristas – quem entende de estudante é o próprio estudante – não foi aprendida: "Relacionando com o agora, percebo que a classe política, pelo menos em um cenário local, não pratica a escuta com os estudantes. Aquilo tudo ali que a gente viveu em 2016 não foi compreendido, pelo modelo que segue sendo adotado. Há uma anestesia neoliberal que distancia as ações". No longa, a urgência pelo diploma faz com que o inimigo do estudante seja o próprio estudante. "Quem está preocupado com os próximos 50 anos passa a ser o vilão", observa o diretor.

Com uma fotografia em preto-e-branco e uma câmera atuante – na esteira de "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça", lema do Cinema Novo no Brasil –, a obra com a qual Zeca Brito gostaria que seu Hamlet fosse comparado é Terra em transe (Glauber Rocha, 1967). "É um filme de enfrentamento, de relação direta da câmera com a ação".

Sinopse


Brasil, 2016. Em meio ao caos político, os estudantes secundaristas se unem aos movimentos sociais, ocupam escolas, tomam as ruas em passeatas, protestos e reivindicações. Cobram o fim da desigualdade e denunciam manobras políticas. Diante de um iminente golpe de estado, o jovem Hamlet tem de enfrentar seus maiores fantasmas, sua transformação em adulto e seu lugar na sociedade. Agir ou não agir? Ser ou não ser? Enquanto as bombas explodem, o coração entra em chamas, o mundo exterior em ruínas e por dentro a construção da cidadania e a chegada da maturidade.

Ficha técnica


ELENCO
Fredericco Restori,
Jean-Claude Bernardet, Marcelo Restori.
Participação especial: Dilma Rousseff.
Estudantes:
Instituto de Educação General Flores da Cunha: Alisson Fernandes, Allan Maciel, Ana Muller, Arthur Farias, Artur Schaeffer, Camila Vasquez, Clara Morales, Djulie Rayana, Eduardo Gomes, Eraldo, Érica Falcão, Felipe Vidart, Gabriel Luiz, Giovanna Pontes, Isabela Marcon, Isadora Paludo, Jenifer de Moura, João Vittor Mullemaister, Juarez Negrão, Julia Gomes, Juliana Schattschaneider, Lucas Taborda, Luiza Pereira, Marcyele Araújo, Maria da Graça, Matheus Schulz, Pedro Fadine, Raquel Prestes, Richer Lima, Rodrigo Chagas, Roger Santos, Sandro Dubois, Sofia Maciel, Tobias Camisolão, Uaquimy Gonçalves, Victória Vieira, Vinícius Umman, Vinicius Villar, Wesley Assis.
Outras escolas de Porto Alegre: Ana Paula, Babi Vuelma, Brisa de Moura, Daniel Oliveira, Emily Jahn, Gabriel Rucco, Gabriel Severo, Isabela Yumi, Isadora Fagundes, Ivo Agliardi, Karoline Krieger, Laura Helena, Lisi Brandt, Loreno Furtado, Lucas Fagundes, Lucas Martinez, Ludmila Fagundes, Maria Saldanha, Mariana Dorneles, Matheus Gomes, Matheus Sanguiné, Morgana Benvenuto, Natê, Nathalia Jobim, Neil Naiff, Pablo de Freitas, Paloma Silveira, Pedro Lerina, Raíssa Paladini, Samira Rosa, Sara Gomes, Theo Comissoli, Yasmim Pauli.
Não creditados: Zeca Brito, Carla Cassapo, Juliana Coutinho (performance rapel).

DIREÇÃO
Direção: Zeca Brito.

ROTEIRO
Roteiro: Frederico Ruas, Zeca Brito.
Tradução e legendagem em inglês: Frederico Ruas.

PRODUÇÃO
Produção executiva: Clarissa Virmond, Frederico Ruas, Tyrell Spencer, Zeca Brito.
Direção de produção: Maria Elisa Dantas.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Bruno Polidoro, Joba Migliorin, Lívia Pasqual, Zeca Brito.

SOM
Técnica de som direto e microfonista: Maria Elisa Dantas.

MÚSICA
Trilha sonora original: Rita Zart.

Músicas:
• "Ser" (Rita Zart) por Rita Zart
• "Um Líder" (Rita Zart) por Rita Zart
• "Ação" (Rita Zart) por Rita Zart
• "Seguir" (Rita Zart) por Rita Zart
• "Hamlet CF" (Matheus Walter) por Matheus Walter [créditos finais]

FINALIZAÇÃO
Montagem: Jardel Machado Hermes.
Colaboração primeiro corte: Daniel Almeida.

Supervisão de pós-produção: Tyrell Spencer.
Produção de finalização: Clarissa Virmond.
Colorista, geração e aferição de DCP e deliverables: Tyrell Spencer.

Desenho de som e mixagem: Tiago Bello.
Edição de sons ambientais: Cristiano Scherer.
Assistência de edição de som: Eduarda Brum.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Pós-produção: Galo de Briga Filmes (Porto Alegre).
Estúdio de edição de som e mixagem: Gogó (Porto Alegre).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Anti Filmes (Porto Alegre).
Coprodução: Galo de Briga Filmes (Porto Alegre).
Apoio cultural: Aro33 (Porto Alegre); Porto Alegre 24h (Porto Alegre).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Adriana Brito, Andrea Camboim, Bárbara Paz, Carla Cassapo, Carla Esmeralda, Claudia Brito, Daniel Almeida, Diego Garcia, Fabiane Lazzaris, Fatimarlei Lunardelli, Flávia Barbalho, Flávia Reckziegel, Gisela Perez Fonseca, Glênio Póvoas, Hebe Tabachnik, Letícia Friedrich, Laís Coutinho de Brito, Laura Moglia, Leo Garcia, Luã Neves do Valle, Luciana Tomasi, Maria Luisa Teixeira da Luz, Martina de Moura Teixeira, Maristela Ribeiro, Matheus Walter, Mônica Kanitz, Nico Valdés, Renata de Almeida, Rodolfo Figurelli, Sapiran Brito, Suzana Villas Boas, Terezinha dos Santos, Vera Stringuini, Virginia Simone, Zuleika Borges Torrealba.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre, em lugares como: Instituto de Educação General Flores da Cunha (Av. Oswaldo Aranha), exterior do Centro Administrativo, ruas do Centro (Av. Borges de Medeiros esquina R. dos Andradas).
Período: abril de 2016.

Finalizado em 2022.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:27:28
Som:
Imagem: pb
Proporção de tela: 1.85
Formato de captação:
Formato de exibição:

DIVULGAÇÃO
Identidade visual: Leo Lage / Aro33.
Assessoria de imprensa: Isidoro B. Guggiana, Patrícia Rabello, Fernanda Burzaca.
Produção de lançamento: Clarissa Virmond, Domingos Costa.

PREMIAÇÃO
• 51º Festival de Cinema de Gramado 2023: 3º Prêmio SEDAC/IECINE da Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho: melhor longa gaúcho + direção + ator (F. Restori) + fotografia + montagem.
• FIDBA 11º Festival Internacional de Cine Documental de Buenos Aires 2023-Competencia Orbita: mejor dirección.

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: 12 anos.
Contato: Anti Filmes; Galo de Briga Filmes.

OBSERVAÇÕES
Grafias alternativas: Isidoro Guggiana | Laura Moglia Jacinto Pereira | Leonardo Garcia | Sapiran Coutinho de Brito
Grafias alternativas (funções): Colorgrading | Artista visual

BIBLIOGRAFIA
Noticiário:
ZATT, Carol. Hamlet, de Zeca Brito, sai consagrado do 51º Festival de Gramado – Oitavo longa do diretor de Bagé recebeu cinco Kikitos na serra gaúcha, entre eles melhor filme e melhor direção. Brasil de Fato, Porto Alegre, 25 ago 2023. [texto gentilmente cedido e adaptado para o verbete]
[https://www.brasildefators.com.br/2023/08/25/hamlet-de-zeca-brito-sai-consagrado-do-51-festival-de-gramado]
RODRIGUES, Daniel. Espelho do Brasil – Ser ou não ser político? Eis a questão de Hamlet, filme dirigido por Zeca Brito que traz a tragédia shakespeariana para a realidade brasileira dos últimos anos. Zero Hora, Porto Alegre, 9-10 mar 2024, Doc., p.13.

Exibições


• São Paulo (SP), 46ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo [20 out-2 nov]-Mostra Brasil,
Espaço Itaú de Cinema Shopping Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569, 3º piso, Consolação) Sala 11, 25 out 2022, ter, 21h20
Cine Satyros Bijou, 27 out 2022, qui, 14h

• São Luís (MA), 46° Festival Guarnicê de Cinema [9-16 jun]-Mostra Jovem, 10-15 jun 2023, sab-qui (online)

• Gramado (RS), 51º Festival de Cinema de Gramado [12-18 ago]-Mostra Competitiva Longa-metragem Gaúcho, Palácio dos Festivais, 19 ago 2023, sab, manhã [exibição programada para 18 ago 2023, sex, 14h, cancelada por problema no arquivo do filme]

• Porto Alegre (RS), Mostra Gaúchos em Gramado, Cinemateca Paulo Amorim-Sala Paulo Amorim, 5 set 2023, ter, 19h (presença do diretor e equipe)

• Ciudad Autónoma de Buenos Aires (AR), FIDBA 11º Festival Internacional de Cine Documental de Buenos Aires [2-8 out]-Competencia Orbita,
El Cultural San Martín Sala Graciela Borges, 4 out 2023, qua, 19h
Cine Arte Cacodelphia, 6 out 2023, sex, 18h

• Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-
Sala Eduardo Hirtz,
29 fev-1º-3, 5, 6 mar 2024, qui-dom, ter, qua, 19h30 (pré-estreia; dia 29, comentada com diretor)
7-10, 12, 13 mar 2024, qui-dom, ter, qua, 15h (estreia)
Sala Norberto Lubisco, 14-17, 19, 20 mar 2024, qui-dom, ter, qua, 19h30

• Bagé (RS), Mostra Democracia, cultura e sociedade: O cinema político de Zeca Brito [7-9 mar], Centro Histórico Vila de Santa Thereza-Teatro Santo Antônio (Av. Visconde Ribeiro de Magalhães), 9 mar 2024, sab, 19h

• Ciudad Autónoma de Buenos Aires (AR), Mostra Democracia, cultura e sociedade: O cinema político de Zeca Brito [15-16 mar], Auditório do IGR Instituto Guimarães Rosa, 16 mar 2024, sab, 14h (comentário de Sofía Robiolio Bose, presença do diretor)

• Porto Alegre (RS), Abertura do Seminário UFRGS A Imagem no espaço: Cinema, cidade e educação, Cinemateca Capitólio, 18 mar 2024, seg, 18h30 (especial)

• Porto Alegre (RS), Cinemateca Paulo Amorim-Sala Eduardo Hirtz, 23 mar 2024, sab, 10h15 (para Clube de Cinema de Porto Alegre; debate com diretor + ator Fredericco Restori)

• São Paulo (SP), Reag Belas Artes (R. da Consolação, 2.423) Sala 6, 26 mar 2024, ter, 20h (debate com diretor + roteirista F. Ruas, mediação: Jonas Chadarevian)

• São Paulo (SP), Cine Satyros Bijou (Praça Franklin Roosevelt, 172), 7, 11 abr 2024, dom, 17h50, qui, 19h10

• São Paulo (SP), Cine Matilha (R. Rego Freitas, 542 / 3º andar), 18, 20 abr 2024, qui, 19h, sab, 17h

• Porto Alegre (RS), Cinemateca Capitólio, 2-4, 7, 8 maio 2024, qui, sex, 16h30, sab, 17h, ter, qua, 16h30

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Hamlet. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1647/hamlet. Acesso em: 23 de junho de 2024.