Só Creedence: Ao vivo no Sgt. Peppers (2004)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Registro de espetáculo musical
DVD, cor, min

Direção: André Trindade.
Companhia produtora: Ouié Movies; Mush Recordz; DasRoça Produções; Fade Vídeo Comunicação

Lançamento:

 

Em 16 de novembro de 2004, uma noite de terça-feira chuvosa em Porto Alegre, a Só Creedence fez um show no Sgt. Peppers com o objetivo de registrar em vídeo três ou quatro músicas para usar como material audiovisual de divulgação. Acabou se tornando o primeiro DVD ao vivo de uma banda-tributo no Brasil, resultando também em um CD ao vivo.

Texto (em telas) dos Extras:
Marcelo Abreu (contrabaixo): Abreu, como é chamado pelos amigos, arriscou seus primeiros acordes aos 15 anos, quando ganhou seu primeiro violão. Ouvindo sua banda preferida, percebeu que o que mais lhe agradava era o som grave das músicas e, graças ao Geedy Lee, decidiu tocar baixo...
Formou sua primeira banda aos 21 anos, fazendo músicas próprias e covers. Tocou também com as bandas Texas Blues e .com.br. Em 2000 tocou na Tokeloko, interpretando temas dos Beatles, e de 2001 a 2003 tocou com o lendário Mutuca e sua Hot Club Band, fazendo releituras de clássicos essenciais da história do rock, como The Doors, Roy Orbison, The Animals, Yardbyrds, entre outros.
Músicas do Creedence que mais gosta de tocar: Gosto bastante de "Have you ever seen the rain", "Lodi" e "Cotton fields".
O que costuma ouvir além de Creedence: Rush, Beatles, Rush, Led Zeppelin, Rush, Queen e Rush.

Hamilton 'Cosmo' Felix (bateria): Hamilton Felix começou a tocar bateria em 1984 e, desde então, virou "rato" de estúdio, chegando a acumular, em um mesmo período, nove bandas de estilos variados, como Lady Killer, Andy Boy and the Blue Planets, Blues Band, Sweetstash e Mutuca Hot Club Band.
Mesmo com dedicação total ao trabalho realizado na Só Creedence, é fácil encontrá-lo dando uma canja pelos bares com amigos, além de ser constantemente requisitado como músico de estúdio, tendo o som de seus tambores registrados em diversas gravações.
Músicas do Creedence que mais gosta de tocar: Gosto de "Molina", "Travellin' band" e "I put a spell on you". Acho que é uma versão definitiva pra esse blues clássico do Screamin' Jay Hawkins.
O que costuma ouvir além de Creedence: Gosto de tudo... jazz, rock, funk instrumental, bossa nova. Do rock, gosto de Jeff Beck, Beatles, Rush, Pink Floyd. Existe tanta coisa legal que é difícil dizer tudo.

Álvaro Balaca (vocal): Conhecido por seu ecletismo, Álvaro Balaca começou a cantar aos 15 anos e, aos 18 já participava de Sacrário, banda de músicas próprias influenciada por Iron Maiden e coisas mais pesadas... Sentindo necessidade de expandir o seu som, cantou em várias bandas, com um repertório que ia da MPB ao rock and roll, passando pelo reggae e pop rock, culminando com a participação em um show da Tribo de Jah em Porto Alegre.
Antes de integrar a Só Creedence fez parte da banda Mazzy.
Colecionador de discos também, forma com Rafael Cony uma dupla que pode ser considerada como uma enciclopédia musical: "volume I e volume II da história do rock".
Suas principais influências são Beatles, Deep Purple, Rainbow, Whitesnake e David Bowie.
Músicas do Creedence que mais gosta de tocar: Uma das que mais curto é "Born on the Bayou", e também "Green River", "Midnight special" e "Who'll stop the rain".
O que costuma ouvir além de Creedence: Beatles e afluentes, hard rock dos anos 70 e o pop rock dos anos 80.

Christian Iwers (guitarra solo): Dizem que quando o Christian nasceu, em vez de chorar ele saiu pela sala de parto tocando o riff de Johnny Be Good. Formou sua primeira banda ainda nos tempos de colégio, ao lado de Rafael Cony. Pura diversão e rock and roll. O passar do tempo e o interesse por instrumentos musicais fizeram de Christian um dos mais importantes e conceituados luthiers de Porto Alegre, especializado na recuperação de instrumentos vintage e tendo como clientes nomes consagrados da cena musical do Estado.
Músicas do Creedence que mais gosta de tocar: Todas, mas se for pra escolher algumas, fico com "Green River", "Fortunate son", "Up around the bend" e "Down on the corner".
O que costuma ouvir além de Creedence: Sempre ouvi muito blues e rock and roll dos anos 60. Chuck Berry, Johnny Winter, Elvis, ZZ Top, Rod Stewart, principalmente na fase dos Faces. É isso: rock and roll, blues e música country.

Rafael Cony (guitarra base e violão): Rafael, ao lado de Christian e Hamilton, é um dos fundadores e membros originais da Só Creedence.
Praticamente nasceu ouvindo rock and roll e, apesar de ter um gosto eclético que vai do erudito ao jazz, é realmente o rock que faz sua cabeça. Colecionador de discos, tem em sua discoteca uma infinidade de raridades e bandas desconhecidas dos anos 60 e 70 distribuídos em mais de 2 mil cds. Sua primeira banda, ainda na adolescência, foi ao lado de Christian Iwers, amigo de infância e de colégio, onde faziam covers de temas clássicos do rock and roll. De 1998 a 2001 manteve a banda Cães de Aluguel.
Além de músico, é designer e publicitário, trabalhando na criação e produção de capas de discos. É quem responde pela imagem e divulgação da Só Creedence.
Músicas da Creedence que mais gosta de tocar: Uma das músicas que mais gosto de tocar é um cover que o Creedence fazia: "My baby left me", gravada no Cosmo's factory. Muita gente pensa que essa música é do Elvis, mas na verdade até ele fez cover. O autor é Arthur 'BigBoy' Crudup. Gosto muito de "Green River", "Midnight special", "Susie Q" e "Fortunate son".
O que costuma ouvir além do Creedence: De rock nacional, gosto de Garotos da Rua e Ultraje a Rigor, sem esquecer do Rauzito... Além dos clássicos Stones e Beatles, curto muito The Band, The Who, Fever Tree, Allman Brothers, ZZ Top, Flying Burrito e bandas psicodélicas do final dos anos 60.

Ficha técnica


IDENTIDADES
Só Creedence:
Hamilton 'Cosmo' Felix (bateria),
Marcelo Abreu (baixo),
Rafael Cony (guitarra, violão),
Christian Iwers (guitarra),
Álvaro Balaca (voz).
Participação especial: Rafael P. Lima (sax).

DIREÇÃO
Direção: André Trindade.

PRODUÇÃO
Produção: Álvaro Balaca, Christian Iwers, Rafael Cony.
Produção executiva: Otávio Duarte.

FOTOGRAFIA
Operação de câmera: André Trindade, Leonardo Aguiar, Julio Pereira.
Auxiliares: José Pedro dos Santos, José Enio Chaves 'Zé da Grua'.

SOM
Operação de áudio e técnico de gravação: Francisco Gonçalves Alves.

MÚSICA
Faixas:
01. "Born on the Bayou" (música, letra: John Fogerty)
02. "Good golly miss Molly" (Robert Blackwell, John Marascalco)
03. "Susie Q" (Dale Hawkins, Eleanor Broadwater, Stanley Lewis)
04. "Green River" (música, letra: John Fogerty)
05. "Who'll stop the rain" (música, letra: John Fogerty)
06. "Have you ever seen the rain" (música, letra: John Fogerty)
07. "Lookin' out my back door" (música, letra: John Fogerty)
08. "My baby left me" (música, letra: Arthur Crudup)
09. "Hello Mary Lou" (música, letra: Gene Pitney)
10. "Long as I can see the light" (música, letra: John Fogerty)
11. "Bad moon rising" (música, letra: John Fogerty)
12. "The Midnight special" (american folk song). Arr.: John Fogerty
13. "Proud Mary" (música, letra: John Fogerty)
14. "I heard it through the grapevine" (Barrett Strong, Norman Whitfield)
15. "Commotion" (música, letra: John Fogerty)
16. "Run through the jungle" (música, letra: John Fogerty)
17. "It came out of the sky" (música, letra: John Fogerty)
18. "Ooby dooby" (Dick Penner, Wade Moore)

EXTRAS
• Telas com o texto "Creedence Clearwater Revival – O melhor do country rock", por Mutuca (ver Arquivos especiais).
• Depoimentos dos músicos da Só Creedence, falando em conjunto sobre o seu envolvimento com a banda americana original, a formação do grupo gaúcho, a repercussão junto ao público. Também são apresentados instrumentos musicais utilizados nas apresentações, bem como fotos dos shows.
Duração total: 30 min.

FINALIZAÇÃO
Edição e autoração: Luciano Trindade.
Masterização: Christian Iwers.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Gravação e finalização: Fade Vídeo Comunicação (Porto Alegre).
Estúdio de masterização: DasRoça Áudio Produções.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Ouié Movies (Porto Alegre); Mush Recordz (Porto Alegre); DasRoça Produções (Porto Alegre).
Fade Vídeo Comunicação (Porto Alegre).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos muito especiais: Cristina Pereira Lima Santos, Cyntia Hartmann, Lisia Della, Pasqua e Tatiane Abreu; Anneke e Henrique Iwers, Marquinho, Larissa e Betina Iwers, Rosamaria Montano Grünewald e Luiz Carlos Cony 'Polako'; Anthéa Montano Grünewald 'Vó Téia'; Miguel Félix e Denira Moura, Leda e Alfredo Santos.
Agradecimentos especiais: Otávio Duarte, Rafael Pereira Lima, Hugo Cesar Philipp, Rubens Oses, Cristina e a todo pessoal do Bucaneros Moto Grupo; Elgo / Gráfica Gênese; Fernanda e toda equipe do Sgt. Peppers; Luci e pessoal da Fade; e Francisco Gonçalves Alves 'Chico'.

Dedicatória: Este DVD é dedicado aos filhos Augusto, Isabelle, Lucas e Vitória.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre, gravado ao vivo no Sgt. Peppers (R. Quintino Bocaiúva, 256, Moinhos de Vento), 16 de novembro de 2004, terça-feira.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:10:57 (YouTube)
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela:
Formato de captação:
Formato de exibição: DVD
Tiragem (DVD):
Idioma (músicas): English.

DIVULGAÇÃO
Projeto gráfico e direção de arte: Estúdio M / Rafael Cony.
www.fadevideo.com.br

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa:
Contato:

OBSERVAÇÕES
Não localizada data de lançamento. A data é a de filmagem.

Grafias alternativas: Álvaro Balaca e Álvaro 'Balaca' | José Enio Lima | Francisco Gonçalves Alves 'Chico' | J. C. Fogerty
Grafias alternativas (funções): Imagens

DISCOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA

Exibições


• YouTube, desde 17 fev 2022

Arquivos especiais


Texto (em telas) dos Extras:

Creedence Clearwater Revival – O melhor do country rock.

No final dos anos 60 e princípio dos 70, quando o rock explodiu em uma variedade de estilos e correntes, surgiu o Creedence Clearwater Revival, um dos grupos mais deliciosamente naturais da era do rock. A banda aconteceu em plena febre vanguardista, quando o estilo do grupo não podia ser mais esquemático, um rock 'n' roll baseado no country blues rural. O responsável por este fenômeno foi John Cameron Fogerty, cantor, guitarrista, compositor e arranjador. As origens da banda estão na fase escolar de John, do baixista Stuart Cook e do baterista Douglas Clifford. O irmão de John, Thomas Fogerty, guitarra ritmo, completou a formação depois.
Nascidos em Berkeley, Califórnia, os irmãos tinham suas bandas: John com The Blue Velvets (que incluía Cook e Clifford) e Tom com Spider Webb & The Insects (que assinou com a Del-Fi Records, mas nunca gravou nada). Em 1959, Tom passou a ser o vocalista líder dos Blue Velvets e gravaram três obscuros singles para a gravadora Orchestra, com o nome de Tommy Fogerty & The Blue Velvets, em 1961 e 1962. Após assinarem com a Fantasy Records, mudaram seu nome para The Golliwogs (para parecerem ingleses) e gravaram seis singles.
A ascensão da música californiana, em 1966-67, muda o estilo do grupo, que no final de 67, troca mais uma vez de nome. Em junho de 68, aparece o primeiro LP do grupo, Creedence Clearwater Revival. Regravaram a música de Tom, "Walk on the water", creditada agora, aos dois irmãos, mas o êxito aconteceu graças ao single "Suzie Q" (uma cover de Dale Hawkins). O segundo álbum, Bayou Country, foi lançado em janeiro de 69 e ganhou um disco de platina. O single, tirado dele, desta vez a autoria de John, alcança o topo da parada: "Proud Mary", reconhecido como um clássico dos 45 rotações.
John nunca viveu no chamado Bayou Country, provavelmente nunca "hitched a ride on a river boat queen", contudo suas canções possuem as marcas da verossimilhança. Do LP Green River, saíram singles que venderam dois milhões de cópias como "Bad moon rising" e "Green River", ao lado da magnífica "Lodi". Uma turnê pela Europa traz mais fama e aclamações. O álbum Cosmo's factory contém três singles de ouro: "Travellin' band", "Up around the bend" e "Lookin' out my back door". O álbum vendeu três milhões de cópias e ganhou quatro discos de platina. A revista Rooling Stone nomeou Creedence como a melhor banda americana de 1969, e a Billboard colocou-os como Top Singles Artists daquele ano. O Creedence foi o segundo mais alto nome no cartaz do Festival de Woodstock.
Apesar de aparecerem indícios de um estresse interno, em dezembro de 1970, lançaram o sexto álbum, Pendulum, uma tentativa de expandir a fórmula básica, aquém das expectativas. Tom deixou a banda em fevereiro de 71, para uma carreira solo, e o trio resultante fez uma turnê internacional (que resultou no álbum Creedence – Live in Europe), mas começou a transparecer que Cook e Clifford consideravam apenas uma fachada para as aspirações de John. Depois do single "Sweet hitch-hiker", veio o último álbum da banda: Mardi gras. O Creedence acabou oficialmente em outubro de 1972.
Porém, em 1974, a banda se reuniu pela primeira vez para gravar algumas faixas do álbum de Tom, Zephyr National, e outra reunião aconteceu no seu casamento, em 79. Uma última reunião aconteceu em 83, para a festa de sua antiga escola. Tom, com problemas respiratórios, foi internado para uma intervenção cirúrgica, sendo contaminado pelo vírus do HIV. Faleceu no dia 6 de dezembro de 1991.
Stu e Doug, sem a liberação de John para o uso do nome da banda, formaram o Creedence Clearwater Revisited, e John Fogerty, numa carreira solo de grande sucesso, lançou em 2004 o mais recente disco, Deja vu (All over again).

por Mutuca Weyrauch – Pesquisador, estudioso e testemunha ocular da história do rock and roll nos últimos 50 anos. Músico e disc jockey na rádio Itapema FM (94.9), apresenta aos sábados, entre às 17 e 19h, o programa Hot Club do Mutuca. Uma verdadeira aula de história para quem gosta de rock and roll.

Carlos Eduardo Weyrauch. Porto Alegre, RS, 12 ago 1946. Taquara, RS, 13 jun 2018.
Itapema FM  não existe mais. Foi substituída por uma versão FM da Rádio Bandeirantes AM, focada em jornalismo e esportes, na mesma frequência do dial (94.9).

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Só Creedence: Ao vivo no Sgt. Peppers. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/1652/so-creedence-ao-vivo-no-sgt-peppers. Acesso em: 18 de abril de 2024.