In vino veritas (1981)

Brasil (RJ)
Longa-metragem | Não ficção
16 mm, cor, 63 min

Direção: Ítala Nandi.
Companhia produtora: Vega I Filmes Ltda.; Sky Light

Primeira exibição: Caxias do Sul (RS), Auditório do Bloco A, da UCS, 21 jan 1981, qua, 20h30

 

Primeiro longa-metragem gaúcho dirigido por uma mulher.
Depois de fazer teatro amador em Caxias do Sul – onde nasce em 4 de junho de 1942 – e participar em O Despacho (1961) no Teatro de Equipe, em Porto Alegre, Ítala Nandi muda-se para São Paulo em 1962 com o marido Fernando Peixoto. Passa a integrar o Teatro Oficina em inúmeras montagens: Quatro num quarto (1962), Pequenos burgueses (1963-64), Toda donzela tem um pai que é uma fera (1964), Os Inimigos (1966), O Rei da vela (1967). No Rio de Janeiro, pela atuação em O Sr. Puntilla e seu criado Matti (1966), direção de Flávio Rangel, recebe uma bolsa de estudos do governo francês e de novembro de 1967 a junho de 1968 vive em Paris. Em 1968, o Oficina faz apresentações de O Rei da vela em Florença, Nancy e Paris (em maio). Na volta, participa ainda de Poder negro (1968), Galileu Galilei (1969) e Na selva das cidades (1969-70); rompe em definitivo com o Oficina; anos depois publica livro sobre sua relação com o grupo.
Depois de uma ponta em O Bandido da Luz Vermelha, protagoniza diversos filmes, pelo menos seis são proibidos pela ditadura e só liberados na anistia; o mais notório é Prata Palomares, gerado por integrantes do Oficina, dirigido pelo seu companheiro na época, André Faria, pai de seu único filho, Giuliano Trinity. Com Joaquim Pedro de Andrade, retornando ao universo de Oswald de Andrade, conclui uma fascinante década dedicada ao cinema. Diversos trabalhos como atriz em novelas, séries e especiais de TV. No final dos anos 2010 é redescoberta pelo cinema destacando-se sua premiada participação em Domingo, filmado em Pelotas. Entre as narrações para curtas ou médias está o gaúcho Ave soja, santa soja (Rubens Bender, 1980, 10 min).
Além de In vino veritas, Ítala Nandi é diretora de: A Leoa vai à caça (1982?, U-Matic, 37 min) em que entrevista Leon Hirszman, e India, o caminho dos deuses (1991, lançado em VHS).

Sinopse


A partir de um histórico da formação de sua cidade natal, Caxias do Sul, fundada por imigrantes italianos em 1872, Ítala Nandi recorda sua ascendência, infância e saída definitiva aos 18 anos. Na década de 80, decide voltar e registrá-la em seu progresso. Favelas contrastam com arranha-céus. Itala descobre o que aconteceu aos homens e mulheres com quem convivia quando criança. Depoimentos discutem a situação do imigrante: falta de identidade cultural, mistura dos dialetos, religiosidade, dificuldade de conciliar estudo e trabalho. A herança arquitetônica de estilo europeu e suas adaptações gradativas. Em montagem de fotos e quadros, a história da uva no Brasil: ela chega em 1532 a Itamaracá, Pernambuco, sendo depois experimentada na Bahia, Espírito Santo, São Paulo, e finalmente no Rio Grande do Sul, com a colonização italiana. Retornando ao presente, a equipe investiga a colheita nas videiras, a vindima, tradicionalmente acompanhada por música. Os viticultores queixam-se da falta de um incentivo governamental, o que os obriga a se dedicar ao cultivo de outros produtos. Saboreando um cacho de uva, um menino cujo bisavô veio do norte da Itália descreve o seu quotidiano: estudo, trabalho na lavoura e sua paixão pela música. Itala busca informações em sua própria família. Seu pai, Massimo Nandi, foi o pioneiro responsável pela introdução no país de uvas moscato (moscato piave). Ele enfatiza o valor do vinho como complemento da refeição. Outro entrevistado explica as diferenças entre o sistema de cultivo chamado latada e o espaldera, e mostra o tipo de praga mais comum, denominado filoxera. Evoca-se o momento, na década de 30, em que muitas cantinas faliram e marcas de prestígio deixaram de existir, ante a emergente industrialização. A tendência é combatida segundo modelos previamente desenvolvidos na Itália, mediante o cooperativismo. Constatam-se as mudanças geradas a partir da Revolução de 30. Cinquenta anos mais tarde, as cooperativas comemoram bodas de ouro. Acompanhamos então o processo de industrialização da uva até a obtenção do vinho. Apesar do avanço tecnológico, certos produtores preservam métodos ancestrais, como o amassar das uvas com os pés. Ao som de gaita, a câmera desvenda o dia-a-dia dos trabalhadores de uma fábrica. A bríscola é um jogo habitual. Em visita a uma fábrica de suco de uva, onde o sistema é ainda artesanal, é constatada a diferença considerável entre os salários das mulheres e o dos homens. Outro derivado de grande consumo é o conhaque. A invasão das multinacionais na década de 70 causa novo abalo. É o que comprova o percurso pelas modernas instalações da M. Chandon, acusada pelas empresas nacionais de receber financiamento estatal em igual proporção. As celebrações e desfiles alegóricos da Festa da Uva transformam Caxias do Sul em atração turística.

Ficha técnica


IDENTIDADES
A gente de Caxias do Sul, Flores da Cunha, Garibaldi, Bento Gonçalves e Edith Pellizzari, Maria Horn, Jaime Pavianni, Padre Oscar, Eloi Sandi, Moacyr Felix, Carmem Tomasi, dr. Fenocchio, Vitalina Fronzzi, Esther Troian, Cleodes Piazza, Loraine Slomp Giron.
Não creditados: Giuliano Trinity, Massimo Nandi, Luis Andreolla, Isidoro Zorzi, Rosa Bovo, Flavio Salomoni, Mansueto Serafini Filho, Idorli Zatti, Abrelino V. Vazzatta, De Bertolli, Gabriela Coletti, Eugênio Coletti, Membros do Coro do Imigrante de Bento Gonçalves, Membros do Coro da Cooperativa Aliança de Caxias do Sul.
Arquivo (não creditados): Getúlio Vargas.
Narração-texto: Ítala Nandi.

DIREÇÃO
Direção: Ítala Nandi.
Assessoria especializada: Massimo Nandi.

PRODUÇÃO
Produção executiva: Ítala Nandi.
Assistência de produção: Luis Andreolla.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Pedro Farkas.
Fotógrafo assistente: Eduardo Poiero.

Fotografia de cena: Giuliano Trinity.

SOM
Técnico de som: Romeu Quinto Jr.

MÚSICA
Músicas:
• "Bella ciao" [hino popular dos trabalhadores italianos] por Gabriela e Eugênio Coletti (violinos), Coro do Imigrante de Bento Gonçalves, Coro da Cooperativa Aliança de Caxias do Sul
• "Asa branca" (Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira; baião-toada) por Luiz Gonzaga
• "Hino Nacional Brasileiro" (música: Francisco Manuel da Silva, letra: Joaquim Osório Duque-Estrada) por Conjunto Musical da Polícia Militar do Estado de São Paulo e Domenica Fávero Casaroto (voz)

ARQUIVO
Cenas: Getúlio Vargas, Costa e Silva, Ernesto Geisel e Festa da Uva: Fortuna [Tomazoni]; Idorli Zatti.
Painel: Aldo Locatelli.

FINALIZAÇÃO
Direção de montagem-edição: Luiz Carlos Saldanha.
Assistência de montagem: Hercília Cardillo.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Laboratórios: Líder Cine Laboratórios (Rio de Janeiro); Ilimitada Ltda.; Sky Light (Rio de Janeiro).
Estúdios de som: Nel-Son Estúdios e Laboratórios Ltda. (Rio de Janeiro); Gravações Tecnisom Ltda.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora (não creditada): Vega I Filmes Ltda. (Rio de Janeiro).
Participação [na produção]: Sky Light (Rio de Janeiro).
Patrocínio: Secretaria de Cultura, Desportos e Turismo do Estado do Rio Grande do Sul; Caixa Econômica do Estado do Rio Grande do Sul.

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Cooperativa Vitivinícola Aliança Ltda., Vinhos Santa Rosa-Chateau La Cave, Alfred Palace Hotel, Prefeitura de Caxias do Sul, Prefeitura de Garibaldi, Prefeitura de Bento Gonçalves, Escola de Enologia de Bento Gonçalves, Distribuidora de Bebidas de Bartoli Ltda..

Dedicatória: Dedico esse filme à minha mãe, a todas as mulheres e a todas as crianças.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Caxias do Sul; Flores da Cunha; Garibaldi; Bento Gonçalves.
Período: 1980.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 63 min
Metragem: 764 metros
Número de rolos:
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 16 mm
Formato de exibição: 16 mm

DIVULGAÇÃO
Cartaz: 42,4 x 59 cm. Arte: Romero Cavalcanti. Exemplar na Cinemateca Paulo Amorim (doação: G. Póvoas).

DISTRIBUIÇÃO
Certificados: Certificado de Produto Brasileiro 587 de 21.07.1982. Número do processo de entrada no Concine 3536/82. Número de registro da Embrafilme 319/82.
Classificação indicativa: 10 anos.
Distribuição: Embrafilme Empresa Brasileira de Filmes S.A. (Rio de Janeiro).
VHS: Distribuição: Rio de Janeiro: VTI, [1986].

OBSERVAÇÕES
Créditos iniciais: // Ítala Nandi in vino veritas // que poderia ser interpretado ou considerado como o título.
Massimo Nandi é pai da diretora.
Frase de anúncio: "Um filme profano – dionysio – antropofágico".
India, o caminho dos deuses (1991), exibido em Caxias do Sul, Casa da Cultura, 4, 5 jul 1992, sab, dom, 17h, 20h.

Grafias alternativas: Luis Carlos Saldanha | Ítala Nandi ou Itala Nandi [= Ittala Nandi a partir dos anos 90] | Edith Pellizari | Cleudes Piazza | Loraine Slomp | Sky Light Cinema Foto Art Ltda. (cf. créditos)
Grafias alternativas (funções): Still

BIBLIOGRAFIA
Guia de filmes – Produzidos entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 1982. Rio de Janeiro, nov 1987, p.31-32, n.82.

Noticiário:
Ítala Nandi em Caxias lança In vino veritas. Pioneiro, Caxias do Sul, 21 jan 1981, p.2, ano XXXIII, n.23.
In vino veritas, ou a verdade de Ítala Nandi. Pioneiro, Caxias do Sul, 24 jan 1981, p.6 [BN, p.5], ano XXXIII, n.25.
Ítala Nandi, atriz e cineasta. Pioneiro, Caxias do Sul, 17 abr 1982, p.25, ano XXXIV, n.115.
Anúncio. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21 ago 1982, Caderno B, p.2 [BN, p.33], ano XCII, n.135.
In vino veritas será exibido hoje. Pioneiro, Caxias do Sul, 5 jun 1984, p.16 [BN, p.23], ano XXXVI, n.149.
Ítala Nandi lança em vídeo o seu In vino veritas. Pioneiro, Caxias do Sul, 16 dez 1986, Movimento, p.1 [BN, p.15], ano 39, n.294.
In vino veritas, de Ítala Nandi ganha cópia em videocassete – O documentário-ficção da atriz e diretora caxiense ganhou cópia em videocassete, que terá seu lançamento hoje à noite, acompanhada de projeção em um telão, no Incitatus. Pioneiro, Caxias do Sul, 17 dez 1986, Movimento, p.1 [BN, p.15], ano 39, n.295.

Crítica:
AVELLAR, José Carlos. Visita à casa paterna. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 ago 1982, Caderno B, p.2 [BN, p.32], ano XCII, n.142.

Exibições


• Caxias do Sul (RS), Auditório do Bloco A, da UCS, 21 jan 1981, qua, 20h30

• Gramado (RS), 9º Festival do Cinema Brasileiro de Gramado [23-28 mar]-Fora de Concurso, Sala de Convenções do Hotel Serra Azul, 27 mar 1981, sex, 18h

• Caxias do Sul (RS), Instituto Italiano Di Cultura (Presidente Antônio Carlos, 40 / 4º andar), 7 maio 1981, qui, 21h

• Rio de Janeiro (RJ), Hotel Méridien, 10 ago 1981, seg (cabine)

• Brasília (DF), Auditório da Embaixada da Itália, 15 out 1981, qui

• Rio de Janeiro (RJ), Candido Mendes (R. Joana Angélica, 63, Ipanema),
16 ago 1982, seg, 21h (especial, debate com diretora, Luiz Carlos Maciel, Renato Borghi, Tizuka Yamasaki, Luca Daniele Biolato e Juanito de Souza Brandão)
18-22 ago 1982, qua-dom, 16h, 18h, 20h, 22h
25-29 ago 1982, qua-dom, 16h, 18h, 20h, 22h
[cf. anúncio no Jornal do Brasil, "diariamente as sessões de 20h e 22h serão regadas a vinhos e champagnes Chandon"]

• La Habana (CU), 5 Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano [dez], dez 1983

• Caxias do Sul (RS), Teatro da Casa da Cultura, 5 jun 1984, ter, 17h

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
In vino veritas. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/204/in-vino-veritas. Acesso em: 24 de abril de 2024.