A Filha de Iemanjá (1981)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Ficção
35 mm, cor, 105 min

Direção: Milton Barragan.
Companhia produtora: Teixeirinha Produções

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Victoria, 4 set 1981, sex + circuito

 

A Filha de Iemanjá é o último filme de Teixeirinha e Mary Terezinha fechando uma série de 12 longas, iniciada com Coração de luto (1967). É o único em que eles não ficam juntos no final. A personagem de Mary – uma espécie de incorporação de Iemanjá – volta para o mar deixando uma mensagem de paz e amor. Vida imita arte, como a própria Mary vai interpretar em entrevista a Rossini: "Quando eu paro para analisar vejo que realmente era o fim". Teixeirinha morreria em 1985 de um câncer, com apenas 58 anos. Há uma cena do filme, antes da apresentação no Bailão do Darcy Silva, em que os apresentadores fazem um resumo: "21 anos de carreira, milhões de discos vendidos, mais de 700 músicas gravadas de sua autoria, tornou-se o rei da música regionalista do Brasil. A mais bela acordeonista brasileira já conquistou as plateias junto ao seu rei, formando a maior dupla (...)".

A estrutura de A Filha de Iemanjá é conhecida para quem acompanhou os onze filmes anteriores. Diversos elementos narrativos se repetem. Devido a um esgotamento profissional seu médico recomenda 30 dias de férias (como em A Quadrilha do Perna Dura). Ele é viúvo e Mary se recupera em hospital (O Gaúcho de Passo Fundo). Justiça (luta, tiroteio para ao final os bandidos serem capturados, na maioria), os "20 anos" (entre a morte do pai de Maria e a atualidade), sincretismo religioso. Quanto aos nomes: Teixeirinha é Teixeirinha; Mary Terezinha é Maria, mas se tornará Mary Terezinha. Quanto aos filhos do cantor, pela quarta vez Teixeirinha Filho representa como seu irmão e pela terceira Alexandre como seu filho sempre com o mesmo nome. Também aparece a pequena Liane Ledurina. A família real e a família artística, pois estão aqui novamente Vania Elizabeth, Tia Eva, El Condor, El Cid, Zeno Ribeiro, Antonio Augusto Fagundes.
 

 

Teixeirinha

Teixeirinha Filho

Alexandre Teixeira

Pobre João

João

João jovem

João menino

Carmem a cigana

Paulo

Alex [irmão]

 

Na trilha da justiça

Alexandre

Alexandre jovem

Alexandre menino

Meu pobre coração de luto

Teixeirinha

Teixeirinha jovem

Teixeirinha menino

O Gaúcho de Passo Fundo

Teixeirinha

Victor [irmão]

Alexandre [filho]

Tropeiro velho

Teixeirinha

Osvaldo [irmão]

Alex [filho]

A Filha de Iemanjá

Teixeirinha

Victor [irmão]

Alexandre [filho]

Pela quarta vez um filme mereceu um LP com a trilha sonora e também um compacto simples. Mas as músicas não foram compostas especialmente e há três que nem estão no filme. Foram agrupadas pelas temáticas e inseridas ilustrando a história.

Sinopse


Sob os créditos (música incidental), na praia de Torres, numa pedra, Maria abre os braços em direção ao mar. Ela, a mãe e o irmão despedem-se do pai pescador, que morre no mar. Em Porto Alegre, Mãe Preta diz que Teixeirinha estava delirando, que tem que frequentar o terreiro de umbanda, desenvolver sua mediunidade, mas ele é devoto de Nossa Senhora de Fátima. O empregado Juvenal espera Vitor no Aeroporto Internacional Salgado Filho vindo de São Paulo onde fechou contrato para 12 apresentações do irmão, inclusive no exterior. Em casa, a pequena Liane pede para o pai cantar, mas ele não tem vontade. Depois de um desmaio por esgotamento de trabalho, Dr. César sugere férias ao cantor. Teixeirinha vai até agência da Apesul aplicar uma mala de dinheiro. No caminho para Torres – ele, o filho Alexandre, Vitor e Juvenal – param num lugar onde tinham estado antes com a falecida mulher. Ele canta "Velho tango". Num barco em alto-mar, bandidos abrem uma caixa que contém heroína e uma lista dos integrantes da quadrilha; chegam na praia onde mora a família de Maria. No tiroteio morrem a mãe e o irmão. Maria foge e se depara com a família de Teixeirinha. Depois de lutarem, a família retorna para Porto Alegre levando Maria para o Hospital Fêmina, e a caixa com a heroína e a lista. Os ferimentos de Maria cicatrizam muito rápido. "Só milagres explicam o que a ciência não pode", diz o médico. No quarto do hospital Maria conta sua história para Teixeirinha, que apareceu numa tina boiando na beira-mar para um pescador. O delegado Roberto está investigando o contrabando. Em São Paulo, a organização inicia a elaboração de um plano para resgatar a caixa. Na casa de Teixeirinha, a família se diverte ao redor de Maria que toca sua sanfona. Ele convida Maria para tocar junto e escolhe um nome artístico: Mary Terezinha. No estúdio da TV Pampa eles cantam "Bota desafio nisso". Liane pede para chamá-la de mamãe. No quintal, Teixeirinha canta "História de amor" e ao final ele e Mary se beijam. Na loja Imcosul, ele compra uma TV colorida para a filha. Armando designado para o plano junto com Lúcia, filha do chefe Ricardo, combinam com Vitor um show beneficente da dupla. No Bailão do Darcy Silva eles cantam "Porto Lucena" e a menina Liane é raptada pela quadrilha. Perseguição de carros pelas ruas de Porto Alegre. Os bandidos são presos. Lúcia não sabia que o pai era um bandido. Uma carta de Mary espera Teixeirinha em casa. Iemanjá lhe chama e ela voltou para o mar. Na beira-mar ela canta "Filha de Iemanjá" e desaparece. Teixeirinha chega com seu carrão branco e chama por ela, mas encontra apenas o véu azul que tinha lhe dado e canta "Rio de água". Vitor não deixa Lúcia ir embora e os dois se beijam no Aeroporto. Liane pede para o pai ir na festa de Iemanjá. Na beira-mar, de branco e camisa vermelha canta "Iemanjá". Nas águas em fusão Mary/Iemanjá. Ela se corporifica e para Teixeirinha aos prantos diz que um dia voltará "através do carinho de outro alguém. E tu me reconhecerás, pois ela te dará o mesmo amor. Que a proteção de Iemanjá esteja sempre contigo. E que as tuas canções e a tua voz continuem semeando paz e alegria. Adeus". Fusão de Mary/Iemanjá no mar.

Ficha técnica


ELENCO
Teixeirinha (Teixeirinha), Mary Terezinha (Maria, depois Mary Terezinha),
Vania Elizabeth (Rosalina, mãe de Maria), Zeno Ribeiro (Pescador-canoeiro, pai de Maria), Suely Silva (Mãe Preta), Gaúcho Alegre (Juvenal), Teixeirinha Filho (Victor), Alexandre Teixeira (Alexandre), Liane Ledurina Teixeira (Liane),
Tia Eva (Madame Magda), Luiz Martins (Vavá), Ricardo José dos Santos (Jirimum), Margareth Gustafson (Lúcia), Eugênio Scartazini (Rogério aos 26 anos), Franklin Cardoso (Rogério aos 5 anos), Walmor Guedes,
El Condor (Osmar), El Cid (Castelhano), Person A. Fontes (Dr. Ricardo), João B. Marçal (Dr. Alberto), Reverbel Boeira (Delegado federal Dr. Roberto), Renato Arnold (Arnaldo), Abel Evelly de Borba (Dr. César),
Gilberto Lima, Alventino Lopes, Arno Borges, Getúlio Martins, Angelo Prando, Vitorino Pereira,
João Castro (Capitão), Darcy Silva, Ricardo Aluízio, Gerson Valdez, Ana Paula, Conjunto Os Guapos.
Atores especialmente convidados: Darcy Fagundes (Médico do hospital), Antonio Augusto Fagundes (Paulo, delegado da Polícia Civil), Jorge Camargo, Faustino Moraes (Inspetor federal Faustino Moraes).

DIREÇÃO
Direção: Milton Barragan.
Assistência de direção e continuidade: Gina O'Donnell.
Segunda assistência de direção: Abel Evelly de Borba.

ROTEIRO
História original: Vitor Mateus Teixeira [Teixeirinha].
Adaptação e roteiro: Milton Barragan.

PRODUÇÃO
Produção: Vitor Mateus Teixeira [Teixeirinha].
Direção de produção: Rui Favalli Bastide.
Assistência de produção: Loreni Munhoz.

FOTOGRAFIA
Direção de fotografia: Guglielmo Lombardi.
Assistência de câmera: Luiz Rossi Neto.

Eletricista: Helio Martins.
Ajudante de elétrica: Alfeu Rodrigues.
Maquinista: Silvio Brum.
Ajudantes de maquinaria: Itamar Pinheiro, Vitorino Trindade Pereira.

Fotografia de cena: Erwin Rheinheimer.

ARTE
Guarda-roupa: Ana Paula.
Maquiagem: Paulo Lago Alves.

MÚSICA
Seleção de músicas incidentais: Pedro Amaro.

Músicas (ordem de inserção, não creditadas):
• "Canoeiro dos mares" (música, letra: Teixeirinha; balanceado) por Teixeirinha (voz) [LP: Menina da gaita / O Centro oeste brasileiro, 1978; faixa A2]
• "Four improvisations by the orchestra: II" (Leonard Bernstein) por New York Philharmonic Orchestra, conductor: Leonard Bernstein
• "Heaven can wait" (Grusin) por Henry Mancini and His Orchestra
• "Velho tango" (música, letra: Teixeirinha; tango) por Teixeirinha (voz) [LP: Menina Margareth / Vida e morte, 1980; faixa A2]
• "Heaven can wait" [reprise]
• "Symphony No. 8: IV. Vivace" (Vincent Persichetti) por The Louisville Orchestra, conductor: Jorge Mester
• "Symphony No. 8: I. Adagio – Allegro grazioso" (Vincent Persichetti) por The Louisville Orchestra, conductor: Jorge Mester
• "Oi! Frida" (música: Mary Terezinha; mazurca) por Mary Terezinha (acordeon) [LP: Sou gaúcha, 1978; faixa A2]
• "Bota desafio nisso" (música, letra: Teixeirinha; desafio) por Teixeirinha (voz, violão) e Mary Terezinha (voz, acordeon) [LP: Menina Margareth / Vida e morte, 1980; faixa B6]
• "História de amor" (música, letra: Teixeirinha; milonga) por Teixeirinha (voz) e Coro [LP: 20 anos de glória, 1979; faixa B3]
• "In a monastery garden" (Albert W. Ketelbey) por Royal Philharmonic Orchestra, Royal Philharmonic Chorus, conductor: Eric Rogers
• "??" instrumental por Os Guapos
• "Porto Lucena" (música, letra: Teixeirinha; vaneira) por Teixeirinha (voz, violão) e Mary Terezinha (voz, acordeon) [LP: Última gineteada / Menina que passa, 1974; faixa B5]
• "Money runner" (Quincy Jones)  
• "Symphony No. 3: II. Andante moderato" (Gustav Mahler) por New York Philharmonic, conductor: Dimitri Mitropoulos
• "Filha de Iemanjá" (música, letra: Teixeirinha; candomblé) por Mary Terezinha (voz) [LP: Amiga / A Filha de Iemanjá, 1981; faixa A1]
• "Rio de água" (música, letra: Teixeirinha; guarânia) por Teixeirinha (voz) [LP: 20 anos de glória, 1979; faixa A4]
• "Iemanjá" (música, letra: Teixeirinha; toada) por Teixeirinha (voz) e Coro [LP: 20 anos de glória, 1979; faixa B1]
• "In a monastery garden" [reprise]

FINALIZAÇÃO
Edição: Milton Barragan.
Assistência de montagem: Gina O'Donnell.

Técnico de som: Julio Perez Caballar.
Ruídos e mixagem: Orlando Macedo.

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
Película: Kodak Eastmancolor.
Laboratório de imagem (não creditado): Líder Cine Laboratórios (Rio de Janeiro).
Estúdio de som: Odil Fono Brasil (São Paulo).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Teixeirinha Produções (Porto Alegre).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Madeireira Martosil (Torres), Prefeitura Municipal de Torres, Simpala Veículos S.A., SPAL Indústria Brasileira de Bebidas, Dr. Osvaldo Barcelos da Silva, A Brasileira Barth e Cia., Hospital Fêmina, TV Pampa Canal 4, Secretaria de Cultura, Desporto e Turismo RS, Comando Geral da Brigada Militar, Serviço de Relações Públicas da Polícia Civil, Aerotécnica Gema Ind. e Com., Nautisul Comércio e Importação, Bailão do Darcy Silva, Sociedade de Umbanda Religião Africana Ogum Megê e Oxalá, à s. exa. deputado Nelson Marchezan (ARENA), digníssimo presidente da Câmara Federal, que sem o seu entusiasmo e intermediação decisiva, não teria sido possível a realização deste filme, a nossa mais profunda gratidão.

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre; na praia de Torres.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:45:13 (DVD)
Metragem: 2.898 metros
Número de rolos: 10 rolos
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 35 mm
Formatos de exibição: 35 mm
Tiragem (DVD): AA001000.

DIVULGAÇÃO
Lobby card: 20,9 x 30,9 cm, cor. Quatro exemplares diferentes na Coleção G. Póvoas + 29,9 x 39,8 cm, cor. Quatro exemplares diferentes na Coleção G. Póvoas.
Cartaz 1: 93,3 x 62,3 cm. Desenho: Mascarenhas. Exemplar na Cinemateca Brasileira.
Cartaz 2: 56,5 x 39,5 cm. Desenho: Mascarenhas.
Release: Quatro laudas datilografadas com informações gerais, ficha técnica, elenco e sinopse.

DISTRIBUIÇÃO
Certificados: CPB n.507, em 21 ago 1981. // CCF: Livre, em 14 dez 1981. // EMB: 323/81. // PC: 4902/81.
Classificação indicativa: Livre.
Distribuição: Embrafilme Empresa Brasileira de Filmes S.A. (Rio de Janeiro).
DVD: Distribuição: Fundação Teixeirinha DRS2691. Autoração: 21 nov 2012. Sem extras nem encarte. Produção: Teixeirinha Produções Artísticas. Recuperação: Fundação Vitor Mateus Teixeira. Patrocínio BR Petrobras. Lei de Incentivo à Cultura / Ministério da Cultura / Governo Federal; Fundação Teixeirinha. Capa: adaptação do cartaz original.
DVD disponível no IECINE.
Contato: Fundação Vitor Mateus Teixeira.

OBSERVAÇÕES
As nove músicas pertencentes a diversos discos – não creditadas no filme – foram reunidas no LP com a trilha sonora.
Dos 12 filmes estrelados por Teixeirinha, apenas este e Na trilha da justiça não foram lançados comercialmente em VHS.

Grafias alternativas: M. Barragan | Abel Borba (ator) e Abel Evelly de Borba (segunda assistência de direção) | Julio Cabalar | Liane L. Teixeira | Victor Teixeira Fº | Ervim Rheinheimer (cf. créditos) | Orlando Macedo [de Oliveira] | Alfeu [Paieiras] Rodrigues | Silvio [Mozart] Brum | Itamar [Silveira] Pinheiro
Grafias alternativas (funções): Maquilador | Música incidental

DISCOGRAFIA
LP: A Filha de Iemanjá – Trilha sonora do filme. Contracapa com sinopse e texto sobre o filme. Das 12 faixas, três não estão no filme: A5 "Quase pequei" + A6 "Ela tornou-se freira" + B5 "Canarinho cantador".
K-7: A Filha de Iemanjá – Trilha sonora do filme.
Compacto simples: A Filha de Iemanjá – Trilha sonora do filme.
Ver Discografias: Teixeirinha + Mary Terezinha.

BIBLIOGRAFIA
Guia de filmes – Produzidos entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 1981. Rio de Janeiro, ago 1985, p.40, n.81.
Cinema gaúcho – Anos 80: um olhar sobre a década. Porto Alegre: Secretaria Municipal da Cultura, Associação Profissional dos Técnicos Cinematográficos do Estado do Rio Grande do Sul-APTC-ABD-RS, 1991. 28p. il.
ROSSINI, Miriam de Souza. Teixeirinha e o cinema gaúcho. Porto Alegre: FUMPROARTE-Secretaria Municipal da Cultura-Prefeitura de Porto Alegre, 1996. 238p. il.
LOPES, Israel. Teixeirinha – O gaúcho coração do Rio Grande. Porto Alegre: EST Edições-Fundação Vitor Mateus Teixeira, 2007. 215p. il.
FEIX, Daniel. Teixeirinha – Coração do Brasil. Porto Alegre: Diadorim Editora, 2019. 249p. il.

Noticiário:
Teixeirinha suspende filme, fecha produtora e acusa a Embrafilme de não o ajudar. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 4 abr 1980, p.18 [BN, p.19], ano LXXXIX, n.358.
O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 abr 1981, p.31.
Zero Hora, Porto Alegre, 3 set 1981.
Uma dupla de sucesso: Teixeirinha e Iemanjá. Correio do Povo, Porto Alegre, 6 set 1981.
LUCA, Luiz Gonzaga A. de. Sr. Editor. Jornal de Caxias, Caxias do Sul, 8 set 1981, p.25 [BN, p.22], ano 9, n.447.
GOIDA. Teixeirinha não se emenda. Zero Hora, Porto Alegre, 17 set 1981, crítica reproduzida em Nas primeiras fileiras, 1998, p.106-107.
O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 dez 1981, p.50.
O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 dez 1981.
Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 dez 1981.
BECKER, Tuio. Teixeirinha e o precário cinema gaúcho. Filme Cultura, Rio de Janeiro, ago-out 1982, p.42-43, n.40.
Teixeirinha mudando de rumo. Pioneiro, Caxias do Sul, 14 set 1982, p.16 [BN, p.14], ano XXXIV, n.219.

Exibições


• Porto Alegre (RS), Victória, 4-10 set 1981, sex-qui

• Porto Alegre (RS), Real, 4-10 set 1981, sex-qui

• Porto Alegre (RS), Roma, 4-10 set 1981, sex-qui

• Porto Alegre (RS), Miramar, 4-10 set 1981, sex-qui

em 9 out 1981

• Caxias do Sul (RS), Cine Teatro Real,
4-10 set 1981, sex, 20h15, sab, dom, 19h30, 21h30, seg-qui, 20h15
11-17 set 1981, sex, 20h15, sab, dom, 19h30, 21h30, seg-qui, 20h15
18-24 set 1981, sex, 20h15, sab, dom, 19h30, 21h30, seg-qui, 20h15


• Galópolis (RS), Cinema Operário, 21, 22 ago 1982, sab, dom, 20h30

• Caxias do Sul (RS), Cine Imperial,
10-16 set 1982, sex, 20h15, sab, 19h30, dom, 14h, 19h30, 21h30, seg-qui, 20h30
17 set 1982, sex, 20h15


• Caxias do Sul (RS), Cine Imperial,
19-21 fev 1985, ter-qui, 20h30
22-28 fev 1985, sex, 20h30, sab, 19h30, 21h30, dom, 14h, 19h30, 21h30, seg-qui, 20h30

• Porto Alegre (RS), 10 anos sem Teixeirinha [5-10 dez], Cinemateca Paulo Amorim-Sala Eduardo Hirtz, 8 dez 1995, sex, 15h

• Gramado (RS), 27º Festival de Gramado – Cinema Latino e Brasileiro [9-14 ago]-Mostra Paralela,
Centro Municipal de Cultura Prefeito Arno Michaelsen (R. Leopoldo Rosenfeld, 818)-Teatro Elisabeth Rosenfeld, 11 ago 1999, qua, 14h30
Várzea Grande, 12 ago 1999, qui, 20h

Arquivos especiais


Jornal de Caxias, Caxias do Sul, 8 set 1981, p.25 [BN, p.22], ano 9, n.447, publica fac-símile de telegrama a seguir:

Sr. Editor,
Tendo em vista as diversas notícias que estão circulando nos meios de comunicação desta cidade, em referência à produção de A Filha de Iemanjá, de Teixeirinha, gostaríamos de informar:
1. A produção do filme foi realizada exclusivamente com recursos do referido produtor.
2. A Embrafilme não financiou nem tampouco é coprodutora.
3. Distribuição nacional e internacional do filme é exclusiva da Embrafilme.
4. Por conta desta operação, citada no item 3, a Embrafilme adiantou recursos a título de adiantamento sobre futuras rendas do filme.
5. Este adiantamento, cobriu os prêmios adicionais, de renda líquida de bilheteria, a que o produtor tinha direito.
6. A partir do adiantamento, o produtor cedeu também os direitos de distribuição, regionalizado, do Meu pobre coração de luto, O Gaúcho de Passo Fundo, Na trilha da justiça, e Tropeiro velho.
Atenciosamente, 
Luiz Gonzaga A. de Luca, Dept. de Promoção e Propaganda-Embrafilme.

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
A Filha de Iemanjá. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/208/a-filha-de-iemanja. Acesso em: 22 de fevereiro de 2024.