Drácula e a alma de Guapa (2005)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Ficção
VHS, cor, 125 min

Direção: Augusto Biglia, Alex Giovani Simão.
Companhia produtora: AGS Produções

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Projeto Raros, Sala P. F. Gastal, 20 maio 2005, sex

 

Aos 80 anos Augusto Biglia produz, codirige e protagoniza Drácula e a alma de Guapa gravado em VHS. Ele criou o personagem para o teatro onde se apresentou dezenas de vezes e este filme acaba sendo um raro registro do icônico ator de Viamão. Augusto Biglia, nascido em Porto Alegre em 1924?, trabalhou como ponto em diversas companhias teatrais, viajando pelo Brasil. Estabelecido em Viamão, na década de 60 montou e manteve por vários anos um pequeno cinema na Vila Elza. Em 1973, produz o primeiro filme do município – Bandoleiro – que hoje faz parte do acervo do Museu Hipólito. Em Viamão lutou muito para a criação de um teatro na Casa da Cidadania, que não existe mais. Em 2003 recebe o título de Cidadão Viamonense. Faleceu em 5 de abril de 2009, aos 85 anos, vítima de infecção generalizada, deixando uma filha, três netos e um bisneto. O filme tem a participação do ícone do cinema gaúcho, aliás, também conhecido – modestamente – como o "Wilson Grey do cinema gaúcho", o querido e saudoso David Camargo – um dos atores recordistas do audiovisual local (a maioria em curtas).

Drácula e a alma de Guapa é candidato a culto. Mesmo tendo sido exibido numa mostra apropriadamente chamada Raros, até ser disponibilizado no YouTube este filme era uma incógnita. Na verdade, continua sendo. A história – bastante confusa – mistura Drácula em Viamão atrás de sua Elizabeth, indo parar na cidade de São Gabriel onde encontra Guapa. Maria Isabel Hornos, a Guapa, era dona de um bordel, linda, elegante, charmosa e desejada por todos os homens da cidade, nasceu no Uruguay em 15 de junho de 1897, chegando a São Gabriel na década de 20, estabelecendo-se na Avenida Dr. Celestino Cavalheiro, com uma pensão de mulheres. Além da beleza incomparável, Guapa carregava em seu coração uma bondade rara até no mais puro ser humano. Estava sempre rodeada de crianças tentando agradá-las da melhor maneira possível. Aos carentes sempre que podia fazia doações de alimentos e roupas usadas. (...) era exímia tocadora de gaita e trovadora das mais respeitadas. Na noite de 3 de março de 1924, quando Guapa estava se enfeitando diante do espelho para ir a um baile de carnaval, recebeu alguns tiros nas costas, desferidos da rua através da janela, por um cabo dos Provisórios do Exército. Segundo comentários da época, foi a mando de uma rica estanceira gabrielense, cujo marido teria um romance com a castelhana. O culpado ficou impune, pois o crime teria sido "encomendado". (Texto: "Guapa", a santa do povo. vivasaogabriel.blogspot.com/2011/02/guapa-santa-do-povo.html, 16 fev 2011.)

A primeira parte se passa em Viamão. O vampiro que surge da mistura de suas próprias cinzas com o sangue de uma jovem é um Drácula envelhecido, que quando inicia um de seus vários monólogos esquece as falas, esquece até mesmo o personagem, improvisa para lugar nenhum, mas é um Drácula gentil, doce e patético, que beija fraternalmente as jovens que vai encontrando, passa a mão sobre seus cabelos, oferece o guarda-chuva para uma ou a capa para proteger do frio a outra. Durante sua transformação de cinzas em vampiro a música de fundo é "Kashmir" interpretada pelo Led Zeppelin! Uma versão instrumental de "Let it be" funciona como leitmotiv musical e acentua aquele caráter terno e cafona do vampiro. Há ainda faixas da trilha sonora de 1492 – A conquista do paraíso (Ridley Scott, 1992), todas devidamente não creditadas e não autorizadas.

É um Drácula obcecado em encontrar sua Elizabeth e por isso todas as jovens que vão passando pelo seu caminho se chamam Elizabeth.... Por que Drácula vai para São Gabriel? Como ele fica sabendo da história de Guapa? A segunda parte se passa nesta cidade, basicamente em duas locações: na Praça Dr. Fernando Abbott em frente à Igreja-matriz no Centro e depois no cemitério em torno do túmulo da Guapa. Na Praça está o obelisco "em cujo pináculo aparece majestosamente a imagem do Arcanjo Gabriel, em tamanho natural. No pedestal consta em placas de bronze as seguintes inscrições: "Homenagem do povo gabrielense ao seu padroeiro". / "Monumento construído na gestão do prefeito general Gastão Pereira dos Santos – Novembro de 1962". / "Luiz Monschen – Desenhista". (FIGUEIREDO, Osório Santana. História de São Gabriel, APUD vivasaogabriel.blogspot.com/search?q=monumento+padroeiro, 14 fev 2011). No filme há plano-detalhe das placas (mas não dá para ler, pelo menos nesta cópia do YouTube). A longa sequência com cerca de 10 minutos em que Drácula contracena com Elizabeth (Alice) vira mais um daqueles monólogos improvisados em que a conversa gira em torno da espiritualidade sendo que antes a jovem rezava na igreja católica para o santo, agora enaltecem o monumento ao santo seguindo-se na parte final o encontro do vampiro com Guapa no cemitério: é aquele sincretismo religioso ignorante que caracteriza segmentos da cultura popular de massa no Brasil. Interessante este deslocamento de Viamão para São Gabriel, distantes cerca de 340 km.

No meio da segunda parte o filme tem a ousadia de incluir dois flashbacks: um é aquele que reproduz a mandante Fazendeira contratando o Matador para matar Guapa, em 1924; o segundo flashback volta mais atrás no tempo, em 1847, supostamente em algum país da Europa reproduzindo o momento em que Elizabeth recebe a falsa carta, suicida-se e Drácula retorna. O roteiro é lacunar, contraditório, incoerente, ingênuo como os filmes do gênero, amador e naïf, sem noção básica de gramática audiovisual; longos planos-sequências mal enquadrados, de composição duvidosa, e quando há cortes, são em descontinuidade; frequente falta de foco; som que capta o que não deveria; em dois momentos aparece na imagem inferior direita a hora em que foram gravados os planos, claramente um esquecimento do operador de câmera, e assim ficou. Isso tudo é o charme do filme.

Augusto Biglia está no elenco de A Quadrilha do Perna Dura (1976) como um dos bandidos e em Domingo de Grenal (1979), ambos de P. Dias.

Sinopse


Mina termina o seu noivado com Jonathan Harker, que vai embora arrasado.
Em cemitério, o Mordomo derrama sangue de uma jovem nas cinzas do príncipe Wladimir Drácula, que se materializa. À noite, Drácula morde uma mulher. No dia seguinte sai do cemitério com outra jovem.
Na sala de uma casa, um homem apresenta-se como Narrador da história.
No seu castelo, numa espécie de jardim-estufa, sem telhado, Drácula encontra jornalista mascarada que veio para o baile. Ela conhece a lenda e explica que Elizabeth suicidou-se depois de receber a falsa notícia de que seu amado Drácula tinha morrido. Quando este volta faz a promessa de viver séculos até encontrar a alma de sua esposa encarnada em outro corpo. Os dois dançam.
Numa casa, pai aguarda a filha Olga que chega, está preocupado pois estão falando de vampirismo e que existe um anormal matando pessoas. Noutra casa, crianças contam que viram mulher com buquê de rosas saindo do cemitério.
No cemitério, Drácula conversa com uma amiga e chega David; ele conta que o professor Van Helsing está à procura de vampiros.

Carro numa estrada. Em São Gabriel, jovem de branco (Alice) no interior da Igreja Matriz (Paróquia do Arcanjo São Gabriel). Depois, na Praça Dr. Fernando Abbott, Drácula vai ao seu encontro. Ele questiona se ela não seria Elizabeth. Drácula vai até o Conservatório e pede para a Professora de piano tocar uma música.
Letreiro: // Voltamos a 1924 quando a fazendeira contratou o Matador para eliminar Guapa. //
Flashback: A Fazendeira contrata o Matador (César, apelido Cigano) para matar a Guapa, a rainha do cabaré da cidade. / Matador mata Guapa.
Letreiros: // Em 1847 Elizabeth, a esposa de Wladimir Drácula suicidou-se. Sua alma encarnou em Guapa (Maria Isabel Hornos), resumindo: Elizabeth e Guapa são a mesma pessoa! // Drácula que nunca morre //.
Flashback: Elizabeth contempla o retrato de Drácula. Chega carta que diz que na última batalha ele morreu como um herói. Ela suicida-se atirando-se do primeiro andar. Drácula chega e ela está morta.
No cemitério aparece o Narrador. Drácula conversa com João e conta do encontro com Alice no outro dia. João diz que ela é falecida há muitos anos. Drácula vai até o túmulo de Guapa. Quando está indo embora, Guapa se materializa. Depois de longo monólogo, Drácula diz "Eu te amo Guapa. Eu te amo Guapa. Eu te amo". Abraçam-se na frente do túmulo.

Ficha técnica


ELENCO
Augusto Biglia (Drácula),
Maria Gabriela (Guapa),
Márcia (Elizabeth), Carla Sthutz (Elizabeth), Angélica (Elizabeth), Priscila (Elizabeth), Cristiane (Elizabeth), Michelle (Elizabeth), Mariane (Elizabeth), Alice (Elizabeth),
Miguel Moreno (Detetive / Cigano),
Maura (Governanta),
Thiago (Jonathan),
Adelaide (Condessa Batore),
Luciane (Camile),
Jorge Vater (Mordomo),
Arilson (Sec. Governo),
Cezar (Delegado),
Mirian (Fazendeira),
David Camargo (Narrador),
João Bueno (Historiador).
Músicos: Beto Faria (Violeiro), Neto do Camboim (Gaiteiro), Cristiane (Cantora), Paulinho (Cantor), Jhonas (Cantor), Ilson (Violão).
Participação: Pai, Filha, Fazendeira, Crianças, Professor Van Helsing, Funcionário do cemitério, Moça no cemitério, Noiva no cemitério, Jorge Welber, Paulinho, Professora e Aluna de piano e o resto da gauchada...

DIREÇÃO
Direção: Augusto Biglia, Alex Giovani Simão.

ROTEIRO
Roteiro: não creditado.

PRODUÇÃO
Produção: Augusto Biglia, Miguel Moreno, Beto Faria, Cláudio, Silvio.

FOTOGRAFIA
Operação de câmera: Alex Giovani Simão, Cláudio.

SOM
Som: não creditado.

MÚSICA
Trilha sonora: Jacqueline Ferraz De Lima.

Músicas (ordem de inserção, não creditadas):
• "Let it be" (John Lennon, Paul McCartney) [instrumental]
• "Kashmir" (John Bonham, Robert Plant, Jimmy Page) por Led Zeppelin
• "Lago dos Cisnes (A Chegada do Cisne)" (Tchaikovsky) por Orquestra Sinfônica Românticos de Cuba [LP: Orquestra Sinfônica Românticos de Cuba. Clair de lune; faixa B3]
• "Light and shadow" (Vangelis) por Vangelis [CD: Vangelis. 1492 – Conquest of Paradise – Music from the original soundtrack. 1992; faixa 05/12]
• "Hispanola" (Vangelis) por Vangelis [CD: Vangelis. 1492 – Conquest of Paradise – Music from the original soundtrack. 1992; faixa 09/12]
• "Conquest of paradise" (Vangelis) por Vangelis [CD: Vangelis. 1492 – Conquest of Paradise – Music from the original soundtrack. 1992; faixa 02/12]
• "Unchained melody" por The London Studio Orquestra [Álbum: Cinemúsica, vol. 1]

FINALIZAÇÃO
Edição: Alex Giovani Simão.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: AGS Produções (Viamão).

AGRADECIMENTOS
Agradecimentos: Prefeitura de Viamão (em especial ao sr. prefeito Alex), Secretaria de Cultura e funcionários; Prefeitura de São Gabriel, secretária de Cultura, comandante da Guarnição do Exército, Cemitério, amigos do bar e comunidade em geral; comunidade de Itapuã, Jornal da Vila Elza Fala Aí, jornal Tribuna de Viamão (em especial ao sr. Paulo Correa), jornal Correio Rural (Viamão) e veículos de comunicação em geral; Camboim e sua esposa Ilza; e a todas as pessoas que colaboraram para a realização deste filme.

FILMAGENS
Brasil / RS, em
Viamão;
São Gabriel, em locações como: Igreja Matriz (Paróquia do Arcanjo São Gabriel); Praça Dr. Fernando Abbott; interior do sobrado construído em 1826 por um casal de açorianos, que abriga o Conservatório de Música Iza Meyer e a Biblioteca Pública Municipal Ambrosina Spencer; Cemitério São Gabriel.

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 125 min
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela:
Formato de captação: VHS
Formato de exibição:

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa:
Contato:

OBSERVAÇÕES
Alex Sander Alves Boscainni (prefeito Viamão, PT, dois mandatos: 2005-2008 e 2009-2012).

A história de Maria Isabel Hornos é abordada no episódio 03/10 da temporada 04/12 da série Histórias extraordinárias (RBS TV, 3 abr 2004): Guapa, uma santa prostituta (Cristiano Trein).

Título: Créditos iniciais em roll: // Augusto Biglia e Alex Giovani Simão apresentam A Verdadeira história de Guapa – "Drácula e a alma de Guapa" // Ou seja, não fica 100% claro se o título é A Verdadeira história de Guapa – Drácula e a alma de Guapa ou apenas a segunda parte como apresentado no projeto Raros.
Grafias alternativas: Davi Camargo (cf. créditos).

BIBLIOGRAFIA

Exibições


• Porto Alegre (RS), Projeto Raros, Sala P. F. Gastal, 20 maio 2005, sex

• YouTube, disponível, versão como: A Verdadeira história de Guapa e com 65 min

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
Drácula e a alma de Guapa. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/393/dracula-e-a-alma-de-guapa. Acesso em: 12 de abril de 2024.