A Jornada de Josué (2011)

Brasil (RS)
Longa-metragem | Não ficção
DVD, cor, 90 min

Direção: Deisi Fanfa.
Companhia produtora: UPF TV

Primeira exibição: Passo Fundo (RS), 14ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo [22-26 ago], 26 ago 2011, sex

 

Josué Guimarães foi o primeiro autor a dar respaldo à ideia de se fazer um encontro entre leitores e escritores em Passo Fundo. Sem narração, 28 depoimentos de escritores, pesquisadores, amigos, familiares, os quais tratam de sua vida jornalística, política e literária, ressaltando também a importância como formador de leitores. A narrativa é articulada seguindo a cronologia dos acontecimentos da vida do biografado. Uma rara entrevista concedida a José Antonio Pinheiro Machado em 1984 vai conduzindo e intercalando-se com os depoimentos. São entrevistados Marília, Elaine e Jaime, filhos do primeiro casamento em 1940 com Zilda Marques (a quarta filha, Sonia, não aparece). Com Nydia Moojen Machado nascem Rodrigo e Adriana (Rodrigo Guimarães que envolveu-se com animação nos anos 80 também não aparece no documentário). Entre outros entrevistados está a nata da literatura e crítica gaúchas: Verissimo, Scliar, Luft, Remédios, Zilberman, Bordini, Saraiva. É de Maria Luiza Remédios o depoimento mais emocionado e que praticamente encerra o filme: "Falar de Josué Guimarães hoje é falar de boa literatura".

Sinopse


Josué Guimarães (over): "Quando eu comecei em jornal com 17 anos, não pensava naquela época em ser escritor por exemplo. Eu queria escrever mas eu transferi tudo para o jornalismo". // Josué Marques Guimarães nasceu em São Jerônimo em 7 de janeiro de 1921. Foi rádio-ator, ilustrador, jornalista, político e escritor. Casou-se duas vezes, teve seis filhos. Morreu em 23 de março de 1986 com 65 anos. Esta é a sua jornada. // Capas de seus livros. "Os Tambores silenciosos eu escrevi em 18 dias. Camilo Mortágua eu escrevi num mês e dez dias". Cadernos com os originais. Óculos, máquina de datilografia marca Triumph. Maria da Glória Bordini lê um trecho de Enquanto a noite não chega [1978]; destaca o ritmo literário e a habilidade linguística. Ele diz que não gosta de fazer revisão, enviando os originais de primeira para o editor. Luis Fernando Verissimo destaca que alguns achavam que ele não era um grande romancista. Para Joel Rufino dos Santos ele é mais que um escritor, é um legítimo intelectual. Moacyr Scliar lembra do primeiro encontro em 1961 quando o convida para integrar a primeira antologia de contos do estado, Nove do sul. Para Verissimo é uma amizade herdada pois ele era muito amigo do pai Erico. A viúva Nydia e os filhos trazem dados familiares: o pai era telegrafista da Viação Férrea e se torna pastor leigo da Igreja Episcopal Brasileira; Josué só começa a falar aos 3 anos; escrevia peças de teatro no ginásio. Vai para o Rio de Janeiro [em 1939] e inicia carreira de jornalista na revista O Malho entre outras publicações. Ele se considera um animal essencialmente político, em termos sociais. Em 1951 é chefe de gabinete de João Goulart quando este era secretário de Justiça do RS; neste ano é eleito vereador em Porto Alegre pelo PTB. // 1952 – Josué, vereador e líder da bancada pelo PTB, faz parte da primeira delegação de brasileiros a visitar China e URSS. Josué viajou como correspondente internacional do jornal Última Hora. // Após desentendimento termina o mandato pelo PSB e nunca mais se envolve com política partidária. Trechos do documentário Jango (velório de Getúlio Vargas em 1954). Gervásio Neves lembra Clarim em 7 dias, semanário satírico em que era o diretor-secretário, em 1956. A partir de 1964 precisa viver na clandestinidade, vive fugindo, escondido, primeiro em Santos e depois em São Paulo. Neste período – até 1969 quando é descoberto – é sócio do cineasta Jorge Ileli numa livraria e escreve para vários periódicos com o pseudônimo de Samuel Ortiz. Continuando seu auto-exílio vive em Lisboa entre 1974 e 1976; nos dois anos escreve quatro livros e com Roberto Silva lança o tablóide satírico Chaimite. Com sua saída da José Olympio Editora passa a ser publicado pela recém-criada L&PM, de Porto Alegre. Antes, em 1969 é premiado no II Concurso Nacional de Contos do Paraná promovido pela FUNDEPAR pelos três contos enviados, integrados no primeiro livro Os Ladrões (1970). Todos os seus livros estão marcados por um posicionamento político. Trechos da série A Ferro e fogo. Juracy Saraiva coloca que sua obra recupera o que a história oficial apaga. Como Josué e Erico fazem romances históricos, por isso são identificados. A Ferro e fogo é uma das obras mais importantes, mais artísticas sobre a saga dos imigrantes alemães do RS, enfatiza Juracy. Ele se interessa sobremaneira pelo episódio dos Mucker; planeja uma trilogia, que não conclui. Os Tambores silenciosos [1977] tem repercussão nacional. Fotografia dele dando o último ponto de Camilo Mortágua [1980]. É tarde para saber [1977] faz sucesso entre a juventude. Ivan Pinheiro Machado – com a autorização de Nydia – em nova reedição reintitula Amor de perdição [1986] como Garibaldi & Manoela: uma história de amor [2002]. O título igual ao do conhecido livro português de Castelo Branco sempre causava confusão. Ivan finalmente publica As Muralhas de Jericó [2001] que permanecia inédito desde a viagem 'comunista' de 1952. Pega pra kaputt! [1978] é escrito por quatro autores, cada um escrevia um capítulo e passava para o outro. Os lançamentos de seus livros são sempre um acontecimento. Em contrapartida àqueles que consideram o texto mais jornalístico, Zilberman afirma que há um "cuidado literário". Por conta de visitas de Josué a familiares em Passo Fundo, a professora Tania Rösing o convida para organizar com ela a I Jornada de Literatura Sul-rio-grandense (11-15 ago 1981, conforme um cartaz) seguida pela I Jornada Nacional de Literatura Brasileira e II Jornada de Literatura Sul-rio-grandense (1983). Josué coordena os debates com humor e celebração. Como homenagem, a UPF em parceria com IEL, cria o Concurso de Contos Josué Guimarães, e organiza o acervo sob sua guarda desde 2007. Maria Luiza Remédios: "Falar de Josué Guimarães hoje é falar de boa literatura". A família compra uma casa em Canela na Av. do Parque esquina R. Josué Guimarães, o que ele teria odiado, segundo Nydia.

Ficha técnica


IDENTIDADES
Arquivo: Josué Guimarães, José Antonio Pinheiro Machado.
Ordem de identificação: Maria da Glória Bordini (crítica literária), Sergius Gonzaga (professor), Lya Luft (escritora), Ivan Pinheiro Machado (editor da L&PM), Paulo Lima (editor da L&PM), Regina Zilberman (pesquisadora), Luis Fernando Verissimo (escritor), Maria Luiza Remédios (pesquisadora), Joel Rufino dos Santos (escritor), Moacyr Scliar (escritor), Nydia Guimarães (viúva), Ignácio de Loyola Brandão (escritor), Adriana Guimarães (filha), Jaime Guimarães (filho), Marilia Guimarães (filha), Elaine Guimarães Gerhardt (filha), Gervásio Neves (professor), Nino Machado (sobrinho da Nydia), Edgar Vasques (ilustrador), Sérgio Caparelli (escritor), Juracy Saraiva (pesquisadora), Caio Ritter (escritor), Tania Rösing (coordenação das Jornadas Literárias), Altair Martins (Prêmio Josué Guimarães), Monique Revillion (Prêmio Josué Guimarães), Marcelo Canellas (Prêmio Josué Guimarães), Miguel Rettenmaier (coordenação AL JOG-UPF), Luís Dill (escritor).
Figuração: Sérgio Toscan.
Arquivo: Mauricio de Sousa, Ariano Suassuna, Ziraldo, Chico Buarque, Jostein Gaarder.

DIREÇÃO
Direção: Deisi Fanfa.

ROTEIRO
Roteiro: Miguel Rettenmaier.
Transcrição dos depoimentos: Diogo Rufatto, Elisângela de Britto Palagen, Patrícia Ritter.

FOTOGRAFIA
Operação de câmera: Charles Balbinot, Claiton Abreu, Moacir Prestes, Gilmar Lima.

Abertura:
Fotografia: Fabiana Beltrami / AGECOM-UPF.
Iluminação: Leonardo Gobbi.

MÚSICA
Trilha musical original: Gérson Werlang.

Músicas:
• "A Visita" (Gérson Werlang)
• "December fields are full of grass" (Gérson Werlang)
• "The Visit" (Gérson Werlang)

ARQUIVO
A entrevista com Josué foi realizada pelo jornalista José Antonio Pinheiro Machado. Produção: L&PM Vídeo, 1984, cor. As imagens foram cedidas pela TVE RS Fundação Cultural Piratini.
Filme: Jango (Silvio Tendler, 1984).
Série: A Ferro e fogo – Tempo de solidão (Gilberto Perin, 2006, 3 capítulos, RBS TV).
Os objetos utilizados pertencem ao escritor Josué Guimarães e fazem parte do AL JOG-UPF.
Fotografias: AL JOG-UPF; Centro Cultural CEEE Erico Verissimo; Conjunto postais/PDT; Memorial do LEGI; Museu da Comunicação Hipólito José da Costa; Nydia Guimarães; Nino Machado; O Cruzeiro; UPF.

FINALIZAÇÃO
Edição: Deisi Fanfa.
Finalização: Alexandre Rigo.

EQUIPE AL JOG-UPF
Professores: Fabiane Burlamaque, Miguel Rettenmaier, Tania Rösing.
Coordenação: Miguel Rettenmaier.
Coordenação geral: Tania Rösing.
Alunos pesquisadores Letras (Iniciação Científica e Mestrado): Diogo Rufatto (Graduação IC Bolsa Probic-FAPERGS), Eliandro dos Santos (Graduação IC Bolsa Pivic-UPF), Elisângela de Britto Palagen (Graduação IC Bolsa Pivic-UPF), Janaína Mari Cerutti (Graduação IC Bolsa Pivic-UPF), Jandi Fabian Barbosa (Mestrado), Josué Frizon (Mestrado Bolsa UPF), Patrícia Ritter (Graduação IC Bolsa Pivic-UPF), Pedro Afonso Barth (Graduação IC Bolsa Pivic-UPF), Rosália Passos (Graduação IC Bolsa Probic-FAPERGS), Marisete Tramontina (Graduação Bolsa CNPq), Mônica Golfetto Rech (Mestrado Bolsa UPF).

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: UPF TV (Passo Fundo).
Realização: AL JOG-UPF Acervo Literário de Josué Guimarães-Universidade de Passo Fundo (Passo Fundo).

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: 1:30:28
Som:
Imagem: cor
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação:
Formato de exibição: DVD

DISTRIBUIÇÃO
Classificação indicativa: Livre.
DVD: Distribuição: Passo Fundo: AL JOG-UPF Acervo Literário de Josué Guimarães-Universidade de Passo Fundo. Autoração: 24 ago 2011. Sem extras nem encarte. Distribuído durante a 14ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo.

OBSERVAÇÕES
Complementação aos créditos: Contracapa do DVD acrescenta as duas últimas alunas pesquisadoras.
Cf. créditos iniciais: // Passo Fundo – Capital nacional da literatura //

Grafias alternativas: Elaine Guimarães Guerhardt, Sérgio Capparelli, Luís Augusto Dill (identificação) | Nydia Machado Guimarães, Adriana Machado Guimarães, Jaime Marques Guimarães, Marilia Marques Guimarães, José Carlos Riter, Altair Teixeira Martins (contracapa DVD) | Nidia Guimarães (fotografias).

BIBLIOGRAFIA
Ver Bibliografias: Josué Guimarães.

RETTENMAIER, Miguel. O documentário A Jornada de Josué – Um acervo literário em foco. Manuscrítica – Revista de Crítica Genética, USP, São Paulo, 2013, p.79-86, n.24.
[PDF: www.revistas.fflch.usp.br/manuscritica/article/view/1472/1305]

Exibições


• Passo Fundo (RS), 14ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo [22-26 ago], 26 ago 2011, sex

• Porto Alegre (RS), Sessões da Feira do Livro, Cine Santander Cultural, 8 nov 2011, ter, 19h (comentada com Miguel Rettenmaier, Tania Rösing e Sergius Gonzaga)

• Canela (RS), 22ª Feira do Livro Josué Guimarães [28-30 set], Casa de Pedra, 29 set 2017, sex, 19h40 (debate com professora Márcia Ivana e Adriana Guimarães)

Arquivos especiais


Vários textos de Josué Guimarães foram adaptados para cinema e TV:

O Princípio e o fim (M. Capovilla, 1980, 45 min, TV Bandeirantes, baseado no conto homônimo)
O Mágico e o Delegado (Fernando Coni Campos, 1983, baseado no terceiro capítulo de Depois do último trem)
Urubus e papagaios (José Joffily, 1986, baseado em Dona Anja)
Dona Anja (Luís Antônio Piá, Caco Coelho, 1996-1997, novela, 120 capítulos, SBT)
A Ferro e fogo – Tempo de solidão (G. Perin, 2006, RBS TV)
A Ferro e fogo – Tempo de solidão (G. Perin, 2007, versão filme)

Ainda colabora no argumento de Vento Norte (S. Scliar, 1951) e escreve o texto para Crônica sulina (S. Back, 1978, 20 min).

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
A Jornada de Josué. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/776/a-jornada-de-josue. Acesso em: 18 de abril de 2024.