O Castigo do orgulho (1927)

Brasil (RS)
Longa-metragem silencioso | Ficção
35 mm, pb, (informações contraditórias cf. periódicos da época: 5 longas partes; 7 atos; 7 partes; 6 partes; 6 longos atos)

Direção: Eduardo Abelin.
Companhia produtora: Gaúcha Film

Primeira exibição: Porto Alegre (RS), Apollo, 28 out 1927, sex (especial para a imprensa)

 

Filme desaparecido.
Eduardo Abelin era famoso em Porto Alegre fazendo arriscadas provas com um automóvel Chevrolet de sua propriedade. Um programa que realizou no campo do Sport Club Internacional descreve as seguintes: guiar o auto montado na capota, guiar por meio de um espelho, com as mãos amarradas, em pé na direção, sistema a cavalo e suportar que auto lhe passasse por cima com a lotação completa. (Várias: As provas automobilísticas de ontem. A Federação, 14 fev 1927, p.4, ano XLIV, n.38).

Pela sinopse conhecida, tudo indica que O Castigo do orgulho poderia começar com uma ação parecida com a descrita pela nota do jornal, com Abelin vivendo o protagonista Ernesto. Esta foi a segunda de três ficções produzidas pela Gaúcha-Film de Abelin. A primeira é o curta Em defesa da irmã, drama em 2 partes, apresentado em 11 de novembro de 1926, e a última, outro longa, O Pecado da vaidade (1932). Também faz curtas naturais. Toda produção silenciosa de Abelin está desaparecida.

Sinopse


Ernesto é um automobilista que faz provas no meio de um campo de futebol. Um capitalista que mora num palacete, ao assistir às provas com sua filha, convida-o para ser seu chofer. Este aceita por causa da moça. Com o passar do tempo começam a namorar às escondidas. O Pai tem um amigo de quem gosta muito, um vilão, cínico, mas de sua inteira confiança. O Vilão é frequentador de um cabaré, onde se diverte dançando com Zazá. Certo dia, o Vilão chega ao palacete para pedir a moça em casamento. Ao ser informada do pedido, esta confessa que ama o chofer. O Pai despede o chofer na mesma hora.

Tempos depois, o Vilão é visto por Ernesto na Praça da Matriz conquistando uma garota Órfã. O Vilão, juntamente com seu chofer, Canguru, armam um plano e levam a garota a uma casa suspeita, simulando ser um restaurante. Lá, narcotiza a Órfã. Usando a metáfora da rosa desfolhando-se, caracteriza-se a violação da garota. O tempo passa, e o casamento do Vilão com a filha do capitalista não sai. Certa ocasião, aproveitando-se do fato de estar só com a moça no carro, tenta sequestrá-la. Ernesto, ao presenciar a cena, persegue-os e liberta sua amada. Retorna ao palacete, trazendo o Vilão amarrado. O capitalista reconhece seu erro e permite a união dos jovens apaixonados. Nisso, a Órfã seduzida comparece ao palacete com uma criança no colo à procura do Vilão. Juntos são encaminhados à presença do Delegado para realizar-se o casamento. (resumo do enredo publicado em Cinema brasileiro: 8 estudos)

Ficha técnica


ELENCO
Eduardo Abelin (Ernesto),
Suelly Vargas (Heroína), Antonio L. Ferreira (O Pai), Waldomiro Kersting (Vilão), Elsa Rodrigues (Órfã), Adolpho Aveiro (Delegado), Zazá (Dançarina do cabaré), Canguru (Chofer do Vilão).

DIREÇÃO
Direção: Eduardo Abelin.
Assistência geral: Waldomiro Kersting.

ROTEIRO
Roteiro: Eduardo Abelin.

PRODUÇÃO
Produção: Eduardo Abelin.

FOTOGRAFIA
Fotografia: José I. Picoral.

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO
Companhia produtora: Gaúcha Film (Porto Alegre).

FILMAGENS
Brasil / RS, em Porto Alegre, em lugares como: "no campo do S. C. Porto Alegre, no qual aparece numerosa assistência para uma festa automobilística, em um palacete da Rua da Independência, na Praça da Matriz, na Rua dos Andradas, na Praça 15 de Novembro, nas estradas de Canoas, e Tristeza" (Filmagem brasileira: Cinematografia gaúcha – A próxima exibição, nesta capital, de Para que serve o orgulho. Cinearte, Rio de Janeiro, 27 abr 1927, p.4 [BN, p.8], ano II, n.61.) e/ou "Praça Marechal Deodoro, Avenidas Redenção, Bom Fim, José Bonifácio e 13 de Maio; ruas dos Andradas e Independência, os novos jardins do Campo da Redenção, o campo do S. C. Internacional, onde se inicia o enredo" (Theatros e diversões: Cinemas – Carlos Gomes / O Castigo do orgulho. A Federação, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.2, ano XLIV, n.258.).

ASPECTOS TÉCNICOS
Duração: (informações contraditórias cf. periódicos da época: 5 longas partes; 7 atos; 7 partes; 6 partes; 6 longos atos)
Metragem:
Número de rolos:
Som: silencioso
Imagem: pb
Proporção de tela: 1.33
Formato de captação: 35 mm
Formato de exibição: 35 mm

OBSERVAÇÕES
A. J. Pfeil afirma que o ator Antonio Aveiro fez o personagem Jeca Tatu, sendo que Cinema brasileiro: 8 estudos indica que o ator Jeca Tatu fez o personagem "o delegado". Revista do Globo tem reportagem com Adolfo Aveiro, que explica que ele é conhecido como Jeca Tatu.
ICB afirma que o diretor da fita foi Antonio L. Ferreira.
ACPJ/l indica que direção e argumento são de Antonio L. Ferreira; no elenco chama Adolpho Santos Aveiro de Aveiro Santos. // Cinearte, Rio de Janeiro, n.88 também indica Antonio L. Ferreira como diretor e acrescenta José Kersting ao elenco (não fala no Waldomiro).
Segundo Cinearte, Rio de Janeiro, 7 dez 1927, p.5, n.93, Eduardo Abelin "ele mesmo escreveu a história, mas já não dirigiu, entregando o megafone a seu sócio Antonio L. Ferreira, outro amador".
Diário de Notícias, Porto Alegre, 10 set 1927 informa que continuam as filmagens.
A Tela, Porto Alegre, 30 nov 1927, n.8, diz que Abelin seguirá para o interior do Estado para exibir este filme.
A lista de cidades do interior do RS em que o filme é exibido, sem datas, aparece em: LIMA, Pedro. Cinema Brasileiro. Cinearte, Rio de Janeiro, 25 jul 1928, p.7, v.3, n.126.
Pelas exibições simultâneas divulgadas nos jornais (como em 8, 11 e 16 nov), poderia haver duas cópias deste filme? Ou os rolos eram levados de uma sala para outra?

Títulos alternativos: Para que serve o orgulho
Grafias alternativas: Waldomiro Kersting aka Jacaré | Adolpho Aveiro aka Jeca Tatu

BIBLIOGRAFIA
Filmografia brasileira – Quarto fascículo: período de 1926 a 1930. São Paulo: Cinemateca Brasileira, 1991, p.46.
PFEIL, Antonio Jesus. Cinema gaúcho dos anos 20. Porto Alegre: Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, Susec, 19??.
ANDRADE, Rudá de; GALVÃO, Maria Rita. Eduardo Abelim. In: Cinema brasileiro: 8 estudos. Rio de Janeiro: Embrafilme / Funarte / MEC, 1980, p.51-87.
PFEIL, Antonio Jesus. Os Caminhos que levaram Eduardo Abelin a um sonho sem fim. Canoas: Ed. do Autor, 1994. 32p. il.

Noticiário:
[Foto] Eduardo Abelin, Swely Vargas e Antonio Ferreira em O Castigo do orgulho da Gaucha-Film de Porto Alegre. Cinearte, Rio de Janeiro, 26 out 1927, p.9, v.2, n.87.
[Foto] Cena do Castigo do orgulho da Gaucha-Film de Porto Alegre. Cinearte, Rio de Janeiro, 9 nov 1927, p.4, v.2, n.89.
LIMA, Pedro. Cinema Brasileiro: Gaucha-Film. Cinearte, Rio de Janeiro, 7 dez 1927, p.4-5, v.2, n.93.

Anúncios. Correio do Povo, Porto Alegre, 6 nov 1927, p.20 e 25.
Anúncio. Correio do Povo, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.16.
Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 10 nov 1927.
Anúncio. Correio do Povo, Porto Alegre, 10 nov 1927, p.12.
Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 11 nov 1927, p.6.
Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 12 nov 1927, p.3.
Anúncio. Correio do Povo, Porto Alegre, 12 nov 1927, p.12.
Theatros e cinemas: Garibaldi / Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 16 nov 1927, p.3.
Anúncios. Correio do Povo, Porto Alegre, p.14.
Anúncios. Correio do Povo, Porto Alegre, 23 nov 1927, p.7.
Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 24 nov 1927, p.6.
Anúncio. Correio do Povo, Porto Alegre, 24 nov 1927, p.14.

Diário de Notícias, Porto Alegre, 29 out 1927, citado por Antonio Jesus Pfeil.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 6 nov 1927, p.15 e 17.
Theatros-Música-Cinemas. Diário de Notícias, Porto Alegre, 6 nov 1927, p.22.
Theatros-Música-Cinemas. Diário de Notícias, Porto Alegre, 7 nov 1927.
Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 7 nov 1927, p.6.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.11 e 13.
Theatros-Música-Cinemas + Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.14.
Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 9 nov 1927, p.16.
Anúncio. Diário de Notícias, Porto Alegre, 10 nov 1927, p.11.
Theatros-Música-Cinemas. Diário de Notícias, Porto Alegre, 10 nov 1927, p.12.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 11 nov 1927, p.9.
Theatros-Música-Cinemas + Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 11 nov 1927, p.10.
Theatros-Música-Cinemas + Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 12 nov 1927, p.7.
Anúncio. Diário de Notícias, Porto Alegre, 12 nov 1927, p.9.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 13 nov 1927, p.17.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 16 nov 1927, p.9.
Theatros-Música-Cinemas + Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 16 nov 1927, p.12.
Anúncio. Diário de Notícias, Porto Alegre, 22 nov 1927, p.19.
Anúncios. Diário de Notícias, Porto Alegre, 23 nov 1927, p.4.
Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 23 nov 1927, p.14.
Os Programas de hoje. Diário de Notícias, Porto Alegre, 24 nov 1927, p.9.

Theatros e diversões: Cinemas – Carlos Gomes / O Castigo do orgulho. A Federação, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.2, ano XLIV, n.258.
Anúncio. A Federação, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.5, ano XLIV, n.258.

Filmagem gaúcha: O Castigo do orgulho. A Tela, Porto Alegre, 15 nov 1927, ano I, n.7.

Anúncio. O Dia, Curitiba, 11 out 1930, p.3, n.2.675.
Anúncio. O Dia, Curitiba, 12 out 1930, p.4, n.2.676.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 28 out 1930, p.3, ano XXXII, n.10.877.
Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 29 out 1930, p.2, ano XXXII, n.10.878.
Anúncio. O Dia, Curitiba, 5 set 1933, p.5, ano XI, n.2.958.

Crítica:
A marcha da cinematografia gaúcha – O Castigo do orgulho apresentado por Eduardo Abelin – Operador: José Picoral. A Tela, Porto Alegre, 31 out 1927, ano I, n.6.
Theatros e diversões: Cinemas – Carlos Gomes / O Castigo do orgulho. A Federação, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.2, ano XLIV, n.258.
Theatros e cinemas. Correio do Povo, Porto Alegre, 10 nov 1927.

Exibições


• Porto Alegre (RS), Apollo,
28 out 1927, sex (especial para a imprensa)
7 nov 1927, seg (+ Torres + uma comédia)

• Porto Alegre (RS), Thalia, 8 nov 1927, ter
• Porto Alegre (RS), Carlos Gomes, 8 nov 1927, ter
• Porto Alegre (RS), Orpheu, 9 nov 1927, qua
• Porto Alegre (RS), Palacio, 10, 11 nov 1927, qui (+ Torres), sex
• Porto Alegre (RS), Navegantes, 11 nov 1927, sex
• Porto Alegre (RS), Garibaldi, 12 nov 1927, sab
• Porto Alegre (RS), Orpheu, 13 nov 1927, dom
• Porto Alegre (RS), Colombo, 16 nov 1927, qua
• Porto Alegre (RS), Garibaldi, 16 nov 1927, qua
• Porto Alegre (RS), Thalia, 23 nov 1927, qua
• Porto Alegre (RS), Orion, 24 nov 1927, qui

a partir de dez 1927?
• Pelotas (RS)
• Rio Grande (RS)
• Bagé (RS)
• São Gabriel (RS)
• Sant'Ana do Livramento (RS)
• Rosário (RS)
• Dom Pedrito (RS)
• São Pedro (RS)
• Cacequy (RS)
• Santa Maria (RS)
• Cruz Alta (RS)
• Passo Fundo (RS)
• Santo Ângelo (RS)
• Cachoeira do Sul (RS)
• Taquara (RS)
• São Leopoldo (RS)

• exibido ainda em pequenas localidades do RS, distribuído por J. Del Grande


• Caxias do Sul (RS), Central, 23 maio 1928, qua (6 atos)


• Curitiba (PR), Cine República, 12 out 1930, dom, 19h30, 21h (No Programa: Actualidades gaúchas – Últimos acontecimentos em evidência na terra dos pampas, como sejam: política, viação, lavoura, comércio etc. + O Amor é cego)

• Curitiba (PR), Theatro Avenida, 29 out 1930, sab, 19h30, 21h (+ Pelo Brasil redimido + Exposição Feira em Porto Alegre; presença do diretor)


• Curitiba (PR), Cine Para Todos, 5 set 1933, ter, sessão corrida às 19h30

Arquivos especiais


Noticiário e crítica:

A marcha da cinematografia gaúcha – O Castigo do orgulho apresentado por Eduardo Abelin – Operador: José Picoral. A Tela, Porto Alegre, 31 out 1927, ano I, n.6.
A convite do sr. Eduardo Abelin fomos sexta-feira, 28 do crt, assistir a exibição especial para a imprensa e empresa do Cine Apollo o filme: O Castigo do orgulho.
Francamente, não julgávamos ver um trabalho tão progressivo.
As fotografias são impecáveis. Lindas visões, viragem esplêndida, interpretação, embora com alguns minúsculos senões, é perdoável, técnica melhor possível.
Eduardo Abelin, o galã, portou-se o quanto pode na altura do papel que lhe foi confiado, o que prova, que com a continuação, será um bom artista até que não se encha de vaidade.
Waldomiro Kersting, o cínico, afora de alguma cena um tanto forçada, andou bem.
Antonio Ferreira no papel de pai fez o que pode para agradar.
Suelly Vargas, a heroína, é um tipinho que com a continuação, isto é, enquanto não for dominada pelo micróbio da presunção, será uma girl gaúcha.
Zazá, apesar de aparecer em ponta, demonstrou qualidades fotogênicas e queda para a cena muda.
Elsa Rodrigues também, no seu papel de uma pobre órfã, tem qualidades que lhe podem aproveitar.
Os outros rabulas fizeram o que as suas forças lhe permitiam.
O Castigo do orgulho é uma semente que, bem cuidada, poderá fazer brotar bons frutos.
Ensaios, escolha de tipo e Abelin verá o seu sonho realizado.
O trabalho do câmera e diretor José Piccoral é digno de elogios.
Esse filme será exibido a 7 de novembro no Theatro Apollo.

Theatros e diversões: Cinemas – Carlos Gomes / O Castigo do orgulho. A Federação, Porto Alegre, 8 nov 1927, p.2, ano XLIV, n.258.
Carlos Gomes – O cinema Carlos Gomes anuncia para o seu espetáculo de hoje a película O Castigo do orgulho, de produção gaúcha.
Filme de enredo interessante O Castigo do orgulho alcançou, ontem, muito sucesso em sua première sendo de se esperar novo sucesso no espetáculo de hoje.
O Castigo do orgulho – Foi exibida, ontem, no Theatro Apollo, a segunda produção da Gaucha-Film, da qual é proprietário o Sr. Eduardo Abelin.
Tratando-se de uma empresa nova e artistas também todos novos na arte da cena muda, que agora se inicia entre nós, não vacilamos em afirmar, que os aplausos ontem conquistados foram o justo prêmio ao esforço empregado e uma demonstração do que ainda poderão produzir.
O filme deixou a melhor impressão não só pelo trabalho dos amadores, que nele trabalham, como pelo ótimo trabalho cinematográfico que esteve a cargo do sr. José A. Picoral, que é o autor do lindo filme reproduzindo panoramas da praia balneária de Torres, que ontem também foi exibido como das outras vezes, com o maior sucesso.
Dos amadores merecem especial destaque os srs. Eduardo Abelin e Waldomiro Kersting, notadamente o primeiro. O desenvolver do drama passa todo nesta capital, vendo-se lindos trechos da cidade entre os quais nos lembramos dos seguintes:
Praça Marechal Deodoro, Avenidas Redempção, Bom Fim, José Bonifácio e 13 de Maio; ruas dos Andradas e Independência, os novos jardins do campo da Redempção, o campo do S. C. Internacional, onde se inicia o enredo, sendo então dado ao espectador assistir as difíceis evoluções feitas pelo sr. Abelin em um automóvel, pois como é sabido esse cavalheiro é exímio az do volante.
As vastas dependências do Theatro Apollo estiveram repletas em todas as sessões.
Hoje, o Castigo do orgulho será focado no Theatro Carlos Gomes.

Theatros e cinemas. Correio do Povo, Porto Alegre, 10 nov 1927.
A Gaúcha Film, que no popular Cine-Theatro Apollo, fez com êxito brilhante a apresentação da sua primeira super, hoje irá exibí-la aos frequentadores do Cine-Theatro Palacio.
Castigo do orgulho é o título dessa nova produção da cinematografia rio-grandense e reproduz com louvável justeza e discrição alguns dos aspectos mais curiosos da nossa terra e da nossa gente.
Dado o belo êxito conseguido no Apollo, é de se prever para Castigo do orgulho uma triunfal jornada em cartaz e a sequência do agrado publico, prestigiando essa nossa incipiente, mas já promissora indústria.

Theatros e cinemas: Garibaldi / Cartaz do dia. Correio do Povo, Porto Alegre, 16 nov 1927, p.3.
Vão aos habitués do Garibaldi assistir hoje, à noite, a película rio-grandense denominada O Castigo do orgulho.
É um filme merecedor de aplausos do público e que deve ser apreciado, pois além de tudo representa um esforço digno de estímulo.
O Castigo do orgulho possui nítida fotografia, própria de apurado trabalho técnico, além de uma boa interpretação.
Cartaz do dia.
Garibaldi – O Castigo do orgulho.
Colombo – O Castigo do orgulho.

Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 28 out 1930, p.3, ano XXXII, n.10.877.
Atenção! – Achando-se nesta capital o sr. Eduardo Abelin, o mesmo tem a honra de apresentar-se pessoalmente no palco do Theatro Avenida antes da sessão para o público de Curityba.

Anúncio. Diário da Tarde, Curitiba, 29 out 1930, p.2, ano XXXII, n.10.878.
Theatro Avenida – Hoje – Duas sessões colossais, 7,30 e 9 horas – Hoje – A pedido geral e pela última vez – Pelo Brasil redimido – Reportagem sensacional da revolução de 1930 – Único filme neste gênero que foi tirado do Rio G. do Sul até Ponta Grossa, pelo sr. Eduardo Abelin, único autorizado pelo 1º Regimento de Cavalaria do Rio Grande do Sul. / O Castigo do orgulho – Produção filmada em Porto Alegre – com Eduardo Abelin e Suely Vargas e outros. Damos mais: Exposição Feira em Porto Alegre, cuja inauguração foi feita pelo generalíssimo Getulio Vargas. É um filme natural em duas partes.

Como citar o Portal


Para citar o Portal do Cinema Gaúcho como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:
O Castigo do orgulho. In: PORTAL do Cinema Gaúcho. Porto Alegre: Cinemateca Paulo Amorim, 2024. Disponível em: https://cinematecapauloamorim.com.br//portaldocinemagaucho/81/o-castigo-do-orgulho. Acesso em: 23 de maio de 2024.